Pular para o conteúdo principal

Vida de corredor II

Duas vezes por semana eu fico na expectativa do expediente terminar bem, correr para a Praça XV para embarcar antes da grande multidão, pegar um ônibus para casa, render minha sogra (ou minha mãe) e brincar com o rebento até umas 8 e meia. Depois de colocá-lo para dormir, correr para cumprir com meus afazeres antes que fique muito tarde e esperar por minha esposa para no mínimo colocar o papo em dia. Torço para o celular não tocar muito e tento relaxar para dormir algumas horas, normalmente 5 a 6 horas de sono.

De repente um som incompreensível começa a preencher meus ouvidos. É o despertador. O corpo inerte reluta para acordar. São cinco e meia! Como assim!?! O dia anterior ainda é uma recordação muito presente na mente e no corpo. Graças a endorfina crio coragem para me levantar. São 20 minutos para comer, se arrumar e deixar as coisas do trabalho prontas para depois ganhar as ruas do bairro. Finalmente, correr.

O dia nasce e as luzes começam a se desligar nos postes. A cabeça roda em meio a afazeres e os olhos acompanham a evolução do frequencímetro até o final do aquecimento. Em seguida a corrida, inicialmente leve intervalada com a forte. A bendita corrida que tanto me faz bem. Nada é capaz de destruir este momento intimista entre corpo e alma. É um momento que temos para nos desafiar e testar qualidades como perseverança, disciplina e honestidade. Como não? Você nunca pensou em dar uma roubadinha e encurtar seu treino, ou diminuir o nível de dificuldade?

O circuito de 2,3 Km que montei aqui no bairro tem subidas, descidas e um bom trecho em nível para um tiro forte. Voltando as virtudes, para terceira volta acontecer é preciso vencer a mente, que não esqueçeu o quão difícil foi a subida na primeira metade do treino. O corpo clama por água e a consciência ri do aperto em que você se colocou. Finalmente chegamos a hora da decisão. Respiro fundo, verifico a FC no Polar e aperto o ritmo para completar a derradeira volta. As vozes cessam, o silêncio volta a reinar e o sorriso aparece ao terminar mais um treino... inteiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…