Pular para o conteúdo principal

10 Milhas Cross Country em Niterói

A largada foi no início da Almirante Ari (o correto é com i) Parreiras, para que fosse possível esquentar os músculos nos dois quilômetros até a praia. Ali foi pular da calçada para a areia, fofa, e enfrentar 1.200 metros até o acesso a calçada um pouco depois da cabine da polícia militar. É impossível para mim percorrer estes trechos de areia e não lembrar dos Fremens, mitológicos guerreiros da Saga Duna. Eu só pensava no jeito perfeito que eles venciam as areias de Arrakis.
A parte boa de enfrentar o trecho de areia fofa é que me senti umas duas toneladas mais leve quando comecei a correr no calçadão em direção ao Museu de Arte Conteporânea (MAC). A subida é de impor respeito, mas antes que eu pudesse pensar em comemorar o desafio vencido, a rua tal também possuía uma inclinação de roubar o fôlego. Fiz o retorno pela rua blau e me vi de frente para o MAC novamente. Agora em direção para Icaraí. Quando cheguei a Praia da Flechas, o Runkeeper me lembrou que um terço do desafio havia sido superado com mais ou menos 40 minutos. Depois de um Carb Up e um gole d'agua foi seguir para o segundo trecho de areia na Praia de Icaraí, mas desta vez beirando o mar. Bom que deu para buscar uma trilha de areia firme e desenvolver bem a corrida. Alguns pensamentos fremen depois, me vi subindo a Estrada Fróes em direção a São Francisco. Esbarrei em alguns corredores e depois de uns "bom dia!" de ambas as partes foi enfrentar mais esta ladeira. O bom é que tudo que sobe, tende a descer, o que me ajudou a recuperar o fôlego.  Cheguei ao final do sinuoso percurso com gás para uma esticada até as areias da Praia de São Francisco. O trecho de areia batida foi vencido sem problemas e os 500 metros de calçada apenas um providenvial intervalo para outro Carb Up, após novos 40 minutos de corrida. Assim fui para o trecho de volta pela areia, agora pela parte fofa. E lá se passavam 13 quilômetros.
Depois de vencer este novo trecho de areia, não posso dizer que enfrentei a Estrada Fróes no retorno para Icaraí. Depois da areia, qualquer outro tipo de terreno fica fácil de ser superado. Quando avistei o MAC, uma dose extra de ânimo encheu as veias e apertei o passo até o final da Ari Parreiras. Foram necessárias 1h59 para cumprir esta simulação, ou melhor, este Tempo Run. Tempo Run é a melhor forma de nos testarmos antes da prova, pois a intenção é tentar simular o esforço e dificuldade que poderemos enfrentar.
O que podia ser feito, foi feito. Agora é "polir" a musculatura nestes dois últimos treinos e ver o que acontece no próximo sábado. A previsão de uma corrida para 2h30 é totalmente factível. Se fizer melhor, ótimo!

Comentários

  1. Muito bom este post André! Foi quase um Thriller de corrida! Consegui até imaginar o treino, que até o final do post eu estava na verdade pensando que era uma corrida! Parabés e boa sorte na prova!

    Até a próxima volta!
    Bruno
    improvavelcorredor.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto muito de escrever estes textos que provocam uma imersão. Acho um barato as reações que acabam provocando na mente.
      Obrigado pela visita.
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…