Pular para o conteúdo principal

Quer conhecer o verdadeiro caráter de uma pessoa, dê o poder a ela

Era uma terça-feira que amanhecia chuvosa. Perfeita para continuar debaixo da coberta, mas o bicho da corrida não me deixou ficar na cama. Levantei no primeiro toque do despertador e rapidamente já estava com tudo pronto para o último treino de tiros antes do Circuito das Estações Adidas, etapa verão.
Seria um treino como outro qualquer se não fosse por um infeliz incidente no trecho de volta para casa. Simplesmente um inconsequente motorista de ônibus, apesar da pista de três faixas completamente vazias no início da manhã, resolveu reivindicar o meio metro de asfalto que eu utilizava para realizar meus tiros. Não foi assustador, pois correndo na contramão eu consigo acompanhar o comportamento dos veículos. E ao perceber o movimento inconsequente do indivíduo que guiava o ônibus, pulei para a calçada. Afetou um pouco a corrida, mas afetou ainda mais minha tranquilidade e civilidade.
Depois de um sem número de palavrões passarem pela minha cabeça e eu deixar um dedo a mostra me peguntei o que leva uma pessoa a jogar um veículo que tem seu peso calculado na casa das toneladas em cima de alguém de carne e osso que não ultrapassa 100 Kg. Se Niterói, ou melhor, se São Francisco não fosse reconhecida por ser uma ótima área de treinos (afinal tem uma ciclovia de uns 2500 metros demarcada na pista da esquerda e um punhado de assessorias esportivas montam suas barracas na orla da praia), eu estaria correndo no calçadão de pedras portuguesas (a pior opção para os joelhos). Mas São Francisco é um local de treinos, então como entender o comportamento ignorante do condutor da grande e mortal arma que confiaram a ele? Perdi a última hora passando o olho no código de trânsito brasileiro e encontrei passagens interessantes que merecem ser compartilhadas.
Art. 29. XII § 2º Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres.
Art. 34. O condutor que queira executar uma manobra deverá certificar-se de que pode
executá-la sem perigo para os demais usuários da via que o seguem, precedem ou vão cruzar com ele, considerando sua posição, sua direção e sua velocidade.

Assim como o título deste post é um antigo ditado popular, vou terminar com um outro:

"Nada melhor pode dar um pai a seu filho do que uma boa educação"
E pensar que existem cidades neste país que quando um pedestre coloca um pé na rua, o motorista para o veículo para ele atravessar a rua.
Conheça o CBT visitando http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9503.htm

Comentários

  1. Realmente André, acho que principalmente aqui no Rio, as leis de trânsito ou mesmo a civilidade são completamente desrespeitadas. Somente com educação desde a escola que as pessoas começarão a ter consciência.

    Abraços,

    Victor Caetano

    corridaurbana.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Victor,
      Preciso complementar seu pensamento, pois a educação que eu vislumbrei é a que podemos adquirir em casa, em família. Respeito ao próximo é algo que se aprende em casa. Na escola alcançamos apenas formação profissional e cívica.
      Obrigado pela visita.
      André

      Excluir
    2. André esqueci de escrever, eu estava falando da educação de trânsito. A educação que vc falou está perfeita sua colocação.

      Abraços.

      Excluir
    3. Em minha época (papo de velho quarentão), tínhamos aulas de Estudos Sociais e Educação Moral e Cívica, para complementar as aulas de História do Brasil e Geral. Será que estes itens ainda existem?
      Afinal, informação é poder. A não ser que tenhamos "poderosos" muito mal intencionados, presumo que o "sistema" não esteja funcionando com a qualidade devida.
      Mas isso é outro papo e para outro blog. Aqui o foco é o bem que a corrida por fazer.
      Abraços
      André

      Excluir
  2. Atualmente se fala muito em "humanização" no atendimento das pessoas, mas acho que isto vem da educação em casa. Tem a ver com caráter. Foi uma covardia do motorista. Isto pode acontecer em todos os lugares do Brasil.
    Vejam só uma redação, de uma estudante carioca, premiada na Unesco sobre o Brasil.
    http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/3196059

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Japa,
      Impressionante que uma poesia apocaliptica de nossa realidade seja o melhor texto sobre um tema tão importante.
      As réplicas também são magníficas, onde concordei e discordei em vários pontos. Fico triste que alguns ainda querem contemporizar, enquanto vidas são perdidas.
      Uma parte do texto, que falava sobre a necessidade de transformação me chamou a atenção. Em números não tão precisos temos a seguinte proporção: a cada 100 brasileiros, 1 é rico, 7 compõem as classes B, C e D, enquanto 92 vivem em condições absurdamente precárias. Como a classe média conseguirá realmente intervir se ela é a mais preterida por quem está no alto e abaixo dela? Tá, estou sendo generalista sim, pois a exceção é tão insignificante que não gera uma força de apoio a quem poderia estimular a mudança.
      Algumas coisas mudaram, mas é frustrante saber que muito mais poderia estar sendo feito pelos 99 brasileiros deste conjunto.
      Obrigado pela visita.
      Boas passadas
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…