Pular para o conteúdo principal

Uma deusa, uma corrida

Hoje vou aproveitar este espaço para falar de uma prova que não corri, mas participei. Neste final de semana levei minha esposa para debutar no Circuito Vênus 2010. É uma prova realmente feita para as mulheres, recheada de serviços e benesses para premiar estas que muito fazem e nem sempre tem seu trabalho reconhecido, ou visto por seus homens. Não me excluo do grupo dos cegos, ou insensíveis, afinal a lenda diz que o homem possui visão e audição seletiva.
Brincadeiras a parte, o Day Care é um dia voltado para os cuidados pessoais. As aulas de dança, yoga e outras coisas mais ocuparam o domingo praticamente todo. Em paralelo, estandes oferecendo massagens de tudo quanto é tipo e um estande especial oferecendo truques com os cosméticos. Óbvio que todas saíam maquiadas. Esse realmente não poderia faltar. Para comer, sanduíches e sorvete de iogurte. Aproveitei o quanto pude, pois o assistente também precisa se alimentar. Muita descontração depois e com o kit debaixo do braço, voltamos para casa para descansar, pois ainda teríamos a corrida no dia seguinte.
Foi dada a largada. No visual, pelo menos 5.000 corredoras.


Apesar dos esbarrões nos famosos e o vai-e-vem dos estandes, foi fácil pegar o chip. Neste ponto as provas do Clube O2 são irrecrimináveis. Com o chip amarrado ao tênis, foi correr para o pórtico de largada para assistir aos 5K da minha esposa Andréa e aos 10K da nossa amiga Marta. Ao contrário da Adidas, a prova utilizou o viaduto do aeroporto, para não precisar utilizar o trecho na Praia de Botafogo. Aproveitei o fato para encontrar minha esposa quando ela completava o Km 1. Fomos em um modesto intervalado até o final, pois o mais importante ela fez: completar a prova. Agora é deixar o bichinho da corrida trabalhá-la e aguardar pela próxima prova.

Link deste post

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…