Pular para o conteúdo principal

O bairro em que moramos

Esta semana estava decidido a encontrar um percurso em que eu pudesse enfrentar ladeiras. Procurava alguma alternativa para a escalada do Museu de Arte Conteporânea, o MAC, na Orla de Niterói. Assim, antes do raiar do sol, eu já estava fazendo o aquecimento para dar uma volta no bairro e criar meu novo circuito com ladeiras.

Nesta vida apressada que usamos o carro para praticamente tudo, correr pelas ruas do bairro me remeteu aos tempos de infância. Era um mundo mais inocente e comedido. Haviam urgências, mas os níveis de ansiedade eram mais baixos. Apesar da distância temporal e por atualmente morar em um apartamento, descobri na corrida desta terça que ainda existe um bairro essencialmente de casas para a classe média nesta cidade. Casas para todos os gostos, refletindo o perfil de seus ocupantes. Lembrou-me um tempo em que as ruas pertenciam ao futebol, ao jogo de taco e as bicicletas. Era tempo do pé descanso dando bolha por causa do asfalto quente, das bolinhas de borracha que o velho vizinho não devolvia quando a bola caía em seu quintal e dos grupos que saíam desembestados em suas bicicletas pelas ruas do bairro. Os motoristas ainda dirigiam devagar nos arredores de suas casas, afinal seus filhos também andavam de bicicleta.

Mas esta viagem na maionese não veio do acaso. Minha amiga Marta ocasionalmente me envia textos interessantes, apenas estes, pois sabe que as apresentações e correntes seguem direto para o lixo eletrônico. Por causa dela, me tornei fã de uma colunista da revista época: Cristiane Segatto. Ele sugere em seus artigos a retomada dos pequenos prazeres, do convívio e da simplicidade. Nada como brincar no bairro para lembrar que a satisfação pode ser alcançada com pouco. Desta vez foi com um par de tênis e um MP3 na orelha.

Devaneios a parte, a missão era criar um percurso com ladeiras e acabei encontrando três com um nível de média de intensidade. Para concluir os 45’ de treino foram necessárias duas voltas no novo trajeto, mas ainda dá para ajustá-lo e dar uma passada nas trilhas do Zoológico e curtir um pouquinho a natureza. As ladeiras são obstáculos importantes para o treino de força, pois promovem o reforço dos músculos das pernas, tendões e do sistema cardio-respirtório. A matéria Semana Trilegal no site da Runners World Brasil é uma boa introdução para quem busca detalhes sobre treinos de qualidade.

As inscrições para o Circuito das Estações Adidas – Primavera já estão abertas. A data da prova, inicialmente marcada para o dia 26/9 foi alterada para 10/10.

Semana Trilegal: http://runnersworld.abril.com.br/materias/trilegal/

Circuito das Estações Adidas – Primavera: http://o2porminuto.uol.com.br/circuitodasestacoes/rj/informacoes.html

Cristiane Segatto: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI26072-15230,00-ARQUIVO+CRISTIANE+SEGATTO.html

Comentários

  1. Maneiro ahaha ta ficando famoso parabéns camarada, seus textos estão muito legais, http://runnersworld.abril.com.br/runners-responde/emagreci-como-faco-manter-peso-255761_p.shtml

    []s

    Carlos Ferreira

    ResponderExcluir
  2. A fama virá por causa do apoio de amigos como você, Carlinhos. Depois me escreva contando como foi a Fila Night Run.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…