Pular para o conteúdo principal

Um domingo de fortes emoções

Sair cedo para treinar na manhã de domingo tem sido mais prazeroso que o sábado. Domingo de manhã está todo mundo dormindo, ou no mínimo na cama procurando uma justificativa para não se levantar. Ainda mais com este friozinho. Mas os 17 graus foram bons para quem iria fazer um treino de subida. Alternando 1 minuto correndo e outro andando subi em pouco menos de 25 minutos a estrada que leva ao Parque da Cidade. Lamentei não ter levado o smartphone para tirar umas fotos. A luta do sol para vencer as nuvens fez um colorido bonito.

MOSCOU 2013
Mas o post é para falar sobre uma outra emoção. Depois do treino parei uma horinha para assistir o mundial de atletismo, que rolou em Moscou. Não perderei tempo falando do revezamento da Jamaica, ou do Bolt, pois é impressionante como eles produzem talentos. Ter a corrida curta como esporte nacional tinha que gerar bons frutos. Mas o evento que me chamou a atenção foi o revezamento 4 por 100 metros feminino brasileiro. Quando elas alinharam para a largada eu estava prostrado no sofá  mas a cada passada de bastão eu fui me ajeitando no sofá surpreso com o que eu estava vendo. Chegaram em segundo na semi-final, se classificando com propriedade e autoridade para a final da prova. O narrador dizia que aquele tempo feito por elas era o novo recorde brasileiro e sul americano. Além disso, credenciava o quarteto para disputar uma medalha. A briga de terceiro ao quinto lugar seria acirrada. Eu estava impressionado. Da garganta não saia uma palavra, emocionado com o desempenho das meninas.

FOI PRECISO AGUARDAR DUAS HORAS PARA SABER O QUE ELAS CONSEGUIRIAM
O SporTV com suas câmeras exclusivas mostraram o ritual quase todo. A entrada na pista e os movimentos das meninas que antecederam a prova. Frio na barriga. Elas se posicionaram para a largada.
Ouvi o tiro e elas dispararam para enfrentar a grande curva. Nossa menina nos manteve entre as primeiras. Na segunda passagem a Jamaica desgarrou, mas brigávamos com as americanas e britânicas. Foi uma ótima reta oposta da nossa menina. Na terceira passagem veio a a surpresa. A brasileira voou e diminuímos a distância para as jamaicanas. ESTÁVAMOS em segundo, pois as americanas se atrapalharam e vencemos as britânicas na pista. Faltava uma passagem de bastão e 100 metros para a consagração, até que um movimento de braço equivocado deixou escapar o bastão. Foram três eternos rodopios antes dele bater no chão e a câmera perseguir a última Jamaicana, que correria para medalha de ouro.
Quando percebi eu estava em pé com as mãos na cabeça, lamentando a sorte daquelas quatro moças. Não senti raiva, ou desejo de crucificá-las. Elas mereciam destino melhor, pois só quem acompanha sabe das dificuldades de se dedicar a algo diferente do futebol neste país. O replay que resgatei do Youtube é da TV francesa, que no último segundo, exibe o bastão brasileiro rolando melancolicamente fora de foco.
Desejo melhor sorte na próxima competição, pois competência todos sabemos que elas têm.

Não poderia deixar de falar da maratona, apesar de não tê-la visto ainda (será que ela está no youtube?). Os brasileiros Solonei da Silva e Paulo Roberto de Paula chegaram juntos em sexto e sétimo lugares. A frente dele o campeão olímpico Stephen Kiprotich, outros três africanos e o japonês Kentaro Nakamoto, que chegou logo atrás do Marilson dos Santos em sexto, mas a frente do Solonei da Silva. Confira no Youtube na íntegra a prova.

NIGHT RUN
No próximo sábado, dia 24 de agosto, a O2 irá promover uma edição especial da Night Run, um circuito nacional de provas com distâncias de 5 e 10 quilômetros. O local será o Aterro do Flamengo, mas o percurso ainda não foi divulgado. A etapa vem sendo confundida com a Fila Night Run, que normalmente ocorre na orla da Barra da Tijuca, com um trecho de areia e outro no asfalto. Se a O2 Night Run for toda no asfalto, poderei fazer um Tempo Run e avaliar minha atual condição. Faltando cinco semana para a Adidas Primavera será um termômetro para minhas ambições no dia 28 de setembro.

MEIA MARATONA INTERNACIONAL DO RIO
E pensar que a Olimpíada de Londres já tem mais de um ano. Lembro como se fosse hoje a transmissão da maratona. Algo simples e inteligente foi elaborado para a transmissão ganhar dinâmica. Colocaram um marcador na rua para informar a superação das distâncias oficiais de 10, 16 e 21 quilômetros. Na tela da TV a cada quilômetro vencido a parcial era exibida em companhia do pace do líder. E no mesmo formato da fórmula 1 era exibida a diferença do primeiro para os demais colocados. Isso foi tudo o que não vi na transmissão da TV Globo no último domingo, onde exibiu parcos flashes em meio a programação do Esporte Espetacular. A única coisa de espetacular foi SABER que esta lenda viva correu 21 km abaixo 1 hora na chuva. A velocidade média dele foi de 21 km/h. Tenta fazer isso de bicicleta por 1 hora para entender o que ele fez no último domingo.
Fiquei tão frustrado por não ter visto a prova que baixei do You Tube a Maratona do mundial de Moscou. Será minha companheira no trajeto para casa nos próximos dias. Da mesma forma que assistir as partidas de futebol fomenta um pensamento e uma atitude futebolística, assistir as maratonas deverá promover o mesmo efeito pela corrida.

