Pular para o conteúdo principal

A importância da prova alvo

Fim de ano chegando, muitos treinos, centenas de quilômetros corridos e um punhado de provas. Olhando o ano que passou eu acabei dividindo 2012 em duas partes: o processo de recuperação até a Golden Four Asics (G4) e a decisão de participar da XC 42K Búzios.
Após a lesão do ano passado, a estrada foi longa para recuperar a forma. Sinceramente não tenho certeza se ainda estou no mesmo nível de 2011, mas estou satisfeito com o quanto conquistei. Correr a G4 abaixo de duas horas foi gratificante, mesmo não tendo superado minha melhor marca. O motivo da comemoração foi de ordem técnica, pois eu mudei a forma de pisar. Durante o primeiro semestre a dedicação foi toda para a nova pisada, pois o fantasma da bursite no quadril me assombrava. A cada treino uma gota de esperança e outra de confiança. Era o perigo da lesão indo embora.
Corri algumas provas para avaliar minha evolução técnica e física, certo de que não estava no melhor de minha condição. A Corrida da Ponte foi um bom exemplo. As 2h15min foram importantes para aferir minha aderência a nova técnica de corrida e o que eu poderia almejar na G4.

Com a meta cumprida, veio um perigoso vazio na motivação, que se agravara em decorrência do excesso de trabalho e noites mal dormidas. Pelo segundo ano consecutivo, setembro se tornou negro. 2011 uma lesão. 2012 uma laringite, a cereja do bolo em um mês em que eu não cumpri 40% do volume mensal de treinos.
Procurei provas curtas para me motivar, mas estava difícil retomar o ritmo e o ânimo. Daí apareceu o Glaucio com uma corrida de revezamento. Na minha humilde opinião, não existe força maior do que o trabalho em equipe, ainda mais sendo voluntário! 

Reorganizei o plano de treinos para esta meia maratona fora de época e inclui duas provas testes para avaliar minha velocidade e debutar na areia. O quesito velocidade estava dentro do esperado, mas a experiência na areia foi desastrosa. Faltando três semanas inclui treinos na areia, pois eu descobrira que não sabia pisar naquele tipo de "pista". Deu tempo de aprender e de lambuja ainda ganhei força nos tornozelos e no músculo anterior das coxas. Na semana anterior a prova ainda me submeti a um tempo run (leia 10 Milhas Cross Country em Niterói). Inventei uma prova simulada para ver como a coisa iria ficar. Fatos que fizeram a diferença em Búzios.

Tudo isso para lhes dizer que ter uma meta é fundamental para os treinos. Talvez seja melhor dizer que ter uma meta é fundamental para nossa vida, seja ela esportiva, profissional ou familiar. Dificuldades teremos sempre, pois a vida é uma provação. O que fazemos diante da adversidade é que nos difere. O texto não faz parte de um discurso moralista, pois somos humanos e estamos sujeitos a falhas e fraquezas. Porém, existem algumas coisas que podem nos ajudar a manter o rumo. Esta é uma delas.
Boas passadas!

Comentários

  1. parabéns pela volta por cima e ter conseguido vencer sua lesão. Que 2013 seja um ano de mais conquistas para você cara. Sucesso!

    www.temposminimos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Rafael.
    Que 2013 nos ofereça muitos quilômetros!
    Boas passadas.
    André

    ResponderExcluir
  3. Boa André! Viver com o fantasta da lesão é muito ruim, mas quando se supera e alcança os objetivos é muito bom.

    Também sou de Niterói.

    Abraços,

    Victor Caetano

    corridaurbana.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Victor.
      Mas tenho tentado fazer a minha parte, com exercícios complementares a corrida. Ladeiras e areia fazem parte do cotidiano... os abdominais é que tenho negligenciado neste final de temporada.

      Visitei seu blog e já o incluí nos meus favoritos. Pensei em lhe chamar para uns treinos, mas saio antes das sete e percebi que sou mais lento que você.
      Quando tiver um lentão para fazer me avise.
      Abraços.
      André

      Excluir
    2. Fala André, to tentando melhorar a velocidade, só treino de manhã nos sábados, durante a semana só fim de tarde, porque chego no trabalho as 7 e saio as 16. As 17h no máximo já tento correr, mas com esse calorão é brabo. Moro no centro, sempre que dá treino na pista da Uff. Abraços.

      Excluir
    3. Ouvi falar que a pista fica aberta, só não o horário de funcionamento. Normalmente vou para São Francisco quando quero uma "pista" mais plana.
      Se ela abre mo sábado cedo, pode ser uma boa.
      Abraços
      André

      Excluir
  4. também acho que ter uma meta é muito legal!
    dá uma motivação bacana aos treinos... um sentido a mais...

    parabéns pelas metas conquistadas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Elis!
      Foco realmente é o que nos movimenta. Aquilo que consideramos importante nos dedicamos... inclusive na corrida.
      Meu novo desafio será ganhar velocidade. Treinar para distâncias curtas é totalmente diferente! Muita intensidade, mas os treinos não passam muito de 1 hora.
      Ao menos a planilha tem 4 treinos por semana.
      Mas vou sentir falta dos longões.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…