Pular para o conteúdo principal

O peso de uma mudança


Nas últimas semanas eu tenho acompanhado os protestos em torno da mudança de percurso da São Silvestre. Li reclamações que falavam sobre a qualidade do novo percurso, do poder de algumas empresas, a quebra de tradições... sinceramente, analisando friamente digo que mudar faz parte da ordem natural da vida. Segundo alguns estudos de comportamento (procure o Google) o ser humano é 10% aptidão e 90% adaptação. Somos mutantes, plurifacetados, multitarefas e INCONSTANTES. 
Obviamente que alguns hábitos estão mais enraizados do que outros em nosso jeito de ser ou de viver. Que em alguns lugares ou culturas a tradição garante um modus operando para um grupo de pessoas, mas a verdade é que mais cedo ou mais tarde as coisas (e pessoas) mudam. Eu tive que mudar (para melhor diga-se de passagem) para me tornar um corredor.
Velhos hábitos foram deixados para trás e outros novos foram incorporados em busca de uma vida mais saudável e sem vícios, digo vícios ruins. Se você é novo no mundo da corrida saiba que correr vicia. É claro que a previsível nos trás segurança, afinal muitos de nós treinamos baseados em premissas. O percurso antigo era uma premissa, que nos proporcionaria elaborar uma estratégia. Uma fatalidade não ter mais esta base de informação. Mas pergunto à você, atleta amador, que trabalha em alguma empresa, quantas vezes você acabou se submetendo a mudanças de estratégia de sua chefia direta ou da direção e teve que ajustar suas ações para entregar o solicitado? Coisas da vida profissional.
A Runner's na edição de novembro, em um texto muito interessantíssimo e imparcial citou os prós e contras do novo percurso e lembrou que esta é apenas mais uma mudança em um percurso que sofrera outras 10 alterações em seu passado. Outro exemplo de mudança foi a Nike 600, realizada no último mês. Em pró da segurança "apenas" 447 Km foram corridos pelos participantes. 
Opa! Eu não disse que sou a favor da mudança (nem contra), mas que mudar faz parte da minha vida. Faz da sua?
Boas passadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…