Comentários

  1. Que post excelente! Parabéns! Resenha excelente sobre o fim de semana. Quanto a Night Run, será todo asfalto, percurso de 5K. Corredores dos 5k largam as 20:00 horas e os dos 10K largam as 21:00 dando duas volta no percurso. To nos 10, mas se conseguir alterar vou os para os 5. 5K to die! rs

    Conheci o Mutai no sábado, cara muito humilde que simplesmente corre, corre e corre. É explícita a alegria dele quando está correndo.

    Nos vemos sábado. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Victor.
      Dá gosto escrever e ter retorno de quem lê. Valeu o retorno sobre a Night Run. Você tranquilizou o coração de muitos.
      Confesso que fiquei negativamente impressionado com o sistema de voltas para os 10 km.
      Tento imaginar o retorno que estes breves momentos com a lenda devem ter lhe proporcionado. Maneiro.
      Me amarrei no 5K to die kkk! Meu "die" será uma prova abaixo de 25 minutos, só para temperar o espírito para as semanas que antecedem a Adidas Primavera.
      Até sábado.
      Boas passadas

      Excluir
  2. André, parabéns pelo post, muito bacana.

    Realmente foi uma pena o que aconteceu com nossas meninas do revezamento 4x100m. Estava torcendo muito por elas e a chance de medalha era enorme. Mas, paciência, fica para a próxima!

    Apesar da atuação discretíssima da delegação brasileira, essa cena do Solonei e do de Paula foi bacana. Um exemplo significativo de que, apesar do descaso com o atletismo brasileiro, ainda há guerreiros que se esforçam para representar bem o nosso país.

    Mas o que foi impressionante mesmo foi o desempenho do Mutai na Meia Maratona do Rio. Impressionante correr os 21 kms em menos de uma hora, ainda mais considerando a chuva e o asfalto molhado (que exigem mais cuidados). Um monstro da corrida esse Mutai.

    Abraços e bons treinos.
    Brunno - http://movidoaendorfina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Brunno.

      Eu fiquei sabendo que ambos são soldados e bateram continência na chegada. Ao menos os atletas encontraram um meio de se sustentarem e um mínimo de apoio para treinar.

      Quanto Mutai, ainda faltou dizer que ele fez o que fez com o tênis molhado, logo molhado. Sinistro.

      Ironia é que o recorde brasileiro da meia maratona foi realizado pelo Marilson... na Itália.

      Boas passadas.

      Excluir
  3. Texto perfeito! Resumo dos bons! O revezamento foi triste demais, também acompanhei e sofri com a perda da medalha. No salto com vara também, não levamos ... a Russa estave perfeita.

    Muito bom acompanhar um evento desse porte e ter a chance de ver o desempenho de atletas fantásticos.

    Boa corrida no sábado!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio, Drica.
      Infelizmente vi menos do que gostaria do mundial, mas o You Tube está ajudando a superar minha frustração. Comecei a assistir a Maratona ontem.
      Os brasileiros começaram de forma conservadora, enquanto um etíope meteu o pé na jaca nos primeiros quilômetros... impressionante o ritmo dos caras... 3 min/km.
      Nem em tiro de 100 metros faço isso kkk

      Espero ter a chance de sentar o pé no sábado e correr abaixo de 25 minutos.

      Beijos

      Excluir
  4. André, também acompanhei o Mundial de Atletismo. Fiquei parada em frente a tevê assistindo o revezamento feminino. Foi lamentável, simples assim. Torço que a equipe não perca o apoio e patrocínio que ganham para o esporte, pois sei que infelizmente os atletas são super cobrados de seus patrocinadores.
    Uma cena que você verá na Maratona Masculina e que me encheu de orgulho foi a participação do Solonei durante um posto de hidratação, que o queniano não consegue pegar água e ele dá a sua para o atleta. Achei sensacional. Fora o resultado do Brasil. Top!
    Parabéns pelo post. Me fez reviver todo programa.
    abraços
    Helena
    Blog Correndo de bem com a vida
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos elogios, Helena.
      Vou tentar assistir a prova hoje mais tarde.
      Boas passadas!

