Pular para o conteúdo principal

Li e gostei - Parte II

A edição 23 (setembro) da Revista Runner's World Brasil, como um bom maratonista, tem mantido o ritmo de reportagens interessantes. A primeira que me chamou a atenção foi a Ensaie a prova, uma ótima maneira de melhorar seu recorde pessoal nas provas oficiais. Na contra capa desta matéria uma foto de uma senhora de 47 anos nos mostra o que um ser humano é capaz. A matéria Preparar. Apontar. Fogo! Impressiona pelo resultado que o batalhão alcançou, ainda mais por saber em que estado se encontrava. Sinceramente este comportamento deveria ser padrão para quem depende do corpo para salvar vidas e incursões de risco.Tempo a favor fala sobre treinar com prudência para evitar lesões. Um teto para viver fala do VO2max. O teste de esforço ganhou uma nova conotação agora que conheci o significado do VO2max, pois ele que indica nosso limite. Gás total fala sobre a reposição de energia para corridas com tempo superior a 40' ou 50', quando nossas reservas foram praticamente exauridas. O Guia do tênis foi uma surpresa, pois marcas tradicionais perderam espaço. Tem marca neste guia que eu nem sabia que existia. Por fim, Leis do asfalto dando informações sobre preservação dos joelhos. Não é por que temos dois que podemos nos desfazer de um.
Dragon Lords. A reportagem sobre a Guerra do tênis me lembrou os tempos em que jogava de D&D com os amigos. Lembrou-me do dia que conseguimos os dois últimos livros para personagens e conheci uma especialização para o guerreiro denominada Dragon Lord. Um guerreiro ganhava esta alcunha por conseguir um dragão como montaria. Não precisa ser um jogador de RPG para entender minha citação, pois o cinema americano produziu vários filmes com estas criaturas. Entre muitas viagens na maionese com meus amigos Rodolfo e Gustavo, tentávamos digerir o paradoxo apresentado naquele momento. A criatura que tanto evitávamos incluir nas aventuras (pois era certo que pelo menos um dos jogadores morreria) foi colocada como montaria de personagens poderosos. Pressupondo que tentar domar uma criatura daquelas era uma tarefa no mínimo muito arriscada, pergunto: você faria parte do time que tentaria domesticar o dragão, ou do time que preferia enfrentá-lo? Será que os empresários que adotaram a China como centro de produção pensaram que esta “estratégia” um dia não teria fim? Este desequilíbrio um dia seria contestado e acho que chegou este profético momento. Mas independente da resposta que você tenha dado para minha pergunta é certo que o consumidor acabou chamuscado.
Treinos de velocidade. Há algumas semanas venho sofrendo com os treinos, mas percebi que naturalmente nos obrigamos a melhorar nossa técnica de correr, alongando passadas e empurrando o chão. A postura fica mais ereta e o esforço parece cada vez menor.
O ensaio. Faltando tão pouco tempo para prova o Tempo Run é uma ótima forma de preparar o corpo para o ritmo que pretendo adotar no dia 10, na Adidas Primavera. Baseando-me na matéria, no próximo domingo farei um tiro de 3K com a 90% da FCM, ou tentarei cumprir a tabela abaixo:

Distância

Tempo

1

00:04:59

2

00:09:58

3

00:14:58

O desafio. Isso tudo para tentar bater meu recorde pessoal (RP) com sobras. Mas ainda acho improvável baixar dos 50’. Alguns outros itens precisam ser inseridos na rotina para melhorar meu desempenho, entre eles aumentar o número de treinos na semana e musculação. Coisas para o futuro.

Distância

Tempo

1

00:05:15

2

00:10:30

3

00:15:45

4

00:21:00

5

00:26:15

6

00:31:30

7

00:36:45

8

00:42:00

9

00:47:15

10

00:52:30

Se um dia me perguntarem o motivo disso tudo, eu direi: por que não? A vida não é feita para se experimentar?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…