Pular para o conteúdo principal

RESENHAS: Revista The Finisher #12

Uma das coisas que mais me impressiona na THE FINISHER é a mentalidade. Não se discute se correr é possível, mas o quanto se pode correr. Seja em busca de um tempo, ou de uma distância maior. O EDITORIAL e a matéria O SENHOR DO TEMPO são amostras do poder de transformação deste maravilhoso esporte, seja você iniciante ou não. Tudo passa pelo querer e estes é o sentimento que a revista passa. Muito bom!

CARBOIDRATO SINTÉTICO OU NATURAL?
A grande lição da matéria é saber o quanto lhe faz bem a ingestão de carboidratos, pois em excesso este combustível vira gordura no nosso corpo. Mas o texto de José Vicente Bernardo trás algumas informações interessantes para nos auxiliar na busca deste número mágico:
1. Um homem de 70 Kg que pratica a corrida precisa de 3.500 calorias por dia, o que equivale a meio quilo de alimentos ricos em carboidratos entre os demais.
2. Para cada hora de atividade, até 60 g de carboidratos são bem tolerados pelo corpo.
3. Ingerir 100 g de carboidratos até 30 minutos após encerrar o treino ajuda na recuperação do corpo.
4. Em excesso leva ao: ganho de peso, hiperglicemia, aumento da pressão e desconforto intestinal.
5. A ausência leva a: sonolência, letargia, irritação, fadiga e perda muscular e a dificuldade de concentração
Nestes três anos eu testei a ingestão em forma de gel e gostei do Carb Up da Probiótica. Por conta da necessidade e curiosidade, eu já usei a adorável Paçoquita e também funcionou bem. A cada 40 minutos eu consumo um sache e tenho me dado bem em treinos e provas. Já tentei não usar e percebi que não era coisa da minha cabeça.
Antes dos treinos matutinos uso sucrilhos ao leite, ou duas bananas. Fecho o desjejum com duas colheres de sopa de mel. Depois dos treinos bebo 500 ml de maltodextrina (os sabores tangerina e limão são muito bons) em companhia de um belo sanduba de queijo e presunto, ou de pasta de atum.
Mas vale ressaltar que minha dieta é para não perder mais peso, pois já alcancei o outro extremo da balança por conta do volume e intensidade dos treinos, que detonam de 800 a 1500 calorias por dia.
Encontrar este ponto de equilíbrio do quanto comer é um exercício de auto-conhecimento. Nutricionistas serão ótimos guias nesta jornada, principalmente por induzirem a ingestão de bons alimentos.

YOGA E PILATES MELHORAM AS PASSADAS
Esta afirmação é amparada pelo feedback de alguns amigos, que já sentiram os efeitos na pela. Força, equilíbrio e alongamento permeiam as aulas. A tríade é a essência da boa corrida, com economia de energia e velocidade.
Gostaria de incluir os exercícios sugeridos pela revista no meu pós-treino, junto com o alongamento, mas tempo tem sido um recurso escasso na minha vida ultimamente. Que eu consiga adotá-los quando retomar os exercícios funcionais nos dias sem treino.

LAPIDAÇÃO NA AREIA
"A areia fofa não faz milagre. O corredor fica mais resistente, porém fica mais lento".
"Quando um corredor sai do asfalto e entra na areia, deve estar pronto para rodar ate 2'/Km mais lento".
"O exercício na areia envolve um grande recrutamento de fibras musculares. Deve-se tomar cuidado com a intensidade para preservar articulações e ligamentos. Se o atleta tem problemas de joelhos ou tornozelos, deve evitá-lo, para não sobrecarregar tendões".
Eu transcrevi as frases acima apenas para complementar o post Muad'Dib, que escrevi outro dia. Treinar na areia não nos faz corredor, mas ajuda muito (e como). O esforço força a correção postural, e também é fundamental para economia de energia e velocidade. O cuidado realmente fica para quem tem tornozelos e joelhos afetados. Reforço que iniciantes não deveriam praticar treinos na areia devido ao risco de lesão. O corpo não está pronto para este nível de esforço. Um trabalho com um treinador seria mais prudente, ainda mais que osa circuitinhos tem se multiplicado na orla de nossas praias no Rio e em Niterói.
Fecho a nota com uma observação importante. Andar descalço na areia pode ser bom para tratar (talvez seja melhor dizer prevenir) a fascite plantar. Mas procure por orientação, principalmente quando se fala de contusão.


VENÇA AS SURPRESAS e O SEGREDO DOS BRAÇOS
As matérias são lembretes para o que é preciso para enfrentar provas como a K21 Arraial do Cabo. Retomar os exercícios funcionais para fortalecer abdome e braços não é um capricho, pois as subidas ficam menores quando os braços ajudam as pernas. Os treinos na Vila Progresso (diz-se barro na veia), Parque da Cidade (ladeiras) e nas praias são essenciais para ganhar força e equilíbrio. O louco disso tudo é que não é uma corrida contra o relógio, mas para se fazer bem. Se divertir. Talvez por isso o termo corrida de aventura tenha mais sentido do que o termo cross country. Competir neste ambiente é algo para alguns poucos super-humanos  O mais importante para nós, que vamos nos divertir, é saber dosar o ritmo para terminar a corrida bem. Concordo plenamente com a opinião do Eugênio Bachin, da assessoria Filhos do Vento. Se tiver que apertar o ritmo, que seja de forma gradativa.

A MAGIA DA ILHA
Acabei de conhecer mais uma corrida de aventura: A MD LAGOA DA CONCEIÇÃO. É uma prova do Circuito Montain com 73 Km de extensão que podem ser percorridos em duplas, quartetos ou octetos, sendo estes nas categorias masculina, feminina e mista.
Voltar a Ilha (que chamo de paraíso) é um desejo antigo e podendo correr então, reúne o sonho ao agradável. 


É isso. Espero que tenha sido proveitoso para vocês. Às meninas, desejo uma ótima WRUN amanhã. Irei para registrar o evento e torcer para minha esposa, amigas e com sorte conhecer a vencedora da promoção que rolou aqui no blog.
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…