Pular para o conteúdo principal

Golden Four Asics: 10, nota 10!



Finalmente a hora chegou. A mais bem organizada foi a protagonista do mundo da corrida de rua no Rio de Janeiro no último final de semana. A EXPO no sábado foi mais uma vez excelente e mesmo eu tendo chegado às três da tarde o atendimento foi impecável e a massagem foi a cereja do bolo para ficar bem para o dia seguinte.


Aproveitei também o simbólico desconto para comprar um novo par de tênis: o Asics Geo Neo 33 2 e doar o Cumulus para o projeto que o Banco Santander toca no Complexo do Alemão. Com meu kit e o do Glaucio na mão, foi enfrentar a pequena viagem de volta da Barra da Tijuca para Niterói.

Apesar de me repetir que esta não era minha prova-alvo, foi difícil conter a ansiedade. Acabei indo dormir perto de onze e meia, tarde para quem tinha que levantar às quatro da matina. Mas dormi um sono sem interrupção e levantei num pulo ao ouvir o alarme.
Pouco depois já estava no ponto de encontro para pegar o ônibus com o demais integrantes da CE+3, assessoria que vem me amparando nos treinos para maratona. O clima era de brincadeira e a viagem foi tranquila. Tão tranquila que dormi da Linha Amarela até o Pontal. Tudo o que podia fazer, foi feito. Agora era correr.
Depois de votos de sorte, o Glaucio seguiu em direção a ala laranja, àqueles que brigariam por uma corrida em torno de 1 h 50 min. Eu eu segui para a ala roxa, já que lutaria por uma corrida em até 2 h.
Iria ser uma corrida solo, mas desta vez providencial. Eu tinha que avaliar meu ritmo, afinal a maratona será solitária. Eu estava dois metros a frente do pacer de 5'40" e desta vez eu iria impor um ritmo um pouco mais equilibrado para chegar bem no Elevado do Joá. A idéia era manter o ritmo em 5'30" e assim eu chegaria com dois a três minutos de gordura no destruidor de pernas.

A LARGADA
Saímos em direção a São Conrado em meio a alguns pingos de chuva, mas foi só. Gritos de comemoração surgiram e silenciaram com a promessa de chuva e frescor. O jeito foi se conformar com o céu nublado e controlar o esforço em meio a um domingo com a temperatura em torno dos 25 graus.
Consegui evitar o efeito manada do início da prova,  pois eu sabia que precisava guardar energia. A frequencia cardíaca estava baixa, dentro do esperado e plano estava dando certo com o ritmo em 5'30". Tudo correu bem até o Km 14, quando a temperatura subiu um pouco e o sol brigava para escapar entre as nuvens. Eu sabia que o tempo extra que eu tinha para enfrentar o elevado estava sendo detonado, mas o cansaço e calor pesavam nas pernas. Fiz o que pude até o Km 16 e dali em diante tentei buscar o prejuízo.
Com o coração na boca, cheguei no viaduto com um pouco mais de um minuto de vantagem. A subida foi cruel como sempre. Lembrei do Sérgio em 2011 tentando me puxar. Dos pacers fugindo em 2012. Das subidas ao Parque da Cidade e percebi que este ano foi menos complicado. A euforia ao chegar ao alto do viaduto foi compartilhada pelo pelotão e presenteada com a deslumbrante vista do mar aberto. Ignorei o posto do Gatorade, pois eu queria água. Água para me refrescar. Bebi apenas um gole, pois o problema era o calor.
Ao conferir o relógio no Km 19 percebi que toda a vantagem construída me fora roubada no Joá. Agora tinha que ser na vontade. A descida do viaduto ajudou no embalo e o último quilômetro plano uma bênção. Quando entrei na reta final forcei um sprint e para minha surpresa vi meu treinador com meio corpo em cima da cerca de isolamento aos berros pedindo para acelerar. Aproveitei aquela dose de ânimo para vencer o cansaço e fechar a prova em precisas 02:00:22. No limite! Britânico! Exato! PERFEITO!
Encontrei o Lindenberg logo depois de pegar a medalha, já com cara de descansado e banho tomado. Ele disse que era exagero da minha parte, pois ele passara mal durante a prova e fechou com 01:48:00. Logo em seguida o Carlos e alguns amigos do próprio Lindenberg que fizeram o mesmo comentários - risos. Algumas fotos depois e reflexões sobre o que o calendário tem a nos eferecer nos próximos meses, me despedi de ambos e segui em direção a tenda da CE+3 olhando para o grande medalhão de aço. Lindo e pesado. Não tinha a beleza da A dourado dos dois primeiros anos, mas a robustez irá sempre me lembrar da força (física e mental) que precisamos para enfrentar o Elevado do Joá.
Carlos Eugênio (o Mestre) à direta.
O clima na barraca era descontraído. Comida e bebida fartas, muitas histórias e sorrisos. Uma das meninas do time chegou em terceiro lugar no geral e alguns outros chegaram entre os top 100. O Gláucio também satisfeito com a 01:58:00 que fizera. Conheceu com o Neném (o treinador) e falaram sobre os benefícios do ciclismo para o corredor. Só tenho motivos para comemorar, pois há um ano eu completava a Corrida da Ponte com o ritmo de 6'15". Completar a Golden Four Asics fazendo 5'40" foi uma grande conquista. Foi um símbolo de um 2012 de grandes mudanças em nível de treinamento, condicionamento e fé para chegar até aqui. Seu eu colocasse o André (pós-lesão) de 2012 para disputar esta mesma prova, eu descobri que chegaria DOIS QUILÔMETROS A FRENTE DELE. Coloquei a imagem do Google Maps logo abaixo para descrever o que este ano representou para mim (clique na imagem para ampliar). Quem conhecer a região sabe que é um bom pedaço de chão. Definitivamente uma verdadeira celebração a vida!

