Pular para o conteúdo principal

Bursite trocanteriana

No meu caso, dói do lado esquerdo.
Depois de muito custo consegui agendar a ultrasonografia do quadril. O procedimento é realizado com mesmo equipamento do exame periódico das grávidas. É um exame rápido, onde o objetivo foi avaliar a articulação quadril/fêmur. Apesar da dor (em outubro) ser percebida na crista ilíaca, o dispositivo foi apontado para região pubiana. Segundos depois ela disse: "você tem uma bursite. É antiga."
Segundo o Wikipedia, bursite é um tipo de inflamação e pode ser provocado por movimentos repetirivos, ou sobrecarga na articulação. A carapuça servi certinha. Como se feita sob medida. O tratamento pode ser feito com anti-inflamatórios, analgésicos, repouso, fisioterapia e dependendo do caso, intervenção cirúrgica. 
Contei minha breve história das três meias maratonas, um bocado de treinos e noites mal dormidas, por causa do trabalho e os pormenores da vida. Sem chororo, pois viver é um desafio diário. A parte boa é que o diagnóstico confirmou minha percepção do problema e reforça a tese de que somos o melhor termômetro para as mazelas que nos assolam.
Graças a reportagem CONSERTO EM DÓI MAIOR publicada pela Revista Runners #36 tive acesso a informações sobre técnicas de corrida que fizeram a diferença. A forma como foi explicitado a relação causa/efeito da postura na corrida foi esclarecedora. Quase gritei EURECA! Rapidamente percebi que a má postura havia sido o motivo do problema. Quando ela disse que a contusão era antiga, ela estava certa. As dores começaram em setembro, a interrupção dos treinos se sucedeu nas semanas seguintes e já informado (e aparentemente sem dores) voltei aos treinos sob este novo prisma: correr com o quadril encaixado e exercícios funcionais para reforçar o CORE.
A dor ainda está ali, porém bem mais leve e diminuindo gradativamente. Tenho 10 sessões de fisioterapia para fazer, mas estou tranquilo quanto a regressão completa da inflamação.
Reforço que não sou a favor da auto-medicação, pelo contrário, levarei o exame para o ortopedista avaliá-lo. De repente ele vai me sugerir (improvável) mais algumas semanas de repouso. Sei que localizar um ortopedista do esporte é difícil e muitos não trabalham com convênios, mas não vale o risco de ter que abandonar esse esporte magnífico pelo preço de uma consulta médica. 
Boas passadas em 2012 para todos.
Veja também: A importância da técnica

Comentários

  1. Tive também um segundo semestre complicado. Mas agora tudo já está resolvido e estou voltando a correr. Talvez um bom fisioterapeuta esportivo vá ajudar mais do que o ortopedista. No meu caso foi importantíssimo para eu voltar a correr. Abcs e boa sorte! Feliz 2012!

    ResponderExcluir
  2. O ortopedista irá apenas ratificar o prognóstico, Léo. Ele já me encaminhou para 10 sessões de fisioterapia, com chance de outras 10 ou 20. Vai depender da reação do meu corpo.
    A parte boa é que estou melhorando antes mesmo das sessões. O resultado da ultrasonografia mostrou que não houve comprometimento da articulação, da cartilagem e sei lá mais o que.
    Espero um 2012 tão proveitoso quanto 2011, mas com alguns cuidados a mais para não passar por sustos como este.
    Quem sabe 2013 é meu ano da maratona?
    Feliz Ano Novo para você também!

    ResponderExcluir
  3. Também tive essa, no meu caso nem bursa tem mais, calcificou, quando e se doer novamente evite subidas, passa numa boa. Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tadeu,
      Graças a Deus consegui reverter o quadro a tempo de evitar danos maiores. Foram 2 meses no estaleiro e voltei com saúde e mais consciente.
      Desde então, nada de dores.
      Abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…