Pular para o conteúdo principal

Ela usa LSD

O alarme tocou e me preparei para mais uma alvorada. Era dia de intervalado. Rapidamente cheguei a praia e durante o aquecimento encontrei vários conhecidos dos treinos matutinos. Aproveitamos a coincidência de todos estarem ainda no aquecimento para trocar algumas palavras. Falei sobre os treinos com as planilhas genéricas e a assessoria esportiva que faço parte. Foi quando ELA disse que os meus treinos deveriam ser muito puxados e que preferia os tradicionais treinos longos.
Lendo a Runners #56 há alguns dias, este assunto havia passado despercebido, mas lembrei imediatamente do texto antes mesmo da conversa terminar.

E O LSD?
Entre os anos de 1960 e 1970 o treino do tipo long slow distance (LSD) foi considerado o mais eficiente dos treinos para se desenvolver a resistência do corredor. Transcrevendo as palavras do Renato Dutra, diretor técnico da Run & Fun, "As pessoas saíam por aí achando que, quanto mais corressem, melhor. Com o passar dos anos, o alto volume de treinos pode gerar lesões, seja na cartilagem, seja no osso ou até mesmo no músculo cardíaco". A matéria completa está na página 24, como parte da coluna treino. Vale a leitura.

Na minha mais humilde opinião, além de ser extremamente chato você praticar uma corrida sem oscilações de ritmo (ainda mais quando falamos de meses, ou anos), precisamos lembrar que resistência não é tudo. Precisamos desenvolver também força e trabalhar diferentes grupos musculares para evitar o desgaste e trazer equilíbrio para nosso corpo. Mas isso não significa que devemos abandonar os longões. Pelo contrário, na maioria das planilhas ele possui um dia reservado no final de semana, dentre os três ou quatro treinos normalmente sugeridos para atletas amadores.

Boas passadas!

Comentários

  1. Oi, André.
    Acho que depende muito do objetivo de cada um e ainda do momento. Correr no estilo run4fun, sem pensar em ritmos, também é bom. Assim como 'correr pra morte' dá uma satisfação sem igual. Acho que depende muito da fase em que nos encontramos.
    Valeu por compartilhar o texto.
    abraço e bons km's.
    Helena
    Blog Correndo de bem com a vida
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helena.
      Obrigado por compartilhar sua perspectiva, mas acho que o LSD está além do run4fun, minha amiga. Imagine você realizar um longão toda vez que for para a rua? Minha pretensão era alertar quanto a este tipo de prática, até porque tenho amigos que por menos se lesionaram.
      Run4fun é tudo! O pós maratona foram de corridas leves de 1 hora de duração. O ritmo era tão tranquilo que me permitiu viajar na maionese. Treinos leves são uma ótima pedida, mas sem orientação, até o mais simples treino pode trazer risco de lesão.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. Oi André, sempre muito bom lê suas postagens!
    Concordo com vc! Equilíbrio sempre!
    Boas passadas para todos nós!!

    Vanessa Torres:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, conterrânea!

      Bom te ver novamente por aqui.

      Conto as horas para poder dar um pulinho aí em Recife. Em meio aos feriados que teremos neste segundo semestre, tem alguma prova de 10 km para me sugerir?

      Excluir
  3. Pode achar estranho, André, mas eu gosto mesmo é do treino num ritmo moderado constante! Entendo que muitos devem morrer de tédio, mas é desse tipo de treino que eu gosto! rs
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata.

      Parece que toquei em um vespeiro feminino. Juro que o texto foi um alerta para quem pratica APENAS os longões, pois eu também gosto deles. É uma estratégia muito boa para desenvolver nosso condicionamento. kkk

      Mas imagina sair todos os dias para rodar de 15 km para cima e sempre em ritmo constante? Adorei... deu pano pra manga.

      Beijos

      Excluir
  4. Eu deixei de fazer corpo mole nos longos depois de ler a reportagem de uma corredora experiente. Ela escreveu algo do tipo: Se vc nunca se esforçar nos longos, como você saberá a reação do seu corpo depois de x kms percorridos? Você tem que conhecer seu corpo quanto ele estiver exausto e quebrado. Óbvio que é impossível seguir isso a risca, até mesmo pq vejo muitos amigos lesionados quando o assunto é velocidade.

    O ritmo dos meus longos é sempre mais lento do que os treinos que faço durante a semana, mas me esforço para sempre vencer o ritmo do longo anterior. É uma boa medida para não perder a mão e evitar a lesão, no meu caso tem funcionado bem.

    Bjs e até domingo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, Drica!

      Usar o longão periodicamente até para encontrar um possível ritmo para provas mais longas. Concordo.

      Quando eu decidi colocar minha primeira meia maratona como prova alvo, eu batalhava muito para baixar meus tempos nos longões. Mas confesso que hoje, por conta da carga, eu mantenho o ritmo deles em torno de 6/km a 6'30"/km. Foi o ritmo da maratona e assim vou tocando até conseguir um novo salto qualitativo de ordem técnica e física.

      Estou louco pelo domingo... meu "último" longão do semestre em virtude da devoção as provas de 10 quilômetros.

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…