Comentários

  1. André,

    Parabéns por ter completado a prova dentro do planejado. E por ter superado o Elevado do Joá. :)

    O Victor Caetano (Corrida Urbana) e o Jorge Cerqueira (JMaratona) já tinham feito bons comentários e elogios à feira de exposição. Espero que na Golden 4 SP (que correrei) também tenha o mesmo nível de organização e atrativos.

    Abraços e parabéns.
    Brunno - http://movidoaendorfina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brunno,
      Duvido muito que sua impressão não seja a mesma. Procure pelos relatos da corrida de 2012 e 2011. Acho que você não encontrará surpresas.
      Obrigado pela visita.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. Olá André.
    Essa prova está me conquistando pelos relatos que tenho lido (como o seu).
    Muito bom ver que todo mundo consegue finalizar a corrida feliz, satisfeito e realizado.
    Meus parabéns!

    Corridas do Luizz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Luiz.
      A G4 é tão fantástica que dá vontade de conhecer as outras etapas.
      Espero que ela seja tão voa para você quanto tem sido para mim.
      Abraços

      Excluir
  3. Ai, eu estava ansiosa pelo seu relato! :)
    Que sensação incrível deve ser ver o resultado da disciplina nos treinos aparecer nas provas!
    Parabéns, André!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Renata.
      Mas é preciso saber comparar. Estou muito bem para esta época do ano, mas a 5 minutos do meu recorde pessoal.
      Neste ritmo, chegarei ao ápice em julho e com chances de baixar os 01:54:58. Mas para abril, as 02:00:22 foram um feito sem precedentes.
      E você, já melhorou da gripe? Voltou a treinar?
      Beijos

      Excluir
  4. André,

    Parabéns pela prova!! Seu ritmo foi excelente, que isso heim.
    Só escuto elogios da Golden4Asics. Vai entrar pra minha listinha de sonhos...

    abraço e bons km's!!

    Helena
    http://correndodebemcomavida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe nada melhor do que poder colocar em prática tudo que treinamos. Então não existe nada melhor do que uma corrida que nos permita fazê-lo.
      Se a corrida continuasse em julho, quando meus treinos chegam ao ápice, ia ter gente dizendo que o registro da prova beiraria a mentira. Mas esta é a Golden Four Asics. A melhor!
      Obrigado pela visita, Helena.

      Excluir
  5. Olá André,

    Achei seu blog pesquisando relatos sobre a Golden Four. Muito legal a sua participação, parabéns!

    Eu sou de Brasília e também participei da prova. Tenho 1 ano de corridas e essa foi uma das melhores que já participei. Foi minha estreia nos 21km e não poderia ter sido melhor. Em novembro, com certeza, estarei na etapa aqui de Brasília.

    Abraços e bons treinos para a maratona.

    Danilo Confessor
    Blog Confissões de um Confessor

    Ps.: Tomei a liberdade de linkar seu post no relato que fiz da prova.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Danilo.
      A G4 sempre me foi generosa e fico feliz por saber que ela também lhe serviu bem.
      Você é um privilegiado por ter a chance de participar de outra etapa. Tenho certeza que será tão boa quanto a do Rio.
      Obrigado pela visita. Farei o mesmo no seu blog.
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…