Pular para o conteúdo principal

Nada como um final de semana


Um sábado de praia e sol

O convidado indesejado.

Seguindo a preparação para a etapa de verão do Circuito Adidas, sábado fui à São Francisco para um treino de velocidade. Depois de um aquecimento tranqüilo, fui para o primeiro de dois tiros de 3K, com o objetivo de manter o pace em 5’30”. O primeiro tiro foi muito bom, pois fechei os 3K com 16’38”. Apenas 8” acima do esperado. Então iniciei a corrida leve de volta, mas antes da metade do percurso percebi que havia algo de errado. Eu queria parar, pois a sensação de cansaço era quase insuportável. Teimei e tentei me manter concentrado. Aproveitei a presença de outro corredor para utilizá-lo como coelho, mas rapidamente ele foi se afastando. Terminei a segunda metade da volta em aproximadamente 22’. Ao completar a volta tentei me reidratar para tentar uma segunda volta, mas não dava. Fui vencido pelo sol de 27°C que fazia às oito e meia da manhã. Não havia uma nuvem de esperança. Minhas baterias haviam arriado. O ensaio para a Adidas Verão foi preocupante.

Circuito Pague Menos

Imagine você fazer parte de um evento em que o dinheiro arrecadado seria encaminhado para uma instituição que presta assistência a crianças? Esta foi a corrida beneficente do Circuito Pague Menos. Foi também uma prova para poucos, pois o limite de inscrições deveria beirar o número três mil. Foi bom também pelo percurso, pois correr em outro local além do Aterro foi ótimo para cabeça, ainda mais sendo a Praia de Copacabana.

O tal da olimpíada!

Modesto em tamanho, mas sua grandeza e importância trouxeram nomes de peso para o evento. Ver de perto o Vanderlei Cordeiro, Fernanda Keller e, outros personagens do mundo da corrida que não reconheci na área VIP, foi algo bom. Ver que estes excepcionais são de carne e osso só tornou suas conquistas ainda mais fascinantes. Pessoas simples, mas definitivamente convictas dos que desejam para suas vidas.

A moça de branco já completou a prova do ironman algumas vez. Nada mais para dizer.

Já esperando uma manhã de sol, eu havia me planejado acompanhar minha esposa. Mas para minha surpresa o homem lá de cima fez chover um mundo durante a madrugada. Choveu tanto, que ao levantar às cinco da manhã ainda não havia parado. Quase desistimos, mas pouco antes das seis a chuva parou e como doidos nos arrumamos, buscamos minha mãe e fomos para o Leme.

O objetivo mudara, pois eu precisa ainda precisava definir o pace para a Adidas Verão. Estacionar em cima da hora foi um desespero, mas deixei o carro praticamente a 1 Km do local da prova e aproveitei a distância para fazer o aquecimento. Cheguei faltando pouco menos de 1 minuto para a largada, foi beber um copo d’água, dar um beijo na esposa, mãe e filho, agradecer pelo céu completamente nublado e partir para outro tiro de velocidade. Sem o sol fritando os miolos ficou mais fácil completar o tiro de 4 Km em 21’01”. Um pace de 5’15”. O objetivo era tentar encontrar um ritmo para a prova de 10 Km que terei em duas semanas. Precisava saber se conseguirei bater meu recorde pessoal e ainda acompanhar o pace de 5’30”. Sem o sol o prognóstico foi positivo. Com a FC em torno de 90% da FCM (conforme a fórmula de Karvonen), talvez eu seja capaz de fazer uma boa corrida e baixar meu tempo. Talvez até acompanhar o pace de 5'30", se o sol não resolver chegar para a festa.

Feliz e com tanto brinde que mal dava para segurar, voltei ao percurso para incentivar minha esposa e resgatar minha mãe e o pequeno rebento que curtir a corrida em seu carrinho. Outra coisa boa da corrida é que estou contaminando todo mundo com esta história de correr. Milene, minha amiga do trabalho correu e ainda levou alguns amigos também. Um barato ver cada vez mais gente comprometida com a sua e a diversão que este circo nos proporciona. O pessoal do trabalho agora terá que aturar dois corredores. Espero que este seja o início de uma epidemia dentro da empresa.


Contanimados pelo bicho da corrida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…