Pular para o conteúdo principal

No pain... no PAIN!!!

Não haveria forma melhor de comemorar a conquista dos 1900 Km de corrida. Final de semana é sinônimo de longão e este havia um gosto especial, pois seria meu primeiro treino com 60 minutos desde que começei este novo ciclo de treinos e colocaria a prova minha recuperação.
Sony com resistência a água
Tinha tudo para dar errado. Terminei a semana exausto, tanto que às dez da noite da sexta-feira eu colocava o rebento para dormir e fui junto. A esperança era ter uma noite de sono com oito a nove horas para acordar bem disposto, mas por volta das três da madrugada acordo com o choro do pequeno. Algo que ele comeu provocou uma baita de uma diarréia. Até a situação se acertar levou tempo. Eram quase cinco e eu ainda em ação. Acho que peguei no sono perto das sete, mas às oito e meia o patrãozinho me expulsava da cama.
Daquele momento até as quatro da tarde, o tempo passara rápido. Não tive tempo para piscar. Aproveitei o tradicional sono da tarde dele para descansar a cabeça, mas acabei achando uma soneca tentando assistir um programa na televisão. Acordei olhando para um céu cinza e sentia que a temperatura não estava alta. Tomei coragem, coloquei o tênis e fui salvar o treino perdido da manhã.
Não estava muito confiante, pois o dia havia sido agitado. Levei o MP3 (fato raro) para a corrida, para ter certeza de que ânimo não me faltaria. Dali em diante a preocupação era com manter a passada, pois seria 1 hora sem parar. A música ajudava, mas eu me sentia bem. A passada fluia sem dificuldades. Nem parecia que o dia tinha sido conturbado. Cheguei a praia tranquilo e quando percebi já estava no Ingá aos pés do MAC. Cheguei com uma margem tão boa que fui até Boa Viagem, contornei a pequena praçinha de frente para a ponte que leva para o convento e retomei a subida em direção ao MAC e consequentemente de volta para Icaraí.
Eu corri até onde está o carro preto e retornei
Eu deveria estar quebrado depois de subir e descer a pirambeira do MAC duas vezes, mas não, estava me sentindo bem e continuei a corrida. Cheguei ao final da Praia de Icaraí na boa, agradeci a São Judas Tadeu pelo que parecia ser impossível acontecer e segui para casa. Foram 60 minutos tranquilos a um pace de 6’30”.
Foi ótimo rever Boa Viagem. Foi ótimo transpassar para Boa Viagem, sem dores, sem sustos.

Se você ainda me lê, preste atenção:
  • Core forte é essencial. Faça abdominais;
  • Técnica é algo fundamental para não “inventarmos” lesões em nosso corpo;
  • Musculação é importante, mas se você tiver disciplina para fazer exercícios funcionais não se martirize por não estar em uma academia três vezes por semana.
Se depois disso tudo você ainda achar divertido correr, bem vindo a este mundo doido onde corremos, mas não atrás de algo. Na frente, em busca de qualidade de vida.

1900 Km depois. Não poderia deixar de atualizar meu mapa. Aracajú ficara para trás e em breve atravessarei a fronteira para o estado de Alagoas. 

Como um bom apreciador de fotos, coloquei o bonequinho do Google Maps para trabalhar para saber o que estaria vendo se estivesse lá por aquelas bandas. Para minha satisfação o Elio Rocha foi muito feliz na apertar o botão da sua máquina.
Em algum lugar em Sergipe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…