Pular para o conteúdo principal

RESENHAS: Revista The Finisher #12

Uma das coisas que mais me impressiona na THE FINISHER é a mentalidade. Não se discute se correr é possível, mas o quanto se pode correr. Seja em busca de um tempo, ou de uma distância maior. O EDITORIAL e a matéria O SENHOR DO TEMPO são amostras do poder de transformação deste maravilhoso esporte, seja você iniciante ou não. Tudo passa pelo querer e estes é o sentimento que a revista passa. Muito bom!

CARBOIDRATO SINTÉTICO OU NATURAL?
A grande lição da matéria é saber o quanto lhe faz bem a ingestão de carboidratos, pois em excesso este combustível vira gordura no nosso corpo. Mas o texto de José Vicente Bernardo trás algumas informações interessantes para nos auxiliar na busca deste número mágico:
1. Um homem de 70 Kg que pratica a corrida precisa de 3.500 calorias por dia, o que equivale a meio quilo de alimentos ricos em carboidratos entre os demais.
2. Para cada hora de atividade, até 60 g de carboidratos são bem tolerados pelo corpo.
3. Ingerir 100 g de carboidratos até 30 minutos após encerrar o treino ajuda na recuperação do corpo.
4. Em excesso leva ao: ganho de peso, hiperglicemia, aumento da pressão e desconforto intestinal.
5. A ausência leva a: sonolência, letargia, irritação, fadiga e perda muscular e a dificuldade de concentração
Nestes três anos eu testei a ingestão em forma de gel e gostei do Carb Up da Probiótica. Por conta da necessidade e curiosidade, eu já usei a adorável Paçoquita e também funcionou bem. A cada 40 minutos eu consumo um sache e tenho me dado bem em treinos e provas. Já tentei não usar e percebi que não era coisa da minha cabeça.
Antes dos treinos matutinos uso sucrilhos ao leite, ou duas bananas. Fecho o desjejum com duas colheres de sopa de mel. Depois dos treinos bebo 500 ml de maltodextrina (os sabores tangerina e limão são muito bons) em companhia de um belo sanduba de queijo e presunto, ou de pasta de atum.
Mas vale ressaltar que minha dieta é para não perder mais peso, pois já alcancei o outro extremo da balança por conta do volume e intensidade dos treinos, que detonam de 800 a 1500 calorias por dia.
Encontrar este ponto de equilíbrio do quanto comer é um exercício de auto-conhecimento. Nutricionistas serão ótimos guias nesta jornada, principalmente por induzirem a ingestão de bons alimentos.

YOGA E PILATES MELHORAM AS PASSADAS
Esta afirmação é amparada pelo feedback de alguns amigos, que já sentiram os efeitos na pela. Força, equilíbrio e alongamento permeiam as aulas. A tríade é a essência da boa corrida, com economia de energia e velocidade.
Gostaria de incluir os exercícios sugeridos pela revista no meu pós-treino, junto com o alongamento, mas tempo tem sido um recurso escasso na minha vida ultimamente. Que eu consiga adotá-los quando retomar os exercícios funcionais nos dias sem treino.

LAPIDAÇÃO NA AREIA
"A areia fofa não faz milagre. O corredor fica mais resistente, porém fica mais lento".
"Quando um corredor sai do asfalto e entra na areia, deve estar pronto para rodar ate 2'/Km mais lento".
"O exercício na areia envolve um grande recrutamento de fibras musculares. Deve-se tomar cuidado com a intensidade para preservar articulações e ligamentos. Se o atleta tem problemas de joelhos ou tornozelos, deve evitá-lo, para não sobrecarregar tendões".
Eu transcrevi as frases acima apenas para complementar o post Muad'Dib, que escrevi outro dia. Treinar na areia não nos faz corredor, mas ajuda muito (e como). O esforço força a correção postural, e também é fundamental para economia de energia e velocidade. O cuidado realmente fica para quem tem tornozelos e joelhos afetados. Reforço que iniciantes não deveriam praticar treinos na areia devido ao risco de lesão. O corpo não está pronto para este nível de esforço. Um trabalho com um treinador seria mais prudente, ainda mais que osa circuitinhos tem se multiplicado na orla de nossas praias no Rio e em Niterói.
Fecho a nota com uma observação importante. Andar descalço na areia pode ser bom para tratar (talvez seja melhor dizer prevenir) a fascite plantar. Mas procure por orientação, principalmente quando se fala de contusão.


VENÇA AS SURPRESAS e O SEGREDO DOS BRAÇOS
As matérias são lembretes para o que é preciso para enfrentar provas como a K21 Arraial do Cabo. Retomar os exercícios funcionais para fortalecer abdome e braços não é um capricho, pois as subidas ficam menores quando os braços ajudam as pernas. Os treinos na Vila Progresso (diz-se barro na veia), Parque da Cidade (ladeiras) e nas praias são essenciais para ganhar força e equilíbrio. O louco disso tudo é que não é uma corrida contra o relógio, mas para se fazer bem. Se divertir. Talvez por isso o termo corrida de aventura tenha mais sentido do que o termo cross country. Competir neste ambiente é algo para alguns poucos super-humanos  O mais importante para nós, que vamos nos divertir, é saber dosar o ritmo para terminar a corrida bem. Concordo plenamente com a opinião do Eugênio Bachin, da assessoria Filhos do Vento. Se tiver que apertar o ritmo, que seja de forma gradativa.

A MAGIA DA ILHA
Acabei de conhecer mais uma corrida de aventura: A MD LAGOA DA CONCEIÇÃO. É uma prova do Circuito Montain com 73 Km de extensão que podem ser percorridos em duplas, quartetos ou octetos, sendo estes nas categorias masculina, feminina e mista.
Voltar a Ilha (que chamo de paraíso) é um desejo antigo e podendo correr então, reúne o sonho ao agradável. 


É isso. Espero que tenha sido proveitoso para vocês. Às meninas, desejo uma ótima WRUN amanhã. Irei para registrar o evento e torcer para minha esposa, amigas e com sorte conhecer a vencedora da promoção que rolou aqui no blog.
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…