Pular para o conteúdo principal

80 andares e um elevador (para descer)

Era um sábado chuvoso, complicado, com muito vento e ruas se transformando em córregos. Passei o dia olhando pela janela em busca de uma simples brecha naquele mal tempo para uma corridinha, mas desta vez a sorte não estava do meu lado. Nem lembrava mais quantas vezes passara por minha cabeça jogar tudo para o alto e enfrentar a chuva para desfrutar uma simples corridinha. Comecei a pensar nos distraídos que poderiam achar que eu estaria correndo por causa da chuva, mas estranhariam o sorriso e a ausência do guarda-chuva. Então veio o receio e a lembrança de que na semana passada eu estava ferrado de gripe e com a garganta inflamada. Esta chuva cada vez atrapalhava mais. Foi quando lembrei da RW de outubro e pensei: por que não os treinos em escada? Não dá para fazer mais nada mesmo! E foi assim que horas depois me sentei aqui para escrever um pouco sobre esta, no mínimo, inusitada experiência.

Corrida em escada não coisa só para macho.

Apesar do tempo gasto, não encontrei praticamente nada sobre treinamento em escadas. Apenas algumas sugestões, reportagens, uma associação canadense e o alerta de um corredor das antigas sobre ter abandonado este tipo de treino por causa das lesões que muitos vinham sofrendo. Mas a segundo a Revista Runners, esta modalidade de corrida existe pelo mundo, então não posso descartar que alguém encontrou benefícios neste tipo de exercício.

Subir escadas. E nem faltou luz

Resolvi levar a frente o treinamento que descrevi no último post, um treino para iniciantes, 30 minutos subindo os degraus um a um. Coincidentemente as matérias que li promoviam séries adotando 10 andares como parâmetro de treino, então não fugi a regra e fui para luta. As três primeiras subidas me surpreenderam pelo falto de não ter me cansado muito. Fiquei até meio decepcionado, mas lembrei que não estou começando do zero e o nível de esforço que me propus a fazer era “baixo”. Afinal, eu não estava correndo, ou trotando degraus acima como algumas fotos que esbarrei pela Internet sugeriam. Eu precisei de aproximadamente 4 minutos para subir os 10 andares andando e depois descer de elevador para começar de novo. Ali pela quarta, ou quinta subida, esbarrei com um garoto no elevador. Eu já estava totalmente suado e ele olhou com estranheza um cara de quase dois metros bufando no elevador que estava descendo. Pelo olhar dele, acho que tentou imaginar o que teria me deixado naquele estado, afinal eu não estava vindo da rua. O elevador estava no décimo andar quando embarquei para descer (risos).

Oito séries de dez andares depois, ou melhor, 80 andares depois, a fadiga não veio na intensidade que eu esperava. O nível de esforço para a caminhada nas escadas eu comparo a uma corrida moderada. Utilizei a frequência cardíaca como parâmetro. Continuarei buscando informações sobre o assunto, pois este exercício é uma ótima alternativa para dias chuvosos e reforço muscular.

Links deste post

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…