Pular para o conteúdo principal

O bairro em que moramos

Esta semana estava decidido a encontrar um percurso em que eu pudesse enfrentar ladeiras. Procurava alguma alternativa para a escalada do Museu de Arte Conteporânea, o MAC, na Orla de Niterói. Assim, antes do raiar do sol, eu já estava fazendo o aquecimento para dar uma volta no bairro e criar meu novo circuito com ladeiras.

Nesta vida apressada que usamos o carro para praticamente tudo, correr pelas ruas do bairro me remeteu aos tempos de infância. Era um mundo mais inocente e comedido. Haviam urgências, mas os níveis de ansiedade eram mais baixos. Apesar da distância temporal e por atualmente morar em um apartamento, descobri na corrida desta terça que ainda existe um bairro essencialmente de casas para a classe média nesta cidade. Casas para todos os gostos, refletindo o perfil de seus ocupantes. Lembrou-me um tempo em que as ruas pertenciam ao futebol, ao jogo de taco e as bicicletas. Era tempo do pé descanso dando bolha por causa do asfalto quente, das bolinhas de borracha que o velho vizinho não devolvia quando a bola caía em seu quintal e dos grupos que saíam desembestados em suas bicicletas pelas ruas do bairro. Os motoristas ainda dirigiam devagar nos arredores de suas casas, afinal seus filhos também andavam de bicicleta.

Mas esta viagem na maionese não veio do acaso. Minha amiga Marta ocasionalmente me envia textos interessantes, apenas estes, pois sabe que as apresentações e correntes seguem direto para o lixo eletrônico. Por causa dela, me tornei fã de uma colunista da revista época: Cristiane Segatto. Ele sugere em seus artigos a retomada dos pequenos prazeres, do convívio e da simplicidade. Nada como brincar no bairro para lembrar que a satisfação pode ser alcançada com pouco. Desta vez foi com um par de tênis e um MP3 na orelha.

Devaneios a parte, a missão era criar um percurso com ladeiras e acabei encontrando três com um nível de média de intensidade. Para concluir os 45’ de treino foram necessárias duas voltas no novo trajeto, mas ainda dá para ajustá-lo e dar uma passada nas trilhas do Zoológico e curtir um pouquinho a natureza. As ladeiras são obstáculos importantes para o treino de força, pois promovem o reforço dos músculos das pernas, tendões e do sistema cardio-respirtório. A matéria Semana Trilegal no site da Runners World Brasil é uma boa introdução para quem busca detalhes sobre treinos de qualidade.

As inscrições para o Circuito das Estações Adidas – Primavera já estão abertas. A data da prova, inicialmente marcada para o dia 26/9 foi alterada para 10/10.

Semana Trilegal: http://runnersworld.abril.com.br/materias/trilegal/

Circuito das Estações Adidas – Primavera: http://o2porminuto.uol.com.br/circuitodasestacoes/rj/informacoes.html

Cristiane Segatto: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI26072-15230,00-ARQUIVO+CRISTIANE+SEGATTO.html

Comentários

  1. Maneiro ahaha ta ficando famoso parabéns camarada, seus textos estão muito legais, http://runnersworld.abril.com.br/runners-responde/emagreci-como-faco-manter-peso-255761_p.shtml

    []s

    Carlos Ferreira

    ResponderExcluir
  2. A fama virá por causa do apoio de amigos como você, Carlinhos. Depois me escreva contando como foi a Fila Night Run.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…