Pular para o conteúdo principal

Quando precisamos nos superar

A Revista O2 de agosto começa com um artigo super interessante do comentarista esportivo Marcos Caetano. Ele fala como a dor é presente em quem adota a corrida como esporte. Ele diz que a dor pode se manifestar de várias formas e que se não tivermos força de vontade acabaremos desistindo da atividade.

Nós que corremos para viver e não vivemos para correr praticamos o maior malabarismo para encaixar nas 24 horas do dia trabalho, família, estudo, lazer, amigos, descanso e a corrida. Mesmo com toda força de vontade do mundo às vezes fugir ao planejamento é algo necessário. Mas espere, eu não disse que você deva faltar com os treinos, pois o tempo que dedicamos a saúde já é bastante reduzido. Mas o que fazer depois de uma semana super puxada no trabalho? Será que ainda existe gás para o longão do final de semana? Em muitos casos, vale a pena dar uma reduzida no treino para evitar problemas, ainda mais com noites mal dormidas em que o corpo não teve tempo para se recuperar do desgaste a que foi submetido. Treinar cansado pode levar a contusões, ou indisposições, por isso, neste momento é que devemos ser sensatos e reconhecer nossos limites físicos (por mais motivados que possamos estar).

Desde que comecei a correr senti dores musculares, sofri com o alongamento e vivi um princípio de canelite (que consegui evitar sua evolução com o calçado correto), mas dor por não conseguir correr é algo realmente inusitado (suspiro). Esta é uma sensação realmente complicada de se compartilhar. Me consolo em saber que existirá um amanhã para correr :-)

Evitando a perda excessiva de peso. Há algumas semanas eu iniciei uma pesquisa para tentar conter a excessiva perda de peso que provavelmente aconteceria comigo. Depois de secar a barriga, percebi que precisa encontrar um meio de continuar me exercitando e manter meu peso. A equipe da Runners World Brasil uma vez mais foi extremamente prestativa. Através da seção RWResponde a nutricionista Suzana Bonumá recomendou a adoção de alguns alimentos. No café da manhã incluí o iogurte, mas o grande desafio era resolver aquela fomezinha que vem no meio do expediente. Ali pelas 10 e meia e lá pelas 4 da tarde. Tudo se resolveu quando encontrei damasco seco para comprar em uma lojinha da Rua da Alfândega. O Damasco é rico em calorias e proteínas e seu consumo moderado espanta aquela fome de comer besteiras durante o expediente. Outra vantagem do damasco seco é que ele é fácil de ser carregado, não amassa (já é meio amarrotado o coitado) e é doce. Sabe que até a quantidade de café eu consegui reduzir! Incrível. Abaixo algumas informações sobre o fruto mágico.

Damasco seco

Quantidade

100 gramas

Água (%)

31

Calorias

238,46

Proteína (g)

3,85

Gordura (g)

0,77

Ácido Graxo Saturado (g)

Traços

Ácido Graxo Monoinsaturado (g)

0,23

Ácido Graxo Poliinsaturado (g)

0,08

Colesterol (mg)

0

Carboidrato (g)

61,54

Cálcio (mg)

45,38

Fósforo (mg)

116,92

Ferro (mg)

4,69

Potássio (mg)

1377,69

Sódio (mg)

10

Vitamina A (UI)

7238,46

Vitamina A (Retinol Equivalente)

723,85

Tiamina (mg)

Traços

Riboflavina (mg)

0,15

Niacina (mg)

3

Ácido Ascórbico (mg)

2,3

Fonte: http://emedix.uol.com.br/dia/ali008_1f_damascoseco.php

Clique aqui e saiba mais sobre o damasco.

Corredores e também blogueiros. Dediquei os últimos dias para conhecer alguns outros corredores blogueiros e encontrei textos interessantíssimos. Recomendo a leitura do post Todos os dias têm 24 horas, de Léo Mesquita. Ele dá algumas dicas sobre a gestão do tempo. O BlogCorreria, do Sérgio Xavier Junior, tem um assunto bastante interessante e que merece a reflexão de todos. Entitulado como Debate quente, o post fala sobre a importância do acompanhamento médico, inclusive para os praticantes de atividade física. A morte ocorrida na Maratona do Rio no mês de julho trouxe o assunto à tona em vários canais da mídia esportiva.

Boas passadas para vocês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…