Pular para o conteúdo principal

10 Milhas Cross Country em Niterói

A largada foi no início da Almirante Ari (o correto é com i) Parreiras, para que fosse possível esquentar os músculos nos dois quilômetros até a praia. Ali foi pular da calçada para a areia, fofa, e enfrentar 1.200 metros até o acesso a calçada um pouco depois da cabine da polícia militar. É impossível para mim percorrer estes trechos de areia e não lembrar dos Fremens, mitológicos guerreiros da Saga Duna. Eu só pensava no jeito perfeito que eles venciam as areias de Arrakis.
A parte boa de enfrentar o trecho de areia fofa é que me senti umas duas toneladas mais leve quando comecei a correr no calçadão em direção ao Museu de Arte Conteporânea (MAC). A subida é de impor respeito, mas antes que eu pudesse pensar em comemorar o desafio vencido, a rua tal também possuía uma inclinação de roubar o fôlego. Fiz o retorno pela rua blau e me vi de frente para o MAC novamente. Agora em direção para Icaraí. Quando cheguei a Praia da Flechas, o Runkeeper me lembrou que um terço do desafio havia sido superado com mais ou menos 40 minutos. Depois de um Carb Up e um gole d'agua foi seguir para o segundo trecho de areia na Praia de Icaraí, mas desta vez beirando o mar. Bom que deu para buscar uma trilha de areia firme e desenvolver bem a corrida. Alguns pensamentos fremen depois, me vi subindo a Estrada Fróes em direção a São Francisco. Esbarrei em alguns corredores e depois de uns "bom dia!" de ambas as partes foi enfrentar mais esta ladeira. O bom é que tudo que sobe, tende a descer, o que me ajudou a recuperar o fôlego.  Cheguei ao final do sinuoso percurso com gás para uma esticada até as areias da Praia de São Francisco. O trecho de areia batida foi vencido sem problemas e os 500 metros de calçada apenas um providenvial intervalo para outro Carb Up, após novos 40 minutos de corrida. Assim fui para o trecho de volta pela areia, agora pela parte fofa. E lá se passavam 13 quilômetros.
Depois de vencer este novo trecho de areia, não posso dizer que enfrentei a Estrada Fróes no retorno para Icaraí. Depois da areia, qualquer outro tipo de terreno fica fácil de ser superado. Quando avistei o MAC, uma dose extra de ânimo encheu as veias e apertei o passo até o final da Ari Parreiras. Foram necessárias 1h59 para cumprir esta simulação, ou melhor, este Tempo Run. Tempo Run é a melhor forma de nos testarmos antes da prova, pois a intenção é tentar simular o esforço e dificuldade que poderemos enfrentar.
O que podia ser feito, foi feito. Agora é "polir" a musculatura nestes dois últimos treinos e ver o que acontece no próximo sábado. A previsão de uma corrida para 2h30 é totalmente factível. Se fizer melhor, ótimo!

Comentários

  1. Muito bom este post André! Foi quase um Thriller de corrida! Consegui até imaginar o treino, que até o final do post eu estava na verdade pensando que era uma corrida! Parabés e boa sorte na prova!

    Até a próxima volta!
    Bruno
    improvavelcorredor.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto muito de escrever estes textos que provocam uma imersão. Acho um barato as reações que acabam provocando na mente.
      Obrigado pela visita.
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…