Pular para o conteúdo principal

Diário de uma meia-maratona, capítulo 1

Vencido o ciclo de condicionamento para os 10 quilômetros da Athenas, comecei o período de treinos para a Golden Four Asics. Nos próximos 82 dias verei o volume de treinos aumentar para suportar os 21.097 metros do Recreio até São Conrado. Devo fazer pelo menos mais uma prova de 10K e a Corrida da Ponte, para manter o ânimo em alta, mas com o objetivo de encontrar um bom ritmo para a prova e não recordes pessoais.
Não sei o quanto crescerei até lá a Corrida da Ponte, mas o longão do último sábado teve um resultado bastante interessante. Em 1 hora e 20 minutos consegui percorrer quase 13 quilômetros com um pace de 6'15". Porém o mais importante foi a freqüência cardíaca média ter ficado no nível moderado de esforço (81% da FCM). Projetando a Corrida da Ponte em cima deste pace, eu concluiria a prova em 2 horas e 15 minutos. Seria um belo longão com um visual invejável. 
O calor ainda é uma preocupação, principalmente por conta da péssima estratégia de hidratação fornecida pela organização da prova no ano passado. Pensaram no pelotão de elite (eu acho) e a maioria dos amadores sofrera com a ausência de água entre o km 9 e o km 18. Os postos do km 12 e 15 distribuíram isotônico e géis respectivamente. Nenhuma gota d’água! Os 34 graus ficaram ainda mais neste percurso suspenso sem sombras. Transferir a corrida de meados de abril para o final de maio é sinal de que a lição foi aprendida. Estaremos mais próximos do inverno e com chances de correr sob temperatura mais amena que o maçarico do ano passado.
Voltando a falar do longão, algumas análises importantes puderam ser feitas. Perto do Km 9 senti um leve desconforto no quadril. Era de se esperar, pois acho que nunca mais a região ficará incólume a um esforço excessivo. Preocupado, passei o resto do percurso tentando entender o que estava fazendo de errado e percebi que eu estava aterrisando incorretamente. Estava compensando de novo no quadril a falta de força da panturrilha. Procurei me esforçar no que restava do percurso para ratificar minha impressão. É certo que se eu não me dedicar a musculação, chegarei em outubro quebrado novamente.
Solução. Mesmo com a musculação tentarei encaixar subidas de escada na agenda semanal, justamente nos dias em que não for correr. O ensaio realizado no domingo de Páscoa impressionou. Os treinos de escada praticados ano passado não deixaram a mesma sensação de eficácia. Talvez pelo estágio em que eu me encontrava na época, ou simplesmente por não ter tanto conhecimento mecânico do corpo. Além disso, incluí cinco minutos de trote antes das séries de escada e outros cinco minutos ao findá-las. Ficou evidente que o exercício estimula a uma pisada baseada na parte plantar. A mudança na forma de pisar diminuiu o esforço na região do quadril, mas parece que meu coração se mudou para a panturrilha.
O regenerativo desta segunda foi ainda sob o espírito da Páscoa. Eu estava renascendo como corredor, pois acordei disposto a alterar minha passada. Mantendo o esforço a 80% da FCM, a concentração foi toda para os pés, para que a passada fosse feita com mais técnica e preservar a articulação do quadril. Não foi tão difícil quanto pensei e avaliando o resultado descobri que corri com um pace médio de 6'10". Nada mal para o primeiro dia. Foi legal alcançar a Boa Viagem logo de cara, além da oportunidade em fazer subida do MAC. Conto com ela para ganhar força.
Agradecimentos a RW pela fantástica entrevista EU CORRO com o Dr. Drauzio Varella, praticante regular dos treinos em escada para fugir das academias. À reportagem recém saída do forno no site da O2 entitulada ESCADA A CIMA e da DESAFIE-SE NA MEIA MARATONA no site da The Finisher, - uma grata surpresa por sinal - site que pouco havia frequentado até então.
IMC. Graças a uma alimentação mais balanceada - diz-se muitos legumes e menos frituras - e aos treinos, o IMC caiu de 26 para 24.7 nos últimos dois meses. Não tem segredo. É ralação mesmo.
Volume treino. Fevereiro e março fecharam próximos, com 113 e 110 quilômetros respectivamente. Acredito que abril apresente números maiores em virtude da nova planilha de treinos específica para meia-maratona.
Nostalgia. No longão do último sábado, quando o Runkeeper informou que eu havia alcançado os primeiros 40 minutos de treino, eu estava a menos de 500 metros do Clube Naval. Fazia tempo que o longão não era tão longão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…