Pular para o conteúdo principal

600 Km depois...


Sonic: adepto dos longões
Descobri que o site O2 por minuto usou 600 Km depois... para a matéria referente ao Desafio SP-RIO. Coisas da vida. Por falar em vida, e apesar desta vida com muito trabalho, vou driblando a falta de tempo para treinar. A motivação continua alta e a corrida realmente virou um hábito. Conquistei mais do que algumas medalhas. O prêmio para tanta devoção é mais saúde em todos os aspectos. Como já disse, até a cabeça funciona melhor depois de umas boas passadas.
600 Km depois de treinos com sol, calor, chuva, frio, vento, areia cortando a canela, eu fui ficar doente por causa de uma dor de garganta que contraí do meu pequeno de 1 ano e meio. Vai entender. Espero estar bem para treinar no sábado.
600 Km depois os objetivos se tornaram mais modestos para este final de ano de agenda apertada. Quero apenas gastar meu tênis treinando e aguentar o calor que está por vir. Como troquei o treino para sábado, ter simplificado o percurso para São Francisco foi benéfico, pois correr na Estrada Fróes no sábado não é algo muito salutar. A prefeitura só faz o cantinho do corredor, com cones, no domingo.
Complementos

Nos últimos meses testei um isotônico e um gel e gostei dos resultados. O motivo do consumo não foi uma questão de capricho, mas necessidade. O consumo do Malto Dextrin, o isotônico, foi para auxiliar na recuperação de nutrientes, que a água é incapaz de fazer. O problema é a vontade de ir ao banheiro que bate com o consumo durante o treino. Aí veio a idéia de testar um gel. Se o nível de esforço no treino oscilar entre moderado e alto, e ultrapassar 30 minutos eu faço uso do Carb Up Gel, da Probiótica. De rápida absorção, o gel ajudou na reposição de nutrientes e energia. Deu um levante para a segunda metade do treino.
Eu continuo procurando um isotônico um pouco mais complexo que o Malto Dextrin, mas estou tentado a comprar um novo saco, se não resolver isto esta semana.
Olhando de cima...

Até semana passada, todos os percursos que elaborarei para meus treinos, eu fiz uso do Google Maps. Mas esta semana, procurando uma aplicação que avaliasse a oscilação de altura do percuso, encontrei o runningmap.com. Podemos fazer a marcação do trajeto com inúmeros pontos e ele dá o total da distância e parcial se você colocar o curso em cima da linha do trajeto. Fiquei bobo ao perceber que o velho percurso no estacionamento do condomínio possui 600m. Mensurar uma distância aproximada a partir de uma escala na tela do micro foi demais até para este virginiano perfeccionista, mas o importante é que acertei no chutômetro. A novidade também é o Gatorade Maps, aos moldes do Runningmap.
Em minha cruzada virtual rumo a Recife deixei o vilarejo de São Diogo para trás e passei por Mutrapeba, Encruzo, Fundão, Irundi, Boa Vista, Pendanga, Ibiraçu, João Neiva, Ribeião de Cima e Guaraná. São exatos 603 Km percorridos até o último sábado.


Exibir mapa ampliado

André e seu tênis
O Adidas Sequence Supernova foi uma boa aquisição. Ele tem sido bastante confortável nos treinos. Meu erro talvez tenha sido comprar com o tamanho 43, pois o 44 havia ficado com uma sobra maior que a esperado. Mas segundo o vendedor este tênis costuma afrouxar, assim resolvi arriscar comprando um número que normalmente não compraria.
Isso não significa que larguei o Kayano. Estou apenas preservando meu tesouro para a próxima prova, caso o Adidas Sequence não tenha ficado mais folgado.
Adidas Verão: inscrições abertas

A prova será no dia 5 de dezembro. Verão. Sol na cabeça. O teste dos testes. Faltam apenas 5 semanas e o plano de treino não tem como ser muito extenso por inúmeros motivos. Quero apenas acompanhar o pace de 5'30" e tentar encerrar a prova em torno de 55".
A camisa apesar de não ser tão bonita, teve de positivo as cores claras para um dia que promete muito sol e calor.
Links deste post

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…