Pular para o conteúdo principal

Li e gostei - Parte I

A edição 89 (setembro) da Revista O2 foi uma grata surpresa do seu início ao fim. Os textos do Marcos Caetano só reforçam a admiração ao trabalho que ele conduz na ESPN Brasil. O texto corredores competitivos é uma verdadeira obra de arte. Para perder peso é perciso mudar reforça minha crença de que transformamos mente e corpo com a prática da corrida. É um processo contínuo de reeducação não apenas no que se refere a alimentação, mas aos cuidados com o corpo, sono e mente. Iniciantes, cautela! prova que sempre é possível falar algo novo. Apesar de a dica ter sido escrita para os corredores de rua que estão começando, não custa lembrar os cuidados que devemos ter quando invadimos o espaço destinado aos veículos automotores. Correndo soltinho, soltinho... é a primeira matéria (que eu me lembro) a incentivar os treinos educativos. Me fez lembrar os tempos de piscina e dos looooongos educativos. Não posso reclamar, pois com eles foi possível alcançar tempos antes improváveis. Aliado das passadas apresenta o alongamento dinâmico como sugestão antes das provas. Vou além, acho que o alongamento dinâmico deve ser parte do aquecimento nos dias de treino e o alongamento estático uma prática depois dos treinos. Os pecados da musculação trás a tona o mito e a verdade sobre o impacto da musculação no corpo de um corredor. Atrás de um carro conta a história de Viviany Anderson, brasileira e bicampeã da Maratona de São Paulo. É impressionante como a vida proporciona histórias fantásticas todos os dias. Por fim, Corrida em eqiulíbrio e perda de massa gorda nos alerta para os exageros que podem existir também na vida de um corredor. Enfim, a edição deste mês está realmente intocável.

Aos poucos minha relação com a O2 vai se tornando mais amistosa e proveitosa.

E a Runners World Brasil? Fui à banca para comprá-la e mesmo sendo assinante da O2 (por causa da Adidas Inverno), não consegui abandonar quem me colocou neste mundo novo e fiz a assinatura ontem de tarde. Culpa do Sérgio Xavier Filho, pois seu post no Blogcorreria me fez lembrar o quanto eles fizeram por mim desde março.

Já li algumas matérias da edição 23 (setembro) e me lamento até agora por ter perdido a edição 22 (agosto). Justamente quando eu procurava informações sobre musculação e exercícios funcionais.

Um pouco de prudência. Depois de uma exaustiva no trabalho, o longão foi substituído por um intervalado entre caminhada e corrida leve para evitar uma contusão.

Eu e meu tênis. No início de julho iniciei um trabalho CSI para entender por que o Mizuno Wave Creation 10 apresentou um desgaste incomum durante meus treinos. Enviei o tênis para Alpargatas analisar o tênis e eles foram extremamente solícitos em todo o processo que culminou com a substituição do calçado. Depois de muito ler sobre pisada e coletar informações nos guias de tênis disponíveis na Internet, cheguei a conclusão que o Creation não foi feito para mim. Assim estou anunciando o tênis no Mercado Livre e em breve (espero) eu tenha chance de comprar um Mizuno Nirvana. Enquanto isso o Asics Kayano 15 ultrapassou os 300 Km rodados e parece ter disposição para outros mais.

Vende-se Mizuno Wave Creatino 10 BRA 44 US 12. Detalhes no Mercado Livre.

Comentários

  1. Oi, André. Como você sabe, sou assinante da Runner's. Tenho todas as edições, exceto a nº 1. Se precisar, posso emprestá-las. Estou até relendo algumas matérias. Beijos, Gabi.

    ResponderExcluir
  2. Gabi, gostaria de ler a edição de agosto! Vou combinar com Andréa um jeito de nos encontrarmos.
    Beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…