Pular para o conteúdo principal

A importância da prova alvo

Fim de ano chegando, muitos treinos, centenas de quilômetros corridos e um punhado de provas. Olhando o ano que passou eu acabei dividindo 2012 em duas partes: o processo de recuperação até a Golden Four Asics (G4) e a decisão de participar da XC 42K Búzios.
Após a lesão do ano passado, a estrada foi longa para recuperar a forma. Sinceramente não tenho certeza se ainda estou no mesmo nível de 2011, mas estou satisfeito com o quanto conquistei. Correr a G4 abaixo de duas horas foi gratificante, mesmo não tendo superado minha melhor marca. O motivo da comemoração foi de ordem técnica, pois eu mudei a forma de pisar. Durante o primeiro semestre a dedicação foi toda para a nova pisada, pois o fantasma da bursite no quadril me assombrava. A cada treino uma gota de esperança e outra de confiança. Era o perigo da lesão indo embora.
Corri algumas provas para avaliar minha evolução técnica e física, certo de que não estava no melhor de minha condição. A Corrida da Ponte foi um bom exemplo. As 2h15min foram importantes para aferir minha aderência a nova técnica de corrida e o que eu poderia almejar na G4.

Com a meta cumprida, veio um perigoso vazio na motivação, que se agravara em decorrência do excesso de trabalho e noites mal dormidas. Pelo segundo ano consecutivo, setembro se tornou negro. 2011 uma lesão. 2012 uma laringite, a cereja do bolo em um mês em que eu não cumpri 40% do volume mensal de treinos.
Procurei provas curtas para me motivar, mas estava difícil retomar o ritmo e o ânimo. Daí apareceu o Glaucio com uma corrida de revezamento. Na minha humilde opinião, não existe força maior do que o trabalho em equipe, ainda mais sendo voluntário! 

Reorganizei o plano de treinos para esta meia maratona fora de época e inclui duas provas testes para avaliar minha velocidade e debutar na areia. O quesito velocidade estava dentro do esperado, mas a experiência na areia foi desastrosa. Faltando três semanas inclui treinos na areia, pois eu descobrira que não sabia pisar naquele tipo de "pista". Deu tempo de aprender e de lambuja ainda ganhei força nos tornozelos e no músculo anterior das coxas. Na semana anterior a prova ainda me submeti a um tempo run (leia 10 Milhas Cross Country em Niterói). Inventei uma prova simulada para ver como a coisa iria ficar. Fatos que fizeram a diferença em Búzios.

Tudo isso para lhes dizer que ter uma meta é fundamental para os treinos. Talvez seja melhor dizer que ter uma meta é fundamental para nossa vida, seja ela esportiva, profissional ou familiar. Dificuldades teremos sempre, pois a vida é uma provação. O que fazemos diante da adversidade é que nos difere. O texto não faz parte de um discurso moralista, pois somos humanos e estamos sujeitos a falhas e fraquezas. Porém, existem algumas coisas que podem nos ajudar a manter o rumo. Esta é uma delas.
Boas passadas!

Comentários

  1. parabéns pela volta por cima e ter conseguido vencer sua lesão. Que 2013 seja um ano de mais conquistas para você cara. Sucesso!

    www.temposminimos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Rafael.
    Que 2013 nos ofereça muitos quilômetros!
    Boas passadas.
    André

    ResponderExcluir
  3. Boa André! Viver com o fantasta da lesão é muito ruim, mas quando se supera e alcança os objetivos é muito bom.

    Também sou de Niterói.

    Abraços,

    Victor Caetano

    corridaurbana.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Victor.
      Mas tenho tentado fazer a minha parte, com exercícios complementares a corrida. Ladeiras e areia fazem parte do cotidiano... os abdominais é que tenho negligenciado neste final de temporada.

      Visitei seu blog e já o incluí nos meus favoritos. Pensei em lhe chamar para uns treinos, mas saio antes das sete e percebi que sou mais lento que você.
      Quando tiver um lentão para fazer me avise.
      Abraços.
      André

      Excluir
    2. Fala André, to tentando melhorar a velocidade, só treino de manhã nos sábados, durante a semana só fim de tarde, porque chego no trabalho as 7 e saio as 16. As 17h no máximo já tento correr, mas com esse calorão é brabo. Moro no centro, sempre que dá treino na pista da Uff. Abraços.

      Excluir
    3. Ouvi falar que a pista fica aberta, só não o horário de funcionamento. Normalmente vou para São Francisco quando quero uma "pista" mais plana.
      Se ela abre mo sábado cedo, pode ser uma boa.
      Abraços
      André

      Excluir
  4. também acho que ter uma meta é muito legal!
    dá uma motivação bacana aos treinos... um sentido a mais...

    parabéns pelas metas conquistadas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Elis!
      Foco realmente é o que nos movimenta. Aquilo que consideramos importante nos dedicamos... inclusive na corrida.
      Meu novo desafio será ganhar velocidade. Treinar para distâncias curtas é totalmente diferente! Muita intensidade, mas os treinos não passam muito de 1 hora.
      Ao menos a planilha tem 4 treinos por semana.
      Mas vou sentir falta dos longões.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…