Pular para o conteúdo principal

Cão-coelho


Eu pensei em vários temas para este post. Pensei em comemorar meu retorno aos treinos, por ter corrido sem parar por mais de 40 minutos, ou pelo primeiro treino em tempos com o compadre Gláucio. Mas hoje vou falar do cão-coelho, nosso companheiro de treino. A foto ao lado poderia ser dele, caso eu não estivesse falando de uma cachorro de rua. Nosso amigo de quatro patas que puxou parte do treino.
A orla de Icaraí, São Francisco e a Estrada Fróes fazem parte dos longões há tempos. Do MAC ao Naval,  ou qualquer coisa entre eles. Seria um treino rotineiro com um boa conversa, se retornando pela Praia de São Francisco nosso amigo cão-coelho não se colocasse trotando a nossa frente. Ficamos incrédulos quanto a permanência dele ali, mas ele não acelerou ou reduziu o ritmo. Marcou o pace junto conosco e seguia a nossa frente, salvo quando uma moto se aproximava. Ele tentava revidar os "grunidos" do motor com todas as forças e em seguida voltava para nossa frente. 
Assim, seguimos até meados da Fróes, quando nosso "coelho" parou para beber água. Depois de saciado, distraído, ele passou correndo por nós e foi marcar o pace de um trio mais a frente. Acontece... estávamos muito devagar para ele.
Clipping. Vou aproveitar o fôlego para comentar mais algumas matérias da Runner's #36. Falando em longão, a coluna OXIGÊNIO conseguiu me surpreender novamente. O Mário Sérgio fala do longão para quem quer correr 5K, 10K, 21K e 42K. Mantendo a “lei da proporcionalidade” teremos:
  • 5K: 8 a 10K
  • 10K: 12 a 16K
  • 21K: 15 a 21K
  • 42K: 18 a 32K
Em NO PIQUE, Marcos Paulo fala dos benefícios de se correr em grupo. Isso eu posso dizer o quanto é prazeroso e eficaz ter pessoas ao lado em busca do mesmo objetivo. Correr “em bando” trás forças para o corpo e para a mente. As vezes puxamos o ritmo e outras vezes somos puxados. Vive este experiência este ano e foi realmente gratificante.
DIRETO AO PONTO, na seção TREINO, mostra o quanto é importante definirmos uma meta. Queria eu dizer que isto é algo que deveríamos ter apenas para corrida, mas é uma lição de vida. Saber o que se quer ajuda muito o universo a conspirar a nosso favor. Defina sua estratégia: ganhar resistência, ficar mais rápido, desestressar, ou mesmo fazer amigos. Existe um treino e uma assessoria esportiva que talvez se encaixem em sua necessidade.
PELOTÃO DA FRENTE, por ser um espaço para alta performance, aborda o limiar de lactato. Aquela coisa que deixa a gente quebrado depois de meter o pé na prova. O segredo para evitar tamanho desgaste está nos treinos. O aumento gradual dos tiros nos intervalados aumenta nossa capacidade de tratar o lactato produzido. É uma questão de dedicação. Particularmente posso dizer que não cheguei quebrado em nenhuma das três ½ maratonas que corri este ano. Os treinos foram bem feitos o que me deixou confortável para debutar como sub-2h. Melhor ainda por ter conseguido o feito nas três oportunidades.
Em CORPO+MENTE uma reportagem bastante interessante. OSSO DURO conta que correr fortalece os ossos! Ao contrário do que muitos pensam (inclusive eu), o impacto trás efeito positivo para os ossos. A pergunta a ser respondida agora é com relação as articulações. O artigo é encerrado com maestria com o seguinte aviso: “o cigarro e o álcool prejudicam a absorção do cálcio, fundamental para fortalecer os ossos”. Para bom entendedor...
GENTE QUE CORRE fala sobre força de vontade. Fala de um cara que largou a vida sedentária e 35 Kg para 1 ano depois comemor uma vida saudável, feliz e com namorada. É preciso se gostar para alguém gostar da gente. Frase velha, mas verdadeira.
O texto do Iberê na coluna SENTA A BOTA! descreve exatamente o que passa pela cabeça da gente. Não que eu tenha corrida a Maratona de NY, ou melhor, uma maratona. Durante as meias o sentimento foi muito semelhante. Acho eu que por precisar ouvir meus pensamentos é que me acostumei a correr sem meu MP3. Hoje, ele mais me acompanha na condução para o trabalho, do que nos treinos. Quem iria imaginar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…