Pular para o conteúdo principal

Cão-coelho


Eu pensei em vários temas para este post. Pensei em comemorar meu retorno aos treinos, por ter corrido sem parar por mais de 40 minutos, ou pelo primeiro treino em tempos com o compadre Gláucio. Mas hoje vou falar do cão-coelho, nosso companheiro de treino. A foto ao lado poderia ser dele, caso eu não estivesse falando de uma cachorro de rua. Nosso amigo de quatro patas que puxou parte do treino.
A orla de Icaraí, São Francisco e a Estrada Fróes fazem parte dos longões há tempos. Do MAC ao Naval,  ou qualquer coisa entre eles. Seria um treino rotineiro com um boa conversa, se retornando pela Praia de São Francisco nosso amigo cão-coelho não se colocasse trotando a nossa frente. Ficamos incrédulos quanto a permanência dele ali, mas ele não acelerou ou reduziu o ritmo. Marcou o pace junto conosco e seguia a nossa frente, salvo quando uma moto se aproximava. Ele tentava revidar os "grunidos" do motor com todas as forças e em seguida voltava para nossa frente. 
Assim, seguimos até meados da Fróes, quando nosso "coelho" parou para beber água. Depois de saciado, distraído, ele passou correndo por nós e foi marcar o pace de um trio mais a frente. Acontece... estávamos muito devagar para ele.
Clipping. Vou aproveitar o fôlego para comentar mais algumas matérias da Runner's #36. Falando em longão, a coluna OXIGÊNIO conseguiu me surpreender novamente. O Mário Sérgio fala do longão para quem quer correr 5K, 10K, 21K e 42K. Mantendo a “lei da proporcionalidade” teremos:
  • 5K: 8 a 10K
  • 10K: 12 a 16K
  • 21K: 15 a 21K
  • 42K: 18 a 32K
Em NO PIQUE, Marcos Paulo fala dos benefícios de se correr em grupo. Isso eu posso dizer o quanto é prazeroso e eficaz ter pessoas ao lado em busca do mesmo objetivo. Correr “em bando” trás forças para o corpo e para a mente. As vezes puxamos o ritmo e outras vezes somos puxados. Vive este experiência este ano e foi realmente gratificante.
DIRETO AO PONTO, na seção TREINO, mostra o quanto é importante definirmos uma meta. Queria eu dizer que isto é algo que deveríamos ter apenas para corrida, mas é uma lição de vida. Saber o que se quer ajuda muito o universo a conspirar a nosso favor. Defina sua estratégia: ganhar resistência, ficar mais rápido, desestressar, ou mesmo fazer amigos. Existe um treino e uma assessoria esportiva que talvez se encaixem em sua necessidade.
PELOTÃO DA FRENTE, por ser um espaço para alta performance, aborda o limiar de lactato. Aquela coisa que deixa a gente quebrado depois de meter o pé na prova. O segredo para evitar tamanho desgaste está nos treinos. O aumento gradual dos tiros nos intervalados aumenta nossa capacidade de tratar o lactato produzido. É uma questão de dedicação. Particularmente posso dizer que não cheguei quebrado em nenhuma das três ½ maratonas que corri este ano. Os treinos foram bem feitos o que me deixou confortável para debutar como sub-2h. Melhor ainda por ter conseguido o feito nas três oportunidades.
Em CORPO+MENTE uma reportagem bastante interessante. OSSO DURO conta que correr fortalece os ossos! Ao contrário do que muitos pensam (inclusive eu), o impacto trás efeito positivo para os ossos. A pergunta a ser respondida agora é com relação as articulações. O artigo é encerrado com maestria com o seguinte aviso: “o cigarro e o álcool prejudicam a absorção do cálcio, fundamental para fortalecer os ossos”. Para bom entendedor...
GENTE QUE CORRE fala sobre força de vontade. Fala de um cara que largou a vida sedentária e 35 Kg para 1 ano depois comemor uma vida saudável, feliz e com namorada. É preciso se gostar para alguém gostar da gente. Frase velha, mas verdadeira.
O texto do Iberê na coluna SENTA A BOTA! descreve exatamente o que passa pela cabeça da gente. Não que eu tenha corrida a Maratona de NY, ou melhor, uma maratona. Durante as meias o sentimento foi muito semelhante. Acho eu que por precisar ouvir meus pensamentos é que me acostumei a correr sem meu MP3. Hoje, ele mais me acompanha na condução para o trabalho, do que nos treinos. Quem iria imaginar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…