Pular para o conteúdo principal

Só porque eu não quis assistir...

Passavam das dez da noite da última quinta-feira, quando calçei o par de tênis e desci para fazer o treino de velocidade. Rádio no ouvido, eu navegava procurando uma boa música para animar a corrida, até que esbarrei no jogo do Inter e São Paulo. O radialista promovia o confronto como o jogo do ano, mas fiz pouco caso e continuei o aquecimento. Não iria desistir da corrida para assistir ao jogo. Não desta vez. Imediatamente a minha decisão, uma chuva com gotas com o diâmetro de uma moeda de um real começara a cair. Acho que os deuses do futebol não aprovaram meu pouco caso e tentaram acabar com meu treino. Ignorei o aguaceiro e fiz os 4 tiros de 6’ com 2’ de intervalo para recuperar o fôlego. Fechei com um trote de 15’ e alongamento. O São Paulo vencia, mas não levava. Meu amigo Vinícius devia estar com a FCM em 110% com o jogo. Quero ver a quanto vai chegar sua FCM quando ele começar a correr também.

Os treinos de velocidade servem para colocar nosso corpo trabalhando em um ritmo mais elevado. Nos preparando para alcançar tempos menores durante as provas. Resolvi dar uma esticada no assunto por causa de algumas amigas, que tiveram dificuldades para compreender as oscilações sugeridas nos treinos. Apesar de genérica, a planilha foi preparada por especialistas. Se não compreender, dê um voto de fé, siga as recomendações e procure esclarecimentos para realizar os exercícios de forma consciente. Melhor do que correr sem destino, ou organização. Dificilmente os resultados aparecerão e a motivação será perdida.

Falando em motivação, uma dica: procure registrar e avaliar seus treinos; controlar sua quilometragem (e consequentemente de seus tênis); frequência cardíaca mínima, média e máxima. Parece coisa de doido, mas isso é apenas uma maneira de você manter o foco sobre o exercício. Manter-se motivado é uma questão complexa e aquilo que tratamos diariamente dificilmente cai no esquecimento. Nem quando chove.

Devido ao dia dos pais o longão foi no sábado. Foram novos 75’ e 11K, acompanhados de trote para aquecer, trote para desacelerar, alongamento, água de coco e duas bananas. A temperatura estava baixa. Algo em torno dos 18ºC. Bom demais para correr. Semana passada foi um sufoco com o sol na cabeça.

Novidades no site da Runners. A semana trilegal* parece que foi escrita para mim. Com pouco tempo livre durante a semana, criou-se um treino com as três principais atividades para desenvolvimento do corredor: força, velocidade e resistência. O breve artigo é interessante e oferece dicas muito legais para aqueles, que como eu, tem uma agenda apertada. A matéria ajuste fino* é outra que merece ser lida com atenção e guardada para consultas futuras.

Novidades no site da O2. Em homenagem as mulheres que separaram um pequeno pedaço do seu tempo para ler esta nota, ofereço uma matéria da O2 entitulada Vida Saudável*.

Você sabe o que significa Asics? Anima Sano In Corpore Sano. Fantástico. Maneiro. Deu orgulho de ter meu Kayano. Descobri durante visita ao site por causa do blog que eles lançaram para se aproximar de seus consumidores. Na página dois vi fotos do dia de entrega do Kit da Maratona do Rio, que trouxeram mini-flashbacks de felicidade daquele surpreendente dia. Vale a visita: www.asics.com.br/blog/.

Links de artigo:

Semana trilegal: http://runnersworld.abril.com.br/materias/trilegal/

Ajuste fino: http://runnersworld.abril.com.br/materias/ajuste/

Vida saudável: http://o2porminuto.uol.com.br/scripts/materia/materia_det.asp?idMateria=4232&idCanal=8

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…