Pular para o conteúdo principal

Bursite trocanteriana

No meu caso, dói do lado esquerdo.
Depois de muito custo consegui agendar a ultrasonografia do quadril. O procedimento é realizado com mesmo equipamento do exame periódico das grávidas. É um exame rápido, onde o objetivo foi avaliar a articulação quadril/fêmur. Apesar da dor (em outubro) ser percebida na crista ilíaca, o dispositivo foi apontado para região pubiana. Segundos depois ela disse: "você tem uma bursite. É antiga."
Segundo o Wikipedia, bursite é um tipo de inflamação e pode ser provocado por movimentos repetirivos, ou sobrecarga na articulação. A carapuça servi certinha. Como se feita sob medida. O tratamento pode ser feito com anti-inflamatórios, analgésicos, repouso, fisioterapia e dependendo do caso, intervenção cirúrgica. 
Contei minha breve história das três meias maratonas, um bocado de treinos e noites mal dormidas, por causa do trabalho e os pormenores da vida. Sem chororo, pois viver é um desafio diário. A parte boa é que o diagnóstico confirmou minha percepção do problema e reforça a tese de que somos o melhor termômetro para as mazelas que nos assolam.
Graças a reportagem CONSERTO EM DÓI MAIOR publicada pela Revista Runners #36 tive acesso a informações sobre técnicas de corrida que fizeram a diferença. A forma como foi explicitado a relação causa/efeito da postura na corrida foi esclarecedora. Quase gritei EURECA! Rapidamente percebi que a má postura havia sido o motivo do problema. Quando ela disse que a contusão era antiga, ela estava certa. As dores começaram em setembro, a interrupção dos treinos se sucedeu nas semanas seguintes e já informado (e aparentemente sem dores) voltei aos treinos sob este novo prisma: correr com o quadril encaixado e exercícios funcionais para reforçar o CORE.
A dor ainda está ali, porém bem mais leve e diminuindo gradativamente. Tenho 10 sessões de fisioterapia para fazer, mas estou tranquilo quanto a regressão completa da inflamação.
Reforço que não sou a favor da auto-medicação, pelo contrário, levarei o exame para o ortopedista avaliá-lo. De repente ele vai me sugerir (improvável) mais algumas semanas de repouso. Sei que localizar um ortopedista do esporte é difícil e muitos não trabalham com convênios, mas não vale o risco de ter que abandonar esse esporte magnífico pelo preço de uma consulta médica. 
Boas passadas em 2012 para todos.
Veja também: A importância da técnica

Comentários

  1. Tive também um segundo semestre complicado. Mas agora tudo já está resolvido e estou voltando a correr. Talvez um bom fisioterapeuta esportivo vá ajudar mais do que o ortopedista. No meu caso foi importantíssimo para eu voltar a correr. Abcs e boa sorte! Feliz 2012!

    ResponderExcluir
  2. O ortopedista irá apenas ratificar o prognóstico, Léo. Ele já me encaminhou para 10 sessões de fisioterapia, com chance de outras 10 ou 20. Vai depender da reação do meu corpo.
    A parte boa é que estou melhorando antes mesmo das sessões. O resultado da ultrasonografia mostrou que não houve comprometimento da articulação, da cartilagem e sei lá mais o que.
    Espero um 2012 tão proveitoso quanto 2011, mas com alguns cuidados a mais para não passar por sustos como este.
    Quem sabe 2013 é meu ano da maratona?
    Feliz Ano Novo para você também!

    ResponderExcluir
  3. Também tive essa, no meu caso nem bursa tem mais, calcificou, quando e se doer novamente evite subidas, passa numa boa. Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tadeu,
      Graças a Deus consegui reverter o quadro a tempo de evitar danos maiores. Foram 2 meses no estaleiro e voltei com saúde e mais consciente.
      Desde então, nada de dores.
      Abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…