Pular para o conteúdo principal

Diário de uma meia-maratona, capítulo 2


100 MINUTOS

Usando a média de tempo da semana calculei que os 100 minutos de treino propiciariam uma corrida de uns 16 quilômetros, minhas primeiras 10 milhas do ano. O smartphone informava que passávamos das sete da manhã e a temperatura já estava em 25 graus. Antes mesmo da primeira passada o longão deste sábado já prometia ser adverso. Com a garrafa d'agua na cintura e o gel na pochete, pedi a bênção divina e segui em frente. 
De baixo para cima: CA/TR, CL, CM, CF e TM (tá maluco?!?)
Ao contrário das últimas semanas, não fui direto para a Estrada Fróes. Fiz uma perna até o meio da Praia de Icaraí, antes de retornar e seguir em direção à São Francisco, para não precisar subir até Jurujuba. Outro detalhe importante nesta fase é que abandonei o controle baseado no pace. Confesso que em alguns momentos deixei de lado a nível de esforço para alcançar um pace que julgava ser o adequado para aquele treino. Durante muito tempo fiz do longão quase um tempo run. Hoje julgo a eficiência daquela estratégia (vide bursite), mas agora é fácil julgar. Hoje faço um trabalho mais consistente baseado na freqüência cardíaca e respeitando as zonas de intensidade. Desta forma tenho dado mais ênfase ao desenvolvimento técnico.

Durante todo o trecho de ida me concentrei na forma como executava a pisada, sem me descuidar do movimento dos braços e da respiração. O calor estava atrapalhando bastante e comecei a ficar preocupado com o único meio litro na minha garrafinha. Quando o runkeeper disparou o aviso de que a primeira metade havia sido concluída, eu estava passando das estação das barcas em Charitas. Tomei o gel, um gole d'agua, molhei rosto, nuca e as panturrilhas. A água diminuiu a sensação de fadiga e minutos depois o gel começava a surtir efeito.
Quando eu chegava em São Francisco a vontade de retomar a velha pisada era forte. Era mais confortável, mas eu sabia que se o fizesse, teria que aturar a dor no quadril novamente. Tentei me concentrar e percebi que estava usando mais os músculos laterais da perna (segundo o atlas, vasto externo) para manter a técnica. Incrível como reagimos rapidamente a novos estímulos. Venci a Estrada Fróes, mas saber que teria ir até o final da Praia e voltar foi duro. Bebi o último gole d'agua e enfrentei os últimos 15 minutos na raça.
O termômetro marcava 29 graus quando o Runkeeper informou o final dos 100 minutos. Foi difícil, mas não impossível. O pace médio ficou em 6'45" para os 16,35K percorridos. 
Duvido que amanhã eu consiga fazer o treino de escada. Vamos ver.

IMC
A segunda semana de treino fechou com o IMC em torno de 24.5 e eu com mais ou menos 94 Kg. Bom por que é menos peso para carregar pelos quilômetros a fora. Mas com a intensidade dos treinos aumentando, muito em breve estarei procurando por complementação alimentar, pois não tenho a disciplina necessária para comer várias vezes durante o dia. Assim, tenho uma "facilidade" muito grande para perder peso.
Existe um mito em torno das dietas. Dietas, em minha humilde opinião, servem para ensinar as pessoas a comerem melhor. Não é um artifício temporário para perder peso quando lhe for pertinente, mas um mecanismo para se ter uma vida mais saudável.
Seguindo esta linha de pensamento, muitos devem achar que estou de dieta. Como legumes aos montes, folhas, dou preferência ao peixe e frango (tento comer carne vermelha no máximo duas vezes por semana), massas apenas da quarta-feira em diante. Por fim, sucos. Muito sucos. Refrigerantes não me trazem vitaminas, sais e todo o resto que compõem as frutas. Por que desse cuidado todo? Simples, adoro praticar esportes. Hoje, a corrida principalmente.
Por falar nisso, outra parte boa da corrida é a elevada queima calórica. Logo, comer é uma necessidade. Digo, comer com qualidade e se permitir eventualmente a um exagero é possível. Gostaria de dizer que ter o peso adequado lhe permitirá fazer mais coisas na vida. Inclusive comer. A proposta que abracei não tem nada a ver com restrição, mas sim consumo moderado. Não deixarei a eventual cerveja de lado, ou os rodízios e doces. O que não tenho mais disposição a fazer é consumí-los de forma desmedida.

TREINOS E ESCADAS
Foi uma semana de novidades. Incluídos os treinos em escada, agora posso dizer que cumpro com a agenda mínima de preparação física. Três dias de corrida e outros dois dias com "musculação" ou escadas. Preciso confessar que odeio academia. Acho que a corrida de rua acabou com a pouca disposição para ficar enclausurado puxando ferros. Elaborei uma série para enfrentar as escadarias, obedecendo a mesma crescente dos treinos na rua. Os primeiros dias trouxeram resultados bastante expressivos para eu ignorar a experiência. Apesar de ter pesquisado um bocado, estou fazendo todo o treino por conta e risco. Ainda não encontrei uma planilha sugerindo condicionamento em escadas, mas verdade seja dita, ganha-se muita força e consome-se muitas calorias. Minha fome parece que foi multiplicada por mil. Reforço que não algo simples de ser feito, nem recomendo para iniciantes ou indivíduos com sobrepeso. As articulações agradecerão pela prudência.
Boas passadas!

Comentários

  1. Andei lendo seus posts sobre fortalecimento e há algum tempo tenho reparado que preciso melhorar meu preparo, mas realmente é difícil encaixar algo na semana corrida. O seus treino de escada é uma boa opção, vou experimentar para ver como me saio. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruno,
      Estou realizando 6 séries de 5 andares. Desço de elevador conforme recomendação.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. De tudo que já li sobre corrida em geral, no Brasil e aqui nos EUA, que estou residindo há uns 6 anos, posso afirmar que este blog é uma das maiores novidades que encontrei, tem um texto suave e as informações são de alto nível para mim, as narrativas são bem humoradas e sem aquela arrogância dos "experts",meus parabéns , você acaba de ganhar mais um fã.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo eligio e espero vê-lo novamente comentando outros posts!
      A idéia era realmente oferecer temas importantes, mesclado a minha experiência como corredor. Afinal, não vivo da corrida, mas achei que compartilhando informações eu conseguiria aprender através das outras pessoas.
      Fiquei surpreso por um registro tão antigo ainda ter serventia.
      Até breve.
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…