Pular para o conteúdo principal

Li e gostei - Parte II

A edição 23 (setembro) da Revista Runner's World Brasil, como um bom maratonista, tem mantido o ritmo de reportagens interessantes. A primeira que me chamou a atenção foi a Ensaie a prova, uma ótima maneira de melhorar seu recorde pessoal nas provas oficiais. Na contra capa desta matéria uma foto de uma senhora de 47 anos nos mostra o que um ser humano é capaz. A matéria Preparar. Apontar. Fogo! Impressiona pelo resultado que o batalhão alcançou, ainda mais por saber em que estado se encontrava. Sinceramente este comportamento deveria ser padrão para quem depende do corpo para salvar vidas e incursões de risco.Tempo a favor fala sobre treinar com prudência para evitar lesões. Um teto para viver fala do VO2max. O teste de esforço ganhou uma nova conotação agora que conheci o significado do VO2max, pois ele que indica nosso limite. Gás total fala sobre a reposição de energia para corridas com tempo superior a 40' ou 50', quando nossas reservas foram praticamente exauridas. O Guia do tênis foi uma surpresa, pois marcas tradicionais perderam espaço. Tem marca neste guia que eu nem sabia que existia. Por fim, Leis do asfalto dando informações sobre preservação dos joelhos. Não é por que temos dois que podemos nos desfazer de um.
Dragon Lords. A reportagem sobre a Guerra do tênis me lembrou os tempos em que jogava de D&D com os amigos. Lembrou-me do dia que conseguimos os dois últimos livros para personagens e conheci uma especialização para o guerreiro denominada Dragon Lord. Um guerreiro ganhava esta alcunha por conseguir um dragão como montaria. Não precisa ser um jogador de RPG para entender minha citação, pois o cinema americano produziu vários filmes com estas criaturas. Entre muitas viagens na maionese com meus amigos Rodolfo e Gustavo, tentávamos digerir o paradoxo apresentado naquele momento. A criatura que tanto evitávamos incluir nas aventuras (pois era certo que pelo menos um dos jogadores morreria) foi colocada como montaria de personagens poderosos. Pressupondo que tentar domar uma criatura daquelas era uma tarefa no mínimo muito arriscada, pergunto: você faria parte do time que tentaria domesticar o dragão, ou do time que preferia enfrentá-lo? Será que os empresários que adotaram a China como centro de produção pensaram que esta “estratégia” um dia não teria fim? Este desequilíbrio um dia seria contestado e acho que chegou este profético momento. Mas independente da resposta que você tenha dado para minha pergunta é certo que o consumidor acabou chamuscado.
Treinos de velocidade. Há algumas semanas venho sofrendo com os treinos, mas percebi que naturalmente nos obrigamos a melhorar nossa técnica de correr, alongando passadas e empurrando o chão. A postura fica mais ereta e o esforço parece cada vez menor.
O ensaio. Faltando tão pouco tempo para prova o Tempo Run é uma ótima forma de preparar o corpo para o ritmo que pretendo adotar no dia 10, na Adidas Primavera. Baseando-me na matéria, no próximo domingo farei um tiro de 3K com a 90% da FCM, ou tentarei cumprir a tabela abaixo:

Distância

Tempo

1

00:04:59

2

00:09:58

3

00:14:58

O desafio. Isso tudo para tentar bater meu recorde pessoal (RP) com sobras. Mas ainda acho improvável baixar dos 50’. Alguns outros itens precisam ser inseridos na rotina para melhorar meu desempenho, entre eles aumentar o número de treinos na semana e musculação. Coisas para o futuro.

Distância

Tempo

1

00:05:15

2

00:10:30

3

00:15:45

4

00:21:00

5

00:26:15

6

00:31:30

7

00:36:45

8

00:42:00

9

00:47:15

10

00:52:30

Se um dia me perguntarem o motivo disso tudo, eu direi: por que não? A vida não é feita para se experimentar?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…