Pular para o conteúdo principal

Quando precisamos nos superar

A Revista O2 de agosto começa com um artigo super interessante do comentarista esportivo Marcos Caetano. Ele fala como a dor é presente em quem adota a corrida como esporte. Ele diz que a dor pode se manifestar de várias formas e que se não tivermos força de vontade acabaremos desistindo da atividade.

Nós que corremos para viver e não vivemos para correr praticamos o maior malabarismo para encaixar nas 24 horas do dia trabalho, família, estudo, lazer, amigos, descanso e a corrida. Mesmo com toda força de vontade do mundo às vezes fugir ao planejamento é algo necessário. Mas espere, eu não disse que você deva faltar com os treinos, pois o tempo que dedicamos a saúde já é bastante reduzido. Mas o que fazer depois de uma semana super puxada no trabalho? Será que ainda existe gás para o longão do final de semana? Em muitos casos, vale a pena dar uma reduzida no treino para evitar problemas, ainda mais com noites mal dormidas em que o corpo não teve tempo para se recuperar do desgaste a que foi submetido. Treinar cansado pode levar a contusões, ou indisposições, por isso, neste momento é que devemos ser sensatos e reconhecer nossos limites físicos (por mais motivados que possamos estar).

Desde que comecei a correr senti dores musculares, sofri com o alongamento e vivi um princípio de canelite (que consegui evitar sua evolução com o calçado correto), mas dor por não conseguir correr é algo realmente inusitado (suspiro). Esta é uma sensação realmente complicada de se compartilhar. Me consolo em saber que existirá um amanhã para correr :-)

Evitando a perda excessiva de peso. Há algumas semanas eu iniciei uma pesquisa para tentar conter a excessiva perda de peso que provavelmente aconteceria comigo. Depois de secar a barriga, percebi que precisa encontrar um meio de continuar me exercitando e manter meu peso. A equipe da Runners World Brasil uma vez mais foi extremamente prestativa. Através da seção RWResponde a nutricionista Suzana Bonumá recomendou a adoção de alguns alimentos. No café da manhã incluí o iogurte, mas o grande desafio era resolver aquela fomezinha que vem no meio do expediente. Ali pelas 10 e meia e lá pelas 4 da tarde. Tudo se resolveu quando encontrei damasco seco para comprar em uma lojinha da Rua da Alfândega. O Damasco é rico em calorias e proteínas e seu consumo moderado espanta aquela fome de comer besteiras durante o expediente. Outra vantagem do damasco seco é que ele é fácil de ser carregado, não amassa (já é meio amarrotado o coitado) e é doce. Sabe que até a quantidade de café eu consegui reduzir! Incrível. Abaixo algumas informações sobre o fruto mágico.

Damasco seco

Quantidade

100 gramas

Água (%)

31

Calorias

238,46

Proteína (g)

3,85

Gordura (g)

0,77

Ácido Graxo Saturado (g)

Traços

Ácido Graxo Monoinsaturado (g)

0,23

Ácido Graxo Poliinsaturado (g)

0,08

Colesterol (mg)

0

Carboidrato (g)

61,54

Cálcio (mg)

45,38

Fósforo (mg)

116,92

Ferro (mg)

4,69

Potássio (mg)

1377,69

Sódio (mg)

10

Vitamina A (UI)

7238,46

Vitamina A (Retinol Equivalente)

723,85

Tiamina (mg)

Traços

Riboflavina (mg)

0,15

Niacina (mg)

3

Ácido Ascórbico (mg)

2,3

Fonte: http://emedix.uol.com.br/dia/ali008_1f_damascoseco.php

Clique aqui e saiba mais sobre o damasco.

Corredores e também blogueiros. Dediquei os últimos dias para conhecer alguns outros corredores blogueiros e encontrei textos interessantíssimos. Recomendo a leitura do post Todos os dias têm 24 horas, de Léo Mesquita. Ele dá algumas dicas sobre a gestão do tempo. O BlogCorreria, do Sérgio Xavier Junior, tem um assunto bastante interessante e que merece a reflexão de todos. Entitulado como Debate quente, o post fala sobre a importância do acompanhamento médico, inclusive para os praticantes de atividade física. A morte ocorrida na Maratona do Rio no mês de julho trouxe o assunto à tona em vários canais da mídia esportiva.

Boas passadas para vocês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…