Pular para o conteúdo principal

Li e gostei - Parte I

A edição 89 (setembro) da Revista O2 foi uma grata surpresa do seu início ao fim. Os textos do Marcos Caetano só reforçam a admiração ao trabalho que ele conduz na ESPN Brasil. O texto corredores competitivos é uma verdadeira obra de arte. Para perder peso é perciso mudar reforça minha crença de que transformamos mente e corpo com a prática da corrida. É um processo contínuo de reeducação não apenas no que se refere a alimentação, mas aos cuidados com o corpo, sono e mente. Iniciantes, cautela! prova que sempre é possível falar algo novo. Apesar de a dica ter sido escrita para os corredores de rua que estão começando, não custa lembrar os cuidados que devemos ter quando invadimos o espaço destinado aos veículos automotores. Correndo soltinho, soltinho... é a primeira matéria (que eu me lembro) a incentivar os treinos educativos. Me fez lembrar os tempos de piscina e dos looooongos educativos. Não posso reclamar, pois com eles foi possível alcançar tempos antes improváveis. Aliado das passadas apresenta o alongamento dinâmico como sugestão antes das provas. Vou além, acho que o alongamento dinâmico deve ser parte do aquecimento nos dias de treino e o alongamento estático uma prática depois dos treinos. Os pecados da musculação trás a tona o mito e a verdade sobre o impacto da musculação no corpo de um corredor. Atrás de um carro conta a história de Viviany Anderson, brasileira e bicampeã da Maratona de São Paulo. É impressionante como a vida proporciona histórias fantásticas todos os dias. Por fim, Corrida em eqiulíbrio e perda de massa gorda nos alerta para os exageros que podem existir também na vida de um corredor. Enfim, a edição deste mês está realmente intocável.

Aos poucos minha relação com a O2 vai se tornando mais amistosa e proveitosa.

E a Runners World Brasil? Fui à banca para comprá-la e mesmo sendo assinante da O2 (por causa da Adidas Inverno), não consegui abandonar quem me colocou neste mundo novo e fiz a assinatura ontem de tarde. Culpa do Sérgio Xavier Filho, pois seu post no Blogcorreria me fez lembrar o quanto eles fizeram por mim desde março.

Já li algumas matérias da edição 23 (setembro) e me lamento até agora por ter perdido a edição 22 (agosto). Justamente quando eu procurava informações sobre musculação e exercícios funcionais.

Um pouco de prudência. Depois de uma exaustiva no trabalho, o longão foi substituído por um intervalado entre caminhada e corrida leve para evitar uma contusão.

Eu e meu tênis. No início de julho iniciei um trabalho CSI para entender por que o Mizuno Wave Creation 10 apresentou um desgaste incomum durante meus treinos. Enviei o tênis para Alpargatas analisar o tênis e eles foram extremamente solícitos em todo o processo que culminou com a substituição do calçado. Depois de muito ler sobre pisada e coletar informações nos guias de tênis disponíveis na Internet, cheguei a conclusão que o Creation não foi feito para mim. Assim estou anunciando o tênis no Mercado Livre e em breve (espero) eu tenha chance de comprar um Mizuno Nirvana. Enquanto isso o Asics Kayano 15 ultrapassou os 300 Km rodados e parece ter disposição para outros mais.

Vende-se Mizuno Wave Creatino 10 BRA 44 US 12. Detalhes no Mercado Livre.

Comentários

  1. Oi, André. Como você sabe, sou assinante da Runner's. Tenho todas as edições, exceto a nº 1. Se precisar, posso emprestá-las. Estou até relendo algumas matérias. Beijos, Gabi.

    ResponderExcluir
  2. Gabi, gostaria de ler a edição de agosto! Vou combinar com Andréa um jeito de nos encontrarmos.
    Beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…