Pular para o conteúdo principal

Somos o que comemos


Somos o que comemos. Não lembro quando, ou onde ouvi esta frase, mas ela se aplica bem ao post de hoje. Mas a idéia não é falar dos malefícios da comida para a saúde, mas do impacto de uma alimentação saudável no seu desempenho como corredor. Se você achava que estaria livre para comer qualquer coisa desregradamente (como eu), você deveria continuar esta leitura.

O assunto veio a tona quando minha amiga Marta enviou um artigo sobre a alimentação de atletas para mim e coincidentemente eu havia acabado de ler uma matéria sobre o mesmo assunto no site da O2. A matéria da Marta falava sobre fadiga e a minha, mais incisiva, utilizara a palavra cãibra. Nas duas matérias entendeu-se que a propensão a lesões aumentava com má alimentação, mas eu não estava satisfeito. Ainda faltava a cereja do bolo para este post ficar legal e esta apareceu.

A discussão sobre o Gatorade no BlogCorreria me fez refletir sobre o Malto Dextrin. Ele é rico em carboidratos e sódio (acho que o termo sais minerais vai além do sódio, mas preciso pesquisar), bom para ingestão antes e durante os treinos. Porém, não supre a demanda por proteínas exigida no pós-treino.

Eu esbarrei em um artigo muito bom das nutricionistas Mariana e Carolina sobre probióticos no site da O2. Se eu soubesse, faria mais uso do iogurte e outros probióticos na minha alimentação a mais tempo.

Enfim, vale a pena conferir as matérias.

Comentários

  1. é... alimentação é tudo na vida do atleta...
    Parabéns pelo post´s muito bem lembrado falar sobre esse tema!!!
    \o/simbora treinar
    \o/ simbora correr
    www.marlipalugan.blogspot.com
    Twitter:@marlipalugan

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Garmin Brasil: confiança tem nome!

Dia 11 de agosto, dia do último treino com meu Forerunner 610 funcionando. Não houve mandinga capaz de fazer a tela sensível ao toque responder o lado ocidental simplesmente não respondia mais ao toque.

Em conversa com o compadre Gláucio sobre que a Garmin havia montado uma unidade de reparo no Brasil. O processo foi bem simples. Num primeiro momento (1) descrevi o problema em um pedido de assistência, aos cumprir com os testes padrões sugeridos pelo atendente. Pouco tempo depois (2) recebi um orçamento para resolução do problema e se estivesse interessado, deveria realizar o pagamento do valor. O passo seguinte seria (3) enviar via correio o dispositivo sem acessórios para a Garmin Brasil. Fiz seguro e mandei via SEDEX. Daí foi aguardar pelo atendimento. A Garmin Brasil tem uma SLA de 30 dias úteis, mas não precisei aguardar tanto para rever meu FR 610 funcionando. Na última quarta treinei com ele. Estava como novo. Até a película protetora estava na tela para mostrar que era nova.


Exc…

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…