Pular para o conteúdo principal

CANCELADA a Maratona de Nova Iorque

 Na última quinta-feira eu corria para terminar uma série de leituras sobre o Marilson, para avaliar as reais chances do brasileiro ganhar a prova pela terceira vez. E questionava se aos trinta e cinco anos ele teria condições de superar seu melhor tempo de 2h08 na prova. A vitória seria consequência de uma estratégia bem executada, pois descobri que ele levava desvantagem, pois pelo menos uns vinte corredores possuem tempos iguais ou melhores que o dele.  Participar das provas de Nova Iorque e Boston é uma questão estratégica, pois em provas com percursos complicados aumentam sensivelmente suas chances de vitória.
O difícil percurso da prova era uma vantagem para o Marilson, pois ele tem uma força diferenciada para superar trechos com grande variação de altimetria. Os menos preparados sentiriam o esforço destes trechos, abrindo uma oportunidade para uma fuga do brasileiro, ou ao menos temperaria a disputa jogando para o alto a obviedade do resultado (do Marilson ter poucas chances de vitória) nos percursos planos.
Eu também mencionaria a oportunidade de assistir a prova ao vivo pela Internet, nos tirando da condição de refém das emissoras de TV. Um trabalho diferenciado da organização, seguindo o esforço da Maratona de Frankfurt. Pena que quando me lembrei a prova já estava com 2h41. Sim! Continuaram transmitindo, mesmo após a chegada dos corredores de elite. Acompanhei por uma meia hora para tentar compreender a ótica alemã de um evento.
Inúmeras entrevistas foram realizadas nestes 30 minutos, inclusive com um corredor de 76 anos. O repórter teve que trotar ao lado dele para conseguir a entrevista. Outro ponto que me impressionou foi o pórtico de chegada. Que coisa impressionante! Fizeram uma pequena boate para comemorar a chegada dos atletas... TODOS eles, sejam de elite ou do pelotão geral. Fechei o navegador com a impressão de que a transmissão seguiria até a chegada do último corredor.
Mas a Sandy, que de cantora ou harmoniosa nada tem, provocou mais de 100 mortes e deixou milhões de pessoas sem luz, água ou mesmo as suas casas. Apesar da devastação, os novaiorquinos tentaram evitar o cancelamento da prova. Era possível acompanhar os desdobramentos do incidente pelo próprio site da corrida, até a notícias foi veiculada. Apesar do esforço não foi possível. As fotos impressionam. Ruas alagadas, túneis de metro submersos, barcos levados para dentro dos bairros em decorrência da enchente. Uma campanha para arrecadar fundos foi lançada, pois qualquer ajuda é bem vinda em um momento como este. A própria organização cedeu 1 milhão de dólares para auxiliar a comunidade e as famílias afetadas.
O texto original falava sobre o poder de reação dos novaiorquinos. Da capacidade para se levantarem e seguirem em frente. Esta perseverança me fascina, me impressiona, apesar do cancelamento da prova. Me faz pensar naquela energia que precisamos encontrar em nosso interior para fechar uma prova, um treino mais puxado, ou mesmo para manter a rotina de treinos nesta vida de muitas cobranças.
Este é apenas mais daqueles eventos que testam nossos limites. Minhas condolências a quem perdeu muito ou tudo nos últimos dias.

Fontes: http://runnersworld.abril.com.br/materias/marilson/ http://www.ingnycmarathon.org/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…