Pular para o conteúdo principal

Muad'Dib

Nas últimas semanas os treinos de intensidade marcaram a reta final de preparação para Asics Golden Four. Foram treinos na areia da Praia de Icaraí com o meu velho Kayano 16, já surrado para o asfalto, mas perfeito para a areia. Desde a preparação para Búzios eu não havia mais treinado neste piso e confesso que uma ponta de preocupação me veio ao ler a planilha na segunda a noite, véspera do treino. Mas se o mestre mandou é porque ele sabe que tenho condições de realizar a tarefa.
O tsssss tsssss ritmado dos pés na areia praticamente me empuraram para um transe, em meio ao silêncio da alvorada. A mente vagava cada vez mais longe na mesma proporção em que o receio de correr na areia desaparecia. É um tipo de treino em que ao mesmo tempo reconforta por não estressar como a corrida no asfalto, exige o uso de músculos normalmente apenas acionados quando o esforço é de uma intensidade muito alta. O pisar na areia não tem nada a ver com a pisada no asfalto. O peito do pé entra na areia e funciona como alavanca. Se você se apoiar sobre os calcanhares vai atolar e sucumbirá a força areia fofa. Os joelhos tem que ser elevados, mas para não cair exausto é preciso diminuir o tamanho da passada para suportar o esforço. 
Tsssss tsssss tsssss e a mente continuava se fechando. Os ruídos pareciam cada vez mais distantes. O carro, o ônibus e o mar pareciam pertencer a outra realidade. A fricção do tênis na areia e a respiração me isolavam do resto do mundo. Os pensamentos também seguiram o mesmo padrão,  afastando o trabalho, as coisas da casa, até que me veio a palavra Muad’Dib.
Muad’Dib é uma criatura que vive no deserto na saga de cinco livros de ficção científica intitulada Duna, de Frank Herbert. Muad’Dib foi o apelido dado ao protagonista da história por sua rápida adaptação a vida no deserto e a corrida na areia, que o povo Fremen fazia com singular maestria, de forma ritmada e sem deixar rastros.
Tsssss tsssss tsssss e eu procurando palavras para tentar descrever o treino na areia. Inspirava, expirava e lembranças da saga flutuavam em minha mente, até que o Runkeeper anunciou o final dos sessenta minutos. Subi para o calçadão pensando na Golden Four Asics.
Um sorriso depois iniciei o trote de volta para casa. 
Faltam três dias.

BOA CAUSA
Vai para a Golden Four ASICS Rio Expo e CONFERENCE? Então leve seu tênis de corrida aposentado de "qualquer marca" para doar no stand do Santander. Vale 15% de desconto na compra do exclusivíssimo GEL-Neo 33 edição especial para os melhores 21k do país na loja ASICS do evento. É neste sábado das 8h às 18h no Hotel Windsor Barra (Avenida Lucio Costa, 2630 - Barra da Tijuca).
Um dos atrativos e diferenciais da Expo fica por conta dos expositores apresentando as melhores novidades do mundo running com as revistas Contra Relógio e Runners, os monitores cardíacos e GPS das marcas Polar e Garmin, suplementação da Gu Energy Gel e Honey Stinger, Gatorade e Red Bull, este último chega este ano como uma das novidades, os produtos da linha Pacific Health, como Endurox R4 e Acellerade, a mega loja ASICS com todas as novidades da linha running e triathlon, massagens, personalização de camisetas. Outras informações no site do evento.

PROMOÇÃO PARA AS MENINAS
Criei uma nova aba no blog (veja lá no alto) para divulgar os sorteios de inscrições para os eventos promovidos pela Iguana Sports. Mais uma vez agradeço a generosidade da organizadora pela inscrição cedida ao blog André e o Tênis e outro especial para Letícia Miyasaka, que toca este projeto junto a nós blogueiros.
O sorteio em andamento é exclusivo para as meninas, pois a corrida em questão é WRUN RJ, que ocorrerá no final de abril. Boa sorte para vocês que desejarem participar.
Boas passadas!

Comentários

  1. 60 minutos na areia fofa não é mesmo para qualquer um André! :)

    E a ansiedade para domingo,como está? ;)

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Louco para correr, Renata!
      Esta prova tem um significado especial para mim, pois foi a minha primeira meia e já foi abaixo de 2 horas. A EXPO amanhã também promete. Uma massagem, já que amanhã tenho o último treino (leve por sinal) antes da prova. E vou fazendo figa para encontrar bons preços no que confere aos tênis (para fazer valer o desconto de 15%) e acessórios.
      Quanto aos 60 minutos, tudo é consequência. Foi sem pressa. Treinei, treinei, treinei e quando vi já estava fazendo coisas que há três anos considerava impensável!
      A corrida é assim, justa com quem é honesto nos treinos, minha amiga.
      Espero que esteja melhor da gripe.
      Bom retorno aos treinos e boa sorte no sorteio :-)

      Excluir
  2. Correr na aeria, sozinho, na transição do amanhecer deve ser lindo. Uma sensação sem igual.
    Parabéns André!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Luiz.
      É algo que me confere muita serenidade para o resto do dia. É um tempo valioso para colocar os pensamentos em ordem. Engraçado que "nem cansa"! kkk
      Abraços

      Excluir
  3. Fala, André.

    Muito bacana o relato de seu treino na areia. Não apenas a percepção das diferenças de pisadas (areia vs. asfalto), mas principalmente as associações mentais (a série Duna), o estado de transe te "isolando" do mundo (algo que poderíamos muito bem chamar de "meditação ativa"). Show de relato!

    Sobre a Expo da ASICS, repito o que já comentei no site do Victor Caetano (Corrida Urbana): achei essa programação animal, e estou torcendo para que seja mantido o nível na Golden Four de SP (que participarei).

    Abraços e boa prova. Tá chegando!
    Brunno – http://movidoaendorfina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande, Brunno.

      Como a Golden Four está no terceiro ano, não espero nada além do que já vi nos anos anteriores. Resumindo: o melhor evento do ano! A EXPO é um show e a corrida outro melhor e com nossa participação. Gosto tanto que estou avaliando se não vou participar de outras etapas. Mas tempo de sobra é algo que ultimamente não tenho. Mas vamos que vamos.

      Obrigado pelos elogios. Foi um post que gostei muito de escrever, pois lembrei de algo extra corrida que gosto também.

      Estou na pilha, apesar de não ir 100% para a prova, só quero me divertir.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…