Pular para o conteúdo principal

Nas revistas de outubro – parte I

A edição de outubro da revista O2 por minuto não decepcionou e manteve o ritmo. Só existe uma palavra capaz de descrever o artigo do Marcos Caetano: magnífico. Coincidência, ou não eu preparava a atualização de um dos meus primeiros posts (vida de corredor) e abordei vários pontos mencionados pelo Marcos em nossa corrida diária por uma vida de mais qualidade.

Giampaolo Geraci, instrutor técnico de calçados da Mizuno disse que um tênis não precisa de 24 ou 48 horas de repouso para a borracha voltar ao formato original e que a troca de tênis é uma questão de higiene na reportagem Conservação a toda prova. Dificilmente esta declaração passará despercebida.

Não me recordo de ter lido uma matéria como a Acerte o passo (e o pace...). Utilizando as premissas informadas pelo Cesar Candido dos Santos podemos ter consciência de nossa condição atual e tentar elaborar um plano para superar nossos limites. Eu já matutava algum tempo sobre a importância dos treinos intervalados no meu desenvolvimento, mas não sabia como utilizá-los depois de seis meses de treino.

Nuno Cobra foi muito feliz em suas colocações na matéria A corrida e o sistema imunológico. O corpo humano realmente é uma máquina fantástica que apresenta falhas após muito maltrato, ou por questões especiais, como doenças herdadas. Como falo para os amigos mais próximos, fazer o certo é uma opção, pois todos os dias somos desafiados a tomar uma decisão. Independente do motivo, espero que você não deixa para decidir quando for tarde demais.

Por fim, as homenagens a maratona. Boa parte da revista trouxe histórias interessantes e reportagens com atletas que fizeram da maratona uma prova de tradição. Depois de seis meses, aind ame pergunto se um dia me prepararei para correr uma meia maratona. Hoje, não consigo me imaginar correndo 42 Km.

A Runners World Brasil só chega amanhã.

André e o tênis

Meu Asics Kayano está completando 400 Km. Pisoteado, molhado e enlameado começou a apresentar sinais de desgaste. Aquele maldito buraquinho em cima do dedão apareceu, mas nada como um pouco de algodão e super-cola para dar jeito nele. Ensinamentos de um mundo de improviso. Não ria de mim, pois o esforço tem uma razão. O sistema de amortecimento do tênis ainda está funcionando de forma impecável.

Mas aquele papo do tênis durar até 800 Km? Descobri que os testes de resistência são conduzidos com indivíduos com peso médio de 70 Kg. Apesar disso, o Kayano tem resistido com dignidade aos meus 93 Kg. Tá certo, com uma pequena ajudinha.

E o Mizuno? O Wave Creation 10 foi vendido. Uma salva de palmas ao Mercado Livre. Para seu lugar consegui um Adidas Sequence Supernova em uma liquidação. Resolvi testar outra marcar, pois a Asics está acima da crítica. A primeira impressão foi positiva. Fiquei surpreso com a estabilidade que ele proporcionou no asfalto. O amortecimento também agradou.

Adidas Verão

Iniciei com este treino um novo macrociclo para a Adidas Verão. Apesar da temperatura elevada a meta é tentar baixar novamente meu tempo. Espero ano que vém, com temperaturas mais amenas, me tornar um sub-50' nos 10K quando completar 1 ano de treino.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…