Pular para o conteúdo principal

A vida de coelho

Ao final da RW #42 eu me perguntava sobre o que mais havia me chamado a atenção nesta edição. A reportagem com o Drauzoi Varella é épica, tanto que foi para o site da revista. Inusitado foi saber que o Marcos Paulo Reis, da coluna NO PIQUE, tem raízes em Niterói. As ilustrações do Roberto Negreiros são de babar e justamente o "coelho" que ele desenhou como capa para a fantástica matéria PROFISSÃO: PERNA LONGA, despertou o interesse pelo conteúdo deste post. Apenas para ilustrar, coelho no mundo da corrida é o atleta que puxa o ritmo de uma prova por uma distância específica, pois normalmente ele não tem condições de manter aquele ritmo por uma prova inteira. Ele realmente auxilia os corredores de elite a conquistarem tempos melhores. Tem gente que aprova a estratégia e outros não. Mas a verdade é que correr em "bando" propicia melhor rendimento do corredor seja em treino, ou nas provas. Eu mesmo já me beneficiei desta tática, ao escolher alguém para "perseguir" durante uma prova, ou mesmo quando o Sérgio fez de tudo para eu não desistir na subida do elevado do Joá (Golden Four Asics 2011), fato que depois se materializou em minha primeira meia maratona sub-2h. Também quando o Lindemberg me ajudou a fazer 50'18" na Adidas Inverno 2011
Eu também já estive do outro lado, quando puxei meu compadre para a primeira meia maratona sub-2h dele (até hoje choro por não ter aquela linda camiseta) e veja onde ele está agora. Pré-maratonista. Muita sorte nesta sua empreitada, meu amigo. Outro exemplo foi a fantástica experiência com meu parceiraço de longa data Diego. Ser o coelho para sua primeira prova de 5K não teve preço, principalmente pelo marco que se instituiu naquele dia após aqueles 30 minutos e 18 segundos. Eu estava ao lado de um debutante e ex-fumante inveterado.
Ser coelho pode ser uma forma também de se manter motivado e dentro das provas. Pensei agora em uma situação interessante. Durante a preparação para uma prova alvo, participar de eventos é um tanto complicado, pois somos tentados a sentar a bota. Fazendo isso, acabamos comprometendo a agenda de treinos e o desempenho no dia D. Assim, ser o pacer de alguém que esteja ainda num ritmo menor que o seu pode ser uma alternativa. Além de ajudar alguém é uma baita desculpa para justificar a presença em provas menores, ou que podem servir de preparatórias para a prova alvo.
As 10 Milhas no início de maio será uma boa alternativa para pegar ritmo. Correr com a infra de uma corrida organizada pela O2 é uma boa e como a prova não tem o apelo do Circuito Adidas e a distância não é para iniciantes, coloca a prova como uma boa alternativa para definir uma estratégia para a Corrida da Ponte, que também será um ensaio para a Golden four Asics 2012, minha prova alvo. Alguém considerou participar da prova 10 Milhas? Espero o retorno.
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…