Pular para o conteúdo principal

A energia foi maior do que eu pensava novamente

Há três meses quando levantei às cinco e meia para me preparar para a Adidas Inverno estava ainda estava escuro. Hoje a janela parecia uma moldura a exibir um céu azul repleto de nuvens claras e escuras. Não estava frio como no dia anterior, fato que me deixou esperançoso de ter corrida sem chuva. O receio apareceu quando chegava ao Rio, pois nuvens escuras pairavam sobre o centro. Sinal de que poderia estar chovendo por lá, mas não tinha mais volta e a capa de chuva estava na bolsa desde ontem. Vamos que vamos.

Será que vai chover?

Apesar do número cada vez maior de participantes, na minha opinião, a organização do evento é boa. Acho apenas que alguns serviços poderiam ser redimensionados. O teste da pisada, por exemplo, a quantidade de equipamentos para avaliação foi pequeno para a fila que se formou. Até tentei fazê-lo, mas depois de quase 20 minutos na fila e perceber que ficaria pelos outros 20 minutos, desisti. O mesmo para a massagem dentro do estande da O2. Um dos massagistas faltou e o público, como eu disse maior, foi distribuído para os dois massagistas presentes. Mas eu a considero uma boa prova. Já vi piores.

O local de retirada do kit (e mais um bocado de gente) foi bastante complidado, pois a Barra é bem distante de Niterói. Eu peguei o kit para outras três pessoas para descomplicar a vida de alguns amigos. Acho que existem locais de acesso mais fácil para todos. Existem Shoppings com que o Barra Shopping.

Preliminares. Deixei o carro próximo ao Aeroporto Santos Dumond. Chegar cedo tem suas vantagens. Enquanto caminhava em direção aos estandes para retirada do chip, o céu começou a abrir e o sol deu as caras. Foi aí que lembrei do “Primavera” no nome do evento. Não era mais inverno e a temperatura começava a subir rapidamente. Não fiquei tão preocupado, pudera, pois eu não sabia o que me esperava. Comemorei o bonito cenário que se configurava.

Alguns copinhos de iogurte depois eu comecei meu aquecimento, enquanto o locutor anunciava o alongamento. Fazer ou não alongamento antes da corrida é um assunto para outro post, mas eu sou a favor de não fazê-lo e realizar apenas um leve aquecimento de 10 minutos para acordar o corpo e lubrificar as articulações para a corrida.

Impecável o processo de entrega de chips.

Terminei o aquecimento faltando dez minutos para as oito horas, intervalo suficientemente curto para o corpo continuar em prontidão, mas infelizmente a largada foi adiada, pois ainda havia muita gente correndo para pegar o chip. Paciência. Tentei me sacudir do jeito que dava para manter o aquecimento e não prestar muita atenção nas reclamações alheias. Ainda deu tempo para ver o Eduardo Asdrub, meu velho chefe e mentor, no meio da multidão. Na linguagem dos sinais soube que ele iria correr a prova de 5K. Desejei-lhe boa sorte e pouco depois a corrida começou.

Instantes da largada. O Asdrub tava ali no meio... olha ali!

A corrida. Precise de pouco mais de 1 minuto para passar pelo pórtico de largada, mas ao contrário das outras vezes, a maioria das pessoas a minha frente eram mais rápidas do que eu. Assim, não tive dificuldades para estabelecer um ritmo. Pelo contrário, o aquecimento me deixou confiante e mesmo correndo a passadas largas, alongando, cravei 4’57” para o Km 1. Muito rápido! Eu sabia que estava além da conta, mas tomei como referência minha FCM. Eu teria que manter-me na casa dos 95% da FCM a corrida toda, sem mais nem menos. Suportei o pace em torno dos 5’ por km seguiu até o Km 4, quando o céu abriu e eu finalmente entendi o que era correr sobre o sol forte. Sentia meu ritmo se deteriorar sensivelmente, mas a FC estava em torno dos 95%. Cheguei a metade da prova com 26’54”, contra 28’08” da última edição. Eu sabia que se mantivesse o ritmo já seria o suficiente para estabelecer meu novo recorde pessoal, mas não foi fácil com o sol fritando meus miolos. Os dois postos de hidratação que restavam se transformaram em verdadeiros oásis. Era um pequeno gole para matar a sede e o resto na cabeça. O copo d’água era como um chuveiro de água gelada mais que providencial, reduzindo a fadiga e a temperatura corporal. Foi um final de prova sem direito a sprint, mas sabendo que o recorde estava garantido. NRP: 56’02”, 1’44” mais rápido que na última edição. Um razoável pedaço de chão que deixei para trás em relação a julho passado.

NRP: 56'02". Será que dá para fazer melhor com tão pouco tempo para treinar?

O evento. Depois do alongamento, foi a hora de matar a sede e fome. Tinha o que comer e beber tanto na chegada, assim como no estande para os integrantes do Clube O2. De medalha no peito e satisfeito com o resultado, voltei para casa.

Adidas Primavera: mais de 11 mil participantes. Tem limite?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Garmin Brasil: confiança tem nome!

Dia 11 de agosto, dia do último treino com meu Forerunner 610 funcionando. Não houve mandinga capaz de fazer a tela sensível ao toque responder o lado ocidental simplesmente não respondia mais ao toque.

Em conversa com o compadre Gláucio sobre que a Garmin havia montado uma unidade de reparo no Brasil. O processo foi bem simples. Num primeiro momento (1) descrevi o problema em um pedido de assistência, aos cumprir com os testes padrões sugeridos pelo atendente. Pouco tempo depois (2) recebi um orçamento para resolução do problema e se estivesse interessado, deveria realizar o pagamento do valor. O passo seguinte seria (3) enviar via correio o dispositivo sem acessórios para a Garmin Brasil. Fiz seguro e mandei via SEDEX. Daí foi aguardar pelo atendimento. A Garmin Brasil tem uma SLA de 30 dias úteis, mas não precisei aguardar tanto para rever meu FR 610 funcionando. Na última quarta treinei com ele. Estava como novo. Até a película protetora estava na tela para mostrar que era nova.


Exc…

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…