Pular para o conteúdo principal

Nada como um final de semana


Um sábado de praia e sol

O convidado indesejado.

Seguindo a preparação para a etapa de verão do Circuito Adidas, sábado fui à São Francisco para um treino de velocidade. Depois de um aquecimento tranqüilo, fui para o primeiro de dois tiros de 3K, com o objetivo de manter o pace em 5’30”. O primeiro tiro foi muito bom, pois fechei os 3K com 16’38”. Apenas 8” acima do esperado. Então iniciei a corrida leve de volta, mas antes da metade do percurso percebi que havia algo de errado. Eu queria parar, pois a sensação de cansaço era quase insuportável. Teimei e tentei me manter concentrado. Aproveitei a presença de outro corredor para utilizá-lo como coelho, mas rapidamente ele foi se afastando. Terminei a segunda metade da volta em aproximadamente 22’. Ao completar a volta tentei me reidratar para tentar uma segunda volta, mas não dava. Fui vencido pelo sol de 27°C que fazia às oito e meia da manhã. Não havia uma nuvem de esperança. Minhas baterias haviam arriado. O ensaio para a Adidas Verão foi preocupante.

Circuito Pague Menos

Imagine você fazer parte de um evento em que o dinheiro arrecadado seria encaminhado para uma instituição que presta assistência a crianças? Esta foi a corrida beneficente do Circuito Pague Menos. Foi também uma prova para poucos, pois o limite de inscrições deveria beirar o número três mil. Foi bom também pelo percurso, pois correr em outro local além do Aterro foi ótimo para cabeça, ainda mais sendo a Praia de Copacabana.

O tal da olimpíada!

Modesto em tamanho, mas sua grandeza e importância trouxeram nomes de peso para o evento. Ver de perto o Vanderlei Cordeiro, Fernanda Keller e, outros personagens do mundo da corrida que não reconheci na área VIP, foi algo bom. Ver que estes excepcionais são de carne e osso só tornou suas conquistas ainda mais fascinantes. Pessoas simples, mas definitivamente convictas dos que desejam para suas vidas.

A moça de branco já completou a prova do ironman algumas vez. Nada mais para dizer.

Já esperando uma manhã de sol, eu havia me planejado acompanhar minha esposa. Mas para minha surpresa o homem lá de cima fez chover um mundo durante a madrugada. Choveu tanto, que ao levantar às cinco da manhã ainda não havia parado. Quase desistimos, mas pouco antes das seis a chuva parou e como doidos nos arrumamos, buscamos minha mãe e fomos para o Leme.

O objetivo mudara, pois eu precisa ainda precisava definir o pace para a Adidas Verão. Estacionar em cima da hora foi um desespero, mas deixei o carro praticamente a 1 Km do local da prova e aproveitei a distância para fazer o aquecimento. Cheguei faltando pouco menos de 1 minuto para a largada, foi beber um copo d’água, dar um beijo na esposa, mãe e filho, agradecer pelo céu completamente nublado e partir para outro tiro de velocidade. Sem o sol fritando os miolos ficou mais fácil completar o tiro de 4 Km em 21’01”. Um pace de 5’15”. O objetivo era tentar encontrar um ritmo para a prova de 10 Km que terei em duas semanas. Precisava saber se conseguirei bater meu recorde pessoal e ainda acompanhar o pace de 5’30”. Sem o sol o prognóstico foi positivo. Com a FC em torno de 90% da FCM (conforme a fórmula de Karvonen), talvez eu seja capaz de fazer uma boa corrida e baixar meu tempo. Talvez até acompanhar o pace de 5'30", se o sol não resolver chegar para a festa.

Feliz e com tanto brinde que mal dava para segurar, voltei ao percurso para incentivar minha esposa e resgatar minha mãe e o pequeno rebento que curtir a corrida em seu carrinho. Outra coisa boa da corrida é que estou contaminando todo mundo com esta história de correr. Milene, minha amiga do trabalho correu e ainda levou alguns amigos também. Um barato ver cada vez mais gente comprometida com a sua e a diversão que este circo nos proporciona. O pessoal do trabalho agora terá que aturar dois corredores. Espero que este seja o início de uma epidemia dentro da empresa.


Contanimados pelo bicho da corrida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…