Pular para o conteúdo principal

Que a força esteja com você

A última semana foi bastante complicada. Saindo tarde do trabalho, plantão, duas noites praticamente acordado recuperando sistemas, poucas horas de sono, gripe em família e um desgaste mental que há tempos eu não sentia.

Uma das coisas que mais me impressionam no ato de correr são as habilidades mentais que trabalhamos antes e durante os treinos. A palavra que gostaria de abordar hoje é a resiliência. Veja o conceito fornecido na Wikipedia:

“se refere à propriedade de que são dotados alguns materiais, de acumular energia quando exigidos ou submetidos a estresse sem ocorrer ruptura.”

“é utilizado no mundo dos negócios para caracterizar pessoas que têm a capacidade de retornar ao seu equilibrio emocional após sofrer grandes pressões ou estresse, ou seja, são dotadas de habilidades que lhes permitem lidar com problemas sob pressão ou estresse mantendo o equilibrio.”

Manter uma atividade regular neste mundo moderno é um desafio em si para maioria da população, que frequentemente sai mais tarde do trabalho, estuda, tem filhos, pais idosos, ou muitas outras coisas que exigem nossa presença. É preciso ser resiliente para não se perder em outros compromissos e sonegar a si o direito de cuidar da saúde em menos de duas horas por treino alguns dias da semana.

A resiliência lhe trará a força necessária para racionalizar nossas 24 horas do dia. Nos auxiliará a compreender que a qualidade precisa prevalecer sobre a quantidade. Que o tempo que nos dedicamos ao trabalho, esposa (ou marido), filhos, família, amigos e a cuidar de si precisa ser saboreado em sua plenitude, transformando nosso estilo de vida. Como assim? O ato de correr estimula a produção e liberação do hormônio endorfina (entre outros), responsável pelo bem estar mental dos fiéis praticantes. Desejo que a leitura deste post lhe traga a força que falta para começar, ou continuar, a fazer o melhor.

Charitas é a faixa de areia ao fundo.

Vamos correr. Depois de um treino sofrível na terça e ter desistido de treinar na quinta-feira, segui para praia conformado em fazer um treino leve para levantar a moral. Não estava 100%, mas nada que uma sessão 45' a 60' pudesse assustar. Fiz o tradicional aquecimento, que minha amiga Marta conhece, para acordar o corpo para o treino de resistência. Foram 15 minutos intrigantes, pois durante o trote passou por mim um Adidas Inverno. Olhei para trás apenas para assistí-lo subindo a Fróes. Pouco depois, durante o alongamento dinâmico vejo passar uma Adidas Outono e um EcoRun seguindo a tradicional trilha de cones. Comecei a olhar aqueles cones como um pombo que assiste um trilha de migalhas de pão. Ainda tentei resistir e iniciei a corrida em direção ao MAC, mas dei meia volta e parti para o longão.

Mantendo 6'25" por quilômetro pude assistir o visual da Fróes, que nos presenteia com uma lknda vista das praias de São Francisco e Charistas e do Clube Naval (ponto de retorno) ao fundo. Além disso, ainda tem a tranquilidade matutina da pista da orla, que facilita a corrida no asfalto e menor poluição em detrimento das emissões de gases dos veículos. Sofri um pouco na volta, mas valeu a pena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…