Pular para o conteúdo principal

Mens sana in corpore sano

Outro dia eu mencionei em um post o quanto correr me ajudou a reduzir o estresse acumulado no dia-a-dia e a citação mens sana in corpore sano começou a ecoar na minha cabeça. Resolvi pesquisar sobre ela e descobrir fatos interessantes. Decimus Iunius Iuvenalis, por assim dizer, era um cronista do século I e mens sana in corpore sano é apenas uma de suas celebres frases que foram perpetuadas. Na citação original ele dizia que: “(...) ao invés de riqueza, poder, ou crianças, os homens devem orar por uma "mente sã num corpo sadio”. Como nesta vida nada acontece por acaso, eu me descobri resgatando este ancestral ensinamento na minha busca por mais equilíbrio nos pensamentos e uma vida mais saudável. Interessante é ver a divina proporção de Da Vinci associada a esta frase milenar para expressar a perfeição do corpo humano. Perfeita, se nós permitirmos, claro.

Por esse motivo, eu resolvi resgatar o fato e destrinchar algumas as habilidades que foram desenvolvidas nestes 500 km percorridos. Tentarei identificar os fatores que provocaram as mudanças comportamentais (a mudança física se traduz em 8 Kg a menos) e compartilhar um bocado desta experiência com vocês.

Foco. Acho que esta foi a primeira habilidade trabalhada com a corrida. Lembro das primeiras voltas no estacionamento do condomínio caminhando pacientemente sonhando com uma condição de física melhor. Eu não tinha preparo para correr 5 minutos seguidos. A caminhada que pratiquei nas duas primeiras semanas foram realmente muito chatas, mas eu sabia que aquele treino fazia parte de um plano maior. Usei muita energia mental para não desistir, ou atravessar os treinos estipulados na planilha. É bom olhar para trás e ver que aqueles 5 minutos se transformaram em mais de uma hora e só paro de correr, pois o treino não solicita mais.

Vontade de aprender. Eu não sabia nada sobre correr, pisada, tênis, treinamento, alimentação, aquecimento, alongamento, provas amadoras e um sei lá mais de coisas. Minha amiga Aline dizia que estava gostando muito de correr e que seu condicionamento melhorara sensivelmente. A Runners World Brasil fez minha iniciação neste universo quase sem querer, pois só comprei as 3 primeiras edições por causa de uma promoção combo. Depois daquele dia, não parei mais de pesquisar sobre o assunto. O objetivo era conquistar um condicionamento invejável e evitar lesões. Para minha sorte, consegui bem mais coisas.

Planejamento. Manter-me treinando 3 vezes por semanas é, até hoje, uma das coisas mais difíceis. Com uma jornada de trabalho que frequentemente me obriga a ficar depois do expediente, treinar tornou-se um desafio, mas por enquanto estou dando jeito nisso. Deixar as coisas arrumadas na noite anterior ao treino, ou aproveitar um dia que cheguei mais cedo para realizar o treino, são estratégias que carrego comigo.

Determinação. Esta habilidade está constantemente sendo invocada. É preciso determinação para acordar para treinar, para treinar depois do trabalho, ou para terminar um treino forte mesmo não estando nas suas melhores condições. Tenho como objetivo sempre terminar o treino. Conseguindo treinar, sei que estarei me desenvolvendo.

Filosofando um pouco, trabalhar estas características na corrida foi extremamente benéfico para minha vida familiar e profissional. Acrescentar estas habilidades ao meu cotidiano me tornou uma pessoa mais calma e resistente às adversidades. Hoje não me impressiono com nenhum desafio. Basta foco para compreender o plano de ação, vontade para adquirir novos conhecimentos, planejar a forma como alcançará o resultado desejado e um bocado de determinação para não desistir no meio do caminho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…