Pular para o conteúdo principal

Nota sobre o atendado na Maratona de Boston

Eu passei os últimos dias tentando encontrar motivos para aquela violência e me lembrei infelizmente de muitas outras que existem nos dias atuais e na história da humanidade. Se eu lembrar do conceito de humanidade,  eu deveria dizer na história dos homens, pois não houve clemência no ato realizado no último domingo. E em momentos como este é que nossas crenças são postas a prova e a nossa forma de agir é testada.
Viajei inclusive por teorias comportamentais lembrando que influenciamos, ou somos influenciados. É a interação com outros e com o meio interferindo na sua capacidade de julgar e reagir. 
Duas alternativas me vieram a cabeça. Começarei pela pior hipótese: pirar e abandonar a corrida. Tomado pelo medo, começo a viver em busca da segurança, da proteção. O sentimento de prontidão e iminente conflito permea minhas ações. Me torno um ser reativo e também disposto a guerra. Vivo da guarda e da vigília com receio das ameaças. A outra opção é encontrar forças para seguir em frente. Com bom senso continuar fomentando um estilo de vida saudável e saber que este trabalho de formação de opinião é árduo e gera poucos, mas bons frutos. O resultado para o coletivo é de longo prazo e talvez eu nem assista a transformação social. Talvez meu filho.
Mas é preciso ficar claro que ser um pacifista não significa ser um despreparado, um inocente, um cordeiro pronto para o abate. É saber viver o sistema, com suas limitações e sendo prudente, ou ousado, conforme a oportunidade. Assim eu sigo, com o blog, com a corrida e com a vida. Deixo aqui meus sentimentos àqueles que injustamente foram utilizados como mensagem sobre algo e para alguém. 
Até o próximo post.
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…