Pular para o conteúdo principal

600 Km depois...


Sonic: adepto dos longões
Descobri que o site O2 por minuto usou 600 Km depois... para a matéria referente ao Desafio SP-RIO. Coisas da vida. Por falar em vida, e apesar desta vida com muito trabalho, vou driblando a falta de tempo para treinar. A motivação continua alta e a corrida realmente virou um hábito. Conquistei mais do que algumas medalhas. O prêmio para tanta devoção é mais saúde em todos os aspectos. Como já disse, até a cabeça funciona melhor depois de umas boas passadas.
600 Km depois de treinos com sol, calor, chuva, frio, vento, areia cortando a canela, eu fui ficar doente por causa de uma dor de garganta que contraí do meu pequeno de 1 ano e meio. Vai entender. Espero estar bem para treinar no sábado.
600 Km depois os objetivos se tornaram mais modestos para este final de ano de agenda apertada. Quero apenas gastar meu tênis treinando e aguentar o calor que está por vir. Como troquei o treino para sábado, ter simplificado o percurso para São Francisco foi benéfico, pois correr na Estrada Fróes no sábado não é algo muito salutar. A prefeitura só faz o cantinho do corredor, com cones, no domingo.
Complementos

Nos últimos meses testei um isotônico e um gel e gostei dos resultados. O motivo do consumo não foi uma questão de capricho, mas necessidade. O consumo do Malto Dextrin, o isotônico, foi para auxiliar na recuperação de nutrientes, que a água é incapaz de fazer. O problema é a vontade de ir ao banheiro que bate com o consumo durante o treino. Aí veio a idéia de testar um gel. Se o nível de esforço no treino oscilar entre moderado e alto, e ultrapassar 30 minutos eu faço uso do Carb Up Gel, da Probiótica. De rápida absorção, o gel ajudou na reposição de nutrientes e energia. Deu um levante para a segunda metade do treino.
Eu continuo procurando um isotônico um pouco mais complexo que o Malto Dextrin, mas estou tentado a comprar um novo saco, se não resolver isto esta semana.
Olhando de cima...

Até semana passada, todos os percursos que elaborarei para meus treinos, eu fiz uso do Google Maps. Mas esta semana, procurando uma aplicação que avaliasse a oscilação de altura do percuso, encontrei o runningmap.com. Podemos fazer a marcação do trajeto com inúmeros pontos e ele dá o total da distância e parcial se você colocar o curso em cima da linha do trajeto. Fiquei bobo ao perceber que o velho percurso no estacionamento do condomínio possui 600m. Mensurar uma distância aproximada a partir de uma escala na tela do micro foi demais até para este virginiano perfeccionista, mas o importante é que acertei no chutômetro. A novidade também é o Gatorade Maps, aos moldes do Runningmap.
Em minha cruzada virtual rumo a Recife deixei o vilarejo de São Diogo para trás e passei por Mutrapeba, Encruzo, Fundão, Irundi, Boa Vista, Pendanga, Ibiraçu, João Neiva, Ribeião de Cima e Guaraná. São exatos 603 Km percorridos até o último sábado.


Exibir mapa ampliado

André e seu tênis
O Adidas Sequence Supernova foi uma boa aquisição. Ele tem sido bastante confortável nos treinos. Meu erro talvez tenha sido comprar com o tamanho 43, pois o 44 havia ficado com uma sobra maior que a esperado. Mas segundo o vendedor este tênis costuma afrouxar, assim resolvi arriscar comprando um número que normalmente não compraria.
Isso não significa que larguei o Kayano. Estou apenas preservando meu tesouro para a próxima prova, caso o Adidas Sequence não tenha ficado mais folgado.
Adidas Verão: inscrições abertas

A prova será no dia 5 de dezembro. Verão. Sol na cabeça. O teste dos testes. Faltam apenas 5 semanas e o plano de treino não tem como ser muito extenso por inúmeros motivos. Quero apenas acompanhar o pace de 5'30" e tentar encerrar a prova em torno de 55".
A camisa apesar de não ser tão bonita, teve de positivo as cores claras para um dia que promete muito sol e calor.
Links deste post

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…