Pular para o conteúdo principal

André e seu novo tênis: Adidas Kanadia 4

O Adidas Kanadia foi indicação do Glaucio, que já transcendeu há tempos as corridas exclusivamente no asfalto. O objetivo do Kanadia é propiciar mais aderência nas trilhas. Assim, com alguma criatividade criei um percurso que pudesse avaliar o tênis antes da XC 42K Búzios, afinal dia de prova não é dia de experimentações. Com o test drive positivo, fui para a corrida de revezamento tranquilo. Abaixo os detalhes.
Ele não é mais leve, nem mais pesado do que os tênis que estou acostumado a utilizar. As 318g conferem o conforto de outros modelos que já usei, como os Adidas Sequence e Response, além dos Asics Kayano, Cumulus e recentemente o 3020.
Seu solado é o diferencial para a corrida de trilha. Ele foi muito útil nos trechos de mata e terra. No asfalto e no cimento não comprometeu, apesar de não possuir tanto amortecimento quanto os tradicionais de asfalto. Mas a nova forma de pisar, com a parte plantar, me garantiu a segurança para utilizar calçados com menos amortecimentos no calcanhar. Inclusive tem ajudado na sobrevida dos tênis.
O meio do pé é tão firme quanto os Asics que normalmente uso. Isso ajudou muito nos trechos de paralelepídedos, cimento e asfalto.

O preço é uma babá! Paguei 199 reais neste tênis. Não há o que comentar se comparado a outros modelos e marcas. A Adidas criou uma proposta muito competitiva para esta categoria de calçado.

As corridas de trilha são uma questão de amor ou ódio. No meu caso, uma nova paixão. Vou guardar o Adidas Kanadia 4 num pedestal iluminado até a próxima corrida maluca.

Comentários

  1. Corridas de trilha são para os grandes! :)

    Então, André, como estou voltando de uma lesão, estou sendo beeeeeeem conservadora agora. O professor lá da assessoria me pediu três meses para que eu volte a pensar em participar de provas de rua.

    Tô pedindo um caminhão lotado de paciência pra mim! rs

    Mas, assim, quero muuuuuuuuuuuuuuuuuito, mas muito mesmo, conseguir completar uma meia em 2013. Não me importo com o tempo que eu possa fazer, mas quero completá-la inteira correndo.

    E você? Pensando já em maratona? :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renata,

      Os três meses estão quase no fim. Espero que estejas bem. Completar uma meia maratona é um desafio físico e mental. É uma distância que exige da sua resiliência, mas tenho certeza de que estará preparada para tal feito. Com treinos regulares e orientação você não tem o que temer.

      A maratona é um sonho desde 2011, mas a lesão me fez deixá-la de lado. Mas o pior já passou e começo a pensar moderadamente em um 2013 com uma Maratona.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…