Pular para o conteúdo principal

Correr, dormir e comer... mas comer muito bem!


Mais uma semana de treinos chega ao final trazendo ensinamentos e reflexões. As dores no quadril vem diminuindo rapidamente desde que retomei os exercícios funcionais e me concentrei em manter a postura correta para correr. Manter o corpo ligeiramente inclinado para frente, cabeça erguida, olhos no horizonte, abdômen contraído e quadril encaixado. Não tão difícil quanto se lê, mas que requer força e concentração. A parte boa é que ganhei velocidade, pois a "passada encaixada" reduz o tempo de contato com o solo. A parte inusitada é relativa a ressonância que estou tentando fazer. Ainda não consegui uma data para realizar o exame, mas em poucas semanas o resultado será praticamente nulo, com a regressão que a lesão tem apresentado.
Você que chegou até aqui deve estar se perguntando o que o título tem a ver com isso, não é? Tem tudo, pois treinar não é apenas o ato de cumprir com as especificações da planilha, vai além. Ter uma alimentação adequada e reservar boas horas de sono são fundamentais para a saúde da mente e do corpo. Por causa de noites mal dormidas e ter quebrado a rotina alimentar, perdi peso e descansei pouco. Possivelmente este conjunto de ações colocaram a lesão em evidência. 
Retomada a rotina, voltei a ganhar peso e mais equilíbrio para correr. Para quem gosta de comer, correr é um álibi perfeito. Depois de certo tempo, seu metabolismo acelerado lhe obriga a se alimentar melhor e a comer mais para manutenção do corpo.
Queria aproveitar para comentar uma última matéria da Runners de novembro. Em ANTES CEDO DO QUE NUNCA são apresentadas dicas para quem precisa adotar as primeiras horas do dia para treinar. CUIDADO! Correr de manhã é extremamente viciante. Ver o sol nascer e correr com uma temperatura ainda amena são situações que lhe deixam exigentes com o tempo. Sem falar da ausência dos carros e consequentemente da poluição. Particularmente lembro sem saudades dos tempos que corria a noite.
Tá, mas eu não estou dizendo que acordar cedo é mole. É preciso disciplina e lembrar de deitar cedo na noite anterior para facilitar as coisas. O resto é fácil. Treinar é a parte divertida do dia para que não vive sem um tênis no pé.
Calcule seu IMC em http://www.amaissaude.com.br/saude-e-lazer/Pages/default.aspx

Comentários

  1. André, tbem li a matéria da Runners deste mês destacando os benefícios da corrida no período matutino e achei muito interessante. Eu procuro adaptar os treinos com a agenda do trabalho, mas sei que não se compara com correr "cedinho". Valeu pela dica.
    A partir de agora estarei te seguindo...

    Um abraço e bons treinos!!

    Helena C Vidal
    Correndo de bem com a vida
    helenacvidal.blogspot.com
    @correndodebem

    ResponderExcluir
  2. Helena,
    Primeiramente obrigado pela visita a este humilde blog e se integrar a este círculo de idéias e experiências. Será uma honra trocar idéias contigo sobre este mundo chamado corrida.
    Por sua causa reli o post e fico feliz que tenha lhe contribuído de alguma forma. Correr cedo é muito bom. Nos tornamos pessoas mais ativas, se o fizermos sob as condições citadas no post. Com relação a comer, a corrida é o nosso maior álibi para fugir ocasionalmente de uma alimentação mais regrada. Se permitir a um rodízio de massas, de carne ou doces sem culpa é algo muito bom. Saber que existe uma forma NATURAL de combater o sobrepeso é algo sensacional.
    Visitarei seu post.
    Boas passadas!
    André

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…