Pular para o conteúdo principal

Mens sana in corpore sano

Outro dia eu mencionei em um post o quanto correr me ajudou a reduzir o estresse acumulado no dia-a-dia e a citação mens sana in corpore sano começou a ecoar na minha cabeça. Resolvi pesquisar sobre ela e descobrir fatos interessantes. Decimus Iunius Iuvenalis, por assim dizer, era um cronista do século I e mens sana in corpore sano é apenas uma de suas celebres frases que foram perpetuadas. Na citação original ele dizia que: “(...) ao invés de riqueza, poder, ou crianças, os homens devem orar por uma "mente sã num corpo sadio”. Como nesta vida nada acontece por acaso, eu me descobri resgatando este ancestral ensinamento na minha busca por mais equilíbrio nos pensamentos e uma vida mais saudável. Interessante é ver a divina proporção de Da Vinci associada a esta frase milenar para expressar a perfeição do corpo humano. Perfeita, se nós permitirmos, claro.

Por esse motivo, eu resolvi resgatar o fato e destrinchar algumas as habilidades que foram desenvolvidas nestes 500 km percorridos. Tentarei identificar os fatores que provocaram as mudanças comportamentais (a mudança física se traduz em 8 Kg a menos) e compartilhar um bocado desta experiência com vocês.

Foco. Acho que esta foi a primeira habilidade trabalhada com a corrida. Lembro das primeiras voltas no estacionamento do condomínio caminhando pacientemente sonhando com uma condição de física melhor. Eu não tinha preparo para correr 5 minutos seguidos. A caminhada que pratiquei nas duas primeiras semanas foram realmente muito chatas, mas eu sabia que aquele treino fazia parte de um plano maior. Usei muita energia mental para não desistir, ou atravessar os treinos estipulados na planilha. É bom olhar para trás e ver que aqueles 5 minutos se transformaram em mais de uma hora e só paro de correr, pois o treino não solicita mais.

Vontade de aprender. Eu não sabia nada sobre correr, pisada, tênis, treinamento, alimentação, aquecimento, alongamento, provas amadoras e um sei lá mais de coisas. Minha amiga Aline dizia que estava gostando muito de correr e que seu condicionamento melhorara sensivelmente. A Runners World Brasil fez minha iniciação neste universo quase sem querer, pois só comprei as 3 primeiras edições por causa de uma promoção combo. Depois daquele dia, não parei mais de pesquisar sobre o assunto. O objetivo era conquistar um condicionamento invejável e evitar lesões. Para minha sorte, consegui bem mais coisas.

Planejamento. Manter-me treinando 3 vezes por semanas é, até hoje, uma das coisas mais difíceis. Com uma jornada de trabalho que frequentemente me obriga a ficar depois do expediente, treinar tornou-se um desafio, mas por enquanto estou dando jeito nisso. Deixar as coisas arrumadas na noite anterior ao treino, ou aproveitar um dia que cheguei mais cedo para realizar o treino, são estratégias que carrego comigo.

Determinação. Esta habilidade está constantemente sendo invocada. É preciso determinação para acordar para treinar, para treinar depois do trabalho, ou para terminar um treino forte mesmo não estando nas suas melhores condições. Tenho como objetivo sempre terminar o treino. Conseguindo treinar, sei que estarei me desenvolvendo.

Filosofando um pouco, trabalhar estas características na corrida foi extremamente benéfico para minha vida familiar e profissional. Acrescentar estas habilidades ao meu cotidiano me tornou uma pessoa mais calma e resistente às adversidades. Hoje não me impressiono com nenhum desafio. Basta foco para compreender o plano de ação, vontade para adquirir novos conhecimentos, planejar a forma como alcançará o resultado desejado e um bocado de determinação para não desistir no meio do caminho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…