      Excluir
  5. Oi André, eu tive a possibilidade de acompanhar o mundial, assisti todas as eliminatórias e todas as finais, acordei de madrugada para ver todo o show. Quanto ao revezamento feminino acho que o problema é muito maior que falta de sorte e capacidade, acredito que seja um problema de gestão, o atleta brasileiro se prepara o ano inteiro para obter o índice para o mundial e vamos deixar claro que esse ano tivemos pouca gente lá, e mesmo assim foi a maior delegação, nunca tivemos tanto investimento no atletismo e mesmo assim os resultados não chegam, alguma coisa não está certa e espero que até os jogos no Brasil em 2016 as falhas sejam corrigidas, mesmo assim, como eu ia dizendo, os atletas se preparam para obter o índice e quando chegam lá deveriam estar prontos para fazer o melhor da carreira e não é isso que acontece o atleta precisa visualizar o mundial e não faz isso. Não podemos generalizar afinal tivemos um resultado incrível no decatlo o Chinin foi incrível e vibrei com cada marca pessoal que ele quebrava estava preparado e focado. A chegada da maratona foi linda, e mostrou que dá pra fazer uma boa participação e não existir uma batalha de egos entre os atletas, lá todos são Brasil.

    Também adoro correr com frio, pena que não conseguiu tirar fotos seria bem legal ver aonde você fez esse treino, isso acaba tornando os treinos mais palpáveis.

    Boa sorte na prova amanhã, espero que obtenha bons resultados. Essas corridas noturnas são pura diversão.

    Quanto a Meia Maratona do Rio, não vi a prova, mas li os posts da galera que fez o treino com o Mutai e achei bem legal o investimento da adidas de trazer um atleta tão conceituado para o Brasil e de ele ser tão solicito. A globo me decepciona constantemente com a programação e a qualidade de seus comentaristas que quando assisto é no mudo.

    Bons Km
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MAGNÍFICO, JU!
      Obrigado por sua participação, pois concordo com tudo. Quando escrevi "sorte" foi para não polemizar, mas é sabido que o atleta brasileiro não consegue manter o foco nos treinos. Afinal, ele corre atrás de patrocinadores até o último dia antes do evento para fechar as contas. Espero que na esteira (marola do navio) do que o volei e o basquete conseguiram nos últimos anos, o atletismo e a ginástica olímpica encontre uma forma de atrair investidores e meios de qualificar nossos atletas. Para onde foram os brasileiros que participavam do mundial de ginástica? O pouco que era exibido sumiu. Éramos realmente apenas os Hypólitos e dos Santos? Onde está a gestão realmente.

      Longe de dizer que a gestão de recursos humanos (aqui atletas) seja algo simples, mas se outros conseguem, no mínimo temos lições aprendidas que podem ser utilizadas como referência para criar nossa modelo tupiniquim.

      Mas esta discussão extrapola nossa competência, ou dever, não é?

      Bom te ver por aqui e obrigado pela energia para amanhã.

      Boas passadas!

      Excluir
    2. Verdade, extrapola em muito a nossa competência, mas sempre que eu critico algo, é na esperança de que as coisas mudem, em nenhum momento desejamos a derrota, mas pense comigo, se após a queda do bastão as atletas se mostrassem unidas e chocadas, arrasadas perceberíamos que o tempo que elas passaram na Europa se preparando tinha sido também para formar uma equipe o time Brasil, mas o que vimos foi uma tentativa de encontrar um culpado e isso além de não ser profissional é pouco produtivo, minhas emoções foram contraditórias também acho que lavar a roupa suja em publico é ruim, mas quando uma atleta afirma que comeu mau e que não treinou, mas quando você a compara com suas colegas de equipe que estão visivelmente mais em forma e preparadas e tiveram as mesmas condições de treinamento, algo não se encaixa.
      Enfim, não estou lá, não sei o que se passa, não saberia como corrigir, mas torço pelo nosso país, vejo potencial e queria vibrar ao ver minha bandeira no lugar mais alto do pódio em competições assim, somos grandes sabe.
      Beijos

      Excluir
    3. Concordo, Ju.

      Colocou muito bem os fatos. Espero realmente que eles se entendam. Assistir provas de revezamento me remetem as competições na época de escola. Fico pilhado e me emociono junto. Continuo na torcida para que tudo dê certo no futuro.

      Beijos

      Excluir
    4. Ju,

      Posso te "obrigar" a participar dos posts? :-)

      Boas passadas!

      Excluir
    5. Claro André, quando o assunto é bacana eu fico tão empolgada, rsss.. Mas acho que você percebeu.
      Bom final de semana.
      JU

      Excluir
    6. Verdade :-)
      Para você também!
      E vamos que vamos!

      Excluir
    7. Hoje assisti ao esporte espetacular, que resolveu falar novamente do revezamento feminino e sobre a situação da CBAT.
      A única coisa que achei positiva na reportagem foi saber que existe uma nova gestão. Oxigenar é fundamental para se manter competitivo. Porém achei infeliz a comparação com as confederações de natação e judô. Apesar do investimento parecer ser praticamente o mesmo me perguntei se o número de atletas beneficiados era o mesmo. Oras, uma coisa é dividir 22 milhões por 10. A outra é por 100. Achei a matéria incompleta e não sei se a polêmica foi saudável neste momento de transição.
      Nenhum gestor produz resultados em tão pouco tempo. É assim em qualquer lugar, inclusive no esporte.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…