Pular para o conteúdo principal

Que venha 2012!

As revistas e sites neste final de ano falam sobre férias, controle de peso, cross trainning, supondo que você terá uma folga do trabalho e consequentemente sugerem um plano para você não meter o pé na jaca. Alertas com a manutenção do peso e do condicionalmente físico ocupam mais espaço que o normal. Para mim janeiro será um mês como outro qualquer, pois meu pit stop foram nos meses de setembro e outubro. Minha meta é chegar no inverno a 100%, pois não existe cenário melhor do que os meses de inverno para se fazer tempo. Ao chegarmos em setembro, apenas com sorte teremos temperaturas amenas o suficiente para sonhar com recordes pessoais. Assim, vejo o terceiro trimestre como um bom período para baixar o ritmo e reiniciar a preparação física. Até pelo ritmo que a vida profissional nos impõe. São meses realmente duros pela necessidade de cumprimento de metas. Não sei se estou certo e agradecerei a sua manifestação.Falando em metas pessoais, 2011 foi um ano de conquistas, recordes pessoais nos 5K, 10K e Meia Maratona. Dou ênfase aos 21K por ter conseguido fazê-los abaixo de 2 horas. A estratégia foi chegar no inverno carioca voando, para tirar proveito do clima para alcançar bons resultados. Coincidência, ou fatalidade, o corpo clamou por uma parada entre setembro e outubro. Apesar do susto, pois eu achava estar com uma lesão grave, a parada foi providencial. Haviam sinais claros de over trainning no meu comportamento.
Senti falta da rotina matutina. Assim, depois de quase 8 semanas parado, iniciei um novo ciclo de treinos com baixa intensidade. Apenas para ganhar ritmo e fôlego para uma prova de 10K. Foram praticamente 2 meses, ou melhor, 24 treinos, distribuídos em 3 dias da semana. Hora de manhã, hora de noite. Tanto faz. O importante era correr. Foi gratificante fechar este ciclo de treinos com um resultado excepcional no Teste de Cooper. Vitórias como esta só trazem mais disposição para continuar a treinando e correndo.
A coluna SENTA A BOTA! do Iberê tem uma ilustração muito engraçada, mas trata de um assunto muito importante: as ladeiras. Saber enfrentar as ladeiras é fundamental. As decidas trazem força e condicionamento, mas as decidas carregam as lesões. Nas provas o perigo aumenta sensivelmente. Aquele trecho de decida que muita gente utiliza para tirar o tempo perdido da subida, pode ser o vilão da corrida. Sem a técnica adequada e com uma velocidade não condizente com a correta, pode-se acabar contundido. É uma matéria que vale a pena ser lida com cuidado.
A coluna ENERGIA trouxe a tona um assunto interessante. Nem sempre se emagrece ao treinar pesado. Se não fizermos um acompanhamento adequado da alimentação, podemos sim ganhar peso. No meu caso foi proposital. Eu estava muito magro e já sentia os efeitos do baixo percentual de gordura no corpo. Como sou alérgico, parece que um percentual muito baixo fomentava minhas alergias. Nada que alguns quilos a mais não resolvessem.
A coluno NO PIQUE fala sobre a maratona. Marcos Paulo Reis dá destaque àqueles que participam da prova de forma despreparada e se diz contra provas tão longas. Mas eu estava lembrando de uma reportagem sobre um velhinho com algo em torno de 80 anos que já havia participado de sei lá quantas maratonas e a esposa dele sempre esteve na chegada para recebê-lo e aos demais participantes. O tempo dele era por volta de 6 horas (salvo engano). Entendo a preocupação do Marcos, mas podemos estar cerceando a participação de algumas pessoas de inúmeros eventos. Mesmo sendo uma exceção, eles existem e merecem a chance do desafio.
O GUIA DO TÊNIS está recheado de novidades e marcas. É uma verdadeira quebra de paradigma. O Adidas Cushion é que ganhou as manchetes de vez. Se não me engano, é o terceiro trimestre seguido que ele faz presença.
Fazendo menção a outro tema muito presente nesta época, também resolvi fazer uma reflexão sobre as provas que desejo participar em 2012. Seguindo a sugestão da Runners, acrescentei algumas como plano B, para mitigar riscos de ter frustrada as metas pessoais. Novamente pretendo correr 3 meias maratonas e ao menos 4 provas de 10K vou Tempo Run, algumas semanas antes. Não tenho certeza do calendário, mas as provas abaixo são tradicionais e provavelmente acontecerão. Quanto a musculação...

  • Meia Maratona
    • Floripa
    • Ponte
    • Golden Four Asics
    • Maratona do Rio
    • Internacional do Rio
    • Buenos Aires
    • Athenas
  • 10K
    • Circuito Adidas
    • Eco Run
    • Track and Field
Deixei para o final os comentários sobre a experiência do Bruno em sua Maratona de Nova Iorque. Comentei com a blogueira Myla (conheça o blog dela) sobre a capacidade de transformação que a corrida possuía. O quanto de valor que uma atividade relativamente simples é capaz de agregar a vida de um indivíduo. É algo que transcende o físico, supera os limites de nossa racionalidade e toca nossas almas.
O que as pessoas que nunca participaram de uma provas não conhecem é este efeito mágico que ela nos proporciona. É o algo a mais renovado por causa da música, do locutor, das pessoas gritando, dos cartazes, do DJ em alguns po tos do per urso, da bandinha e principalmente do barulho daqueles milhares de tênis tocando o chão. Quem já experimentou tal energia, sabe o quão poderosa esta é.
Para encerrar desejo que Papai Noel lhe presenteie com um 2012 repleto de corridas, conquistas e sem contusões.

Comentários

  1. Desejo um FELIZ NATAL e um 2012 com muito SUCESSO e SAÚDE!!

    Boas Corridas!!

    Alessandro S Silva
    http://blog42195.blogspot.com/
    Follow @alesilvabr

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Alessandro.

    Este é o meu desejo para todos nós.

    Boas passadas!

    André

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…