Pular para o conteúdo principal

Refém dos hormônios


Eu resolvi escrever este post após a leitura do artigo da Patrícia Julianelli na Runner's #36 encabeçado pelo título NO LONGO PRAZO. A reportagem me fez lembrar da situação que algumas mulheres (mentira; da minha avozinha a atendente do balcão da padaria; praticamente todas) desenvolvem pelo menos uma segunda personalidade durante as crises pré-menstruais. Nestes já muitos anos de vida já assisti todas, ou quase todas as facetas que um ser humano pode assumir. A dengosa, a meiga, a chorona, a estressada, a irritante (digo irritada), a persseguida, a "estou gorda", a "estou feia", a prostrada, a cansada e a mais clássica e temida por todos os homens: a homicida. Que homem nunca olhou nos olhos de uma mulher as veias palpitando de uma raiva irracional por um motivo irrelevante por causa dos tais hormônios da pré-menstruação. Elas mais parecem lobisomens (ou seu gênero feminino seja lá qual for) sedentos por sangue... seu sangue por sinal. Mas não escrevo para fazer piada ou pouco caso de uma situação que praticamente intrínseca ao ser feminino, mas para falar o quanto a corrida pode contribuir para coibir este momento de desequilíbrio na mulher. 
Engana-se quem acredita que a mulher opta em iniciar uma atividade física para ter mais qualidade de vida. A maioria entra na ralação pelo mais sublime e delicioso motivo: o desejo de comer doces. Mas doces engordam e isto vai de encontro a mais saudável vaidade que elas podem desenvolver. Não por nós, desejados, ficantes, namorados ou maridos (nesta ordem mesmo), mas para manterem suas posições de poder neste mundo feminino. Falo de algo além dos elogios masculinos, falo de assistir o reconhecimento de uma rival.
A Patrícia Julianelli deve estar estupefada com o texto, mas vou concluir. Prometo. A corrida não transforma a mulher apenas fisicamente. Se a mulher for capaz de incluir em sua rotina semanal aos menos três dias de treinos (que não ultrapassam 1 hora), ela descobrirá que perder peso será o menor dos benefícios. Além do corpo esbelto e modelado, ela perceberá que a presença da endorfina em seu corpo auxiliará na redução (quando não dará um fim) nas múltiplas personalidades com quem precisa conviver alguns dias por mês. Permitirá uma vida gastronômica sem ( ou quase) culpa e uma mente ainda mais afiada para esta vida multi-facetada que as mulheres modernas se propuseram a viver. Aqui deixo o protesto, o elogio e o convite.
Boas passadas!
Nota importante: o texto acima não tem cunho científico, ou mesmo se apoia em teste empíricos. São percepções pessoais e recortes de informações disponíveis em revistas de corrida e sites na Internet com uma pequena dose de implicância :-)

Comentários

  1. Adorei o texto!!!
    Priscila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio, Priscila. É legal rever antigos textos e perceber que estes ainda são atuais.
      Volte sempre.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…