Pular para o conteúdo principal

Treino na areia

Definida a meta para o segundo semestre, o novo ciclo de treinamentos fora iniciado. E como todo bom ciclo, a ênfase ao ganho de resistência e força marca a primeira fase de treinos. A velocidade vem quase como uma consequência na segunda metade do ciclo de treinamento, quando estaremos próximos da prova-alvo.
Neste primeiro período eu tenho convivido com treinos intervalados, tiros, ladeiras e a areia. Até aqui, tudo bem. A novidade veio neste último final de semana: tiros na areia! Se o devagar e sempre na areia é um exercício intenso, imagine o que são os tiros na areia. É o que vou tentar compartilhar com você.

Por conta dos longos treinos para maratona, me acostumei a aferir uma frequência cardíaca baixa. Mas uma série de tiros curtos na areia trouxe de volta aquela sensação asfixiante do máximo esforço e uma inesperada serenidade. O mundo a volta fica silencioso e o ruído da respiração e as batidas do coração parecem ensurdecedoras. Trinta segundos a toda e o mesmo tempo para me recuperar. Olho para a rua e vejo um carro passar, mas para onde foi o barulho do motor? Novo tiro, agora de um minuto. Parei próximo de um pequeno parque infantil na altura da Otávio Carneiro. Olhei para as crianças e me prendi a um garoto enchendo um balde com areia até acabar o tiro. O Garmin vibra avisando que agora seriam um minuto e meio. Passo pela rede de futevôlei e tento me distrair com o jogo para não pensar no quão difícil era respirar naquele momento. Quando parei levei as mãos aos joelhos. Um gole da água que eu sempre carrego, enquanto olhava para o mar. Uma vez mais o Garmin vibrava, mas agora o convite era para um tiro de dois minutos. Comecei a correr, apesar de ainda ofegante. Olhava para tudo a minha volta, apesar da preocupação com a postura e o movimento dos braços. Ainda faltava um minuto e eu sentia as pernas fraquejarem por conta do esforço. O pulmão reivindicava o ar, que não parecia suficiente para me manter de pé. Trinta segundos restavam. Olhei para a partida de futebol, para o cachorro, seu dono e um grupinho trotando no calçadão. Quinze segundos e eu só olhava para o final do trecho de areia, onde eu encerraria esta série de tiros. Acelerei mais um pouco até que acabou. A frequência cardíaca chegara a 98% da máxima! Fazia tempo que não passava por um aperto desses. Consegui sorrir, apesar de esbaforido. Olhava para o mundo a minha volta grato pela experiência, mas o Garmin vibrou. Era hora da segunda série!
Boas passadas.

Comentários

  1. Tu é de Nikity né?
    Legal o blog. Gostei da smatérias, vou colocar nos favoritos. Você é de alguma acessoria, ou corre sozinho?

    Abraços
    Marcel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcel.
      Treinei bastante tempo sozinho, mas este ano estou trabalhando com uma assessoria esportiva lá em São Francisco.
      Obrigado pelo elogio e boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…