Pular para o conteúdo principal

Quando precisamos usar o gelo

Para quem dedica apenas 3 dias da semana a corrida, perder um treino é um sacrilégio. Mas depois de uma semana de trabalho com jornadas de 10 a 12 horas, conseguir treinar só foi possível com muita perseverança.

O treino de terça-feira foi realizado na quarta-feira de noite, ali pelas 11 da noite. O treino de quinta-feira acabou ficando para manhã de sábado e até que foi uma boa, pois correr na orla de São Francisco sempre é muito agradável.

Apesar do esforço para manter a rotina, o treino começou difícil. O corpo cansado da semana de trabalho reclamava o esforço durante o aquecimento. O corpo mandava sinais de que iria me deixar na mão, pois uma incomoda dor na coxa direita apareceu logo após o aquecimento. Devo ter feito algum movimento errado.

O objetivo do treino era identificar um ritmo para a prova que se aproxima. Três corridas de 2,5K, uma leva, outra moderada e a última forte.

O primeiro tiro se confundiu com o aquecimento, pois de trote para corrida leve só fazia diferença nas primeiras semanas. Pior é que eu me sentia torto, pois a perna direita não melhorara. Mesmo receoso, fui em frente. O segundo tirou era para acontecer em corrida moderada. Precisei de quase 1K para confiar na perna e esticar um pouco as passadas. Ao final, fiz alguns agachamentos antes do terceiro tiro. Respirei fundo e me lancei. Agradeci à Deus no final, pois terminei ileso e a dor se fora. Voltei andando os 2,5K para relaxar a musculatura e alongar, pois ainda havia o domingo.

Domingo, fazia tempo que eu não treinava dois dias consecutivos, mas tinha que fechar a semana bem. Troquei o longão por um intervalado leve, pois a perna ainda me incomodava. Foi um treino lento para tentar identificar o problema na perna, ou fazê-lo desaparecer como aconteceu anteriormente com outras pequenas dores. Quem agradeceu foi minha amiga Marta, que teve companhia nos 10K em sua preparação para a Vênus. O final do longão acabou sendo em casa com 20’ de gelo sobre o músculo anterior da coxa direita. E não é que deu certo? A dor sumiu!

Vamos ver como as coisas ficaram no treino da quarta-feira.

Gelo no site da O2. Achei uma antiga reportagem que resume muito bem a importância do gelo no tratamento de lesões. Eu mesmo usava muito o gelo na recuperação das inúmeras torções que tive jogando vôlei e basquete. Afinal, foram 5 torções do tornozelo esquerdo e 4 do direito. De brinde ganhei uma frouxidão ligamentar, que graças a natação não se tornou algo grave, mas sempre tive propensão a torcer o pé por causa dos ligamentos castigados.

A corrida acabou resolvendo este antigo problema. Percebi enquanto escrevia esta linha que mesmo pisando em falso nas pedras portuguesas do centro do Rio faz tempo que não viro os tornozelos. Como eu já disse algumas outras vezes, correr é muito bom e fazer bem demais a saúde.

BlogCorreria. Achei muito feliz o post Falta tempo? no blog do Sérgio. Tocar uma atividade paralela ao trabalho é importante para oxigenar a mente. Às vezes ficamos bitolados com o trabalho que deixamos a vida passar, deixando de apreciar os breves momentos que temos nesta vida. Fora isso, a dedicação excessiva pode afetar a produtividade, sem mencionar a qualidade do que produzimos. Quem separa tempo para organizar o trabalho, acaba encontrando formas mais eficientes de realizá-lo. Particularmente, eu acho que me tornei mais organizado desde que comecei a treinar. Uso melhor meu tempo e valorizo minhas horas fora do trabalho. De qualquer forma, nunca teremos tempo suficiente para fazermos tudo, mas podemos organizar nossa agenda para que não deixemos aos o fundamental (família, saúde e Deus [para quem acredita]) de nossa agenda diária.

Links do post:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…