Pular para o conteúdo principal

A energia foi maior do que eu pensava novamente

Há três meses quando levantei às cinco e meia para me preparar para a Adidas Inverno estava ainda estava escuro. Hoje a janela parecia uma moldura a exibir um céu azul repleto de nuvens claras e escuras. Não estava frio como no dia anterior, fato que me deixou esperançoso de ter corrida sem chuva. O receio apareceu quando chegava ao Rio, pois nuvens escuras pairavam sobre o centro. Sinal de que poderia estar chovendo por lá, mas não tinha mais volta e a capa de chuva estava na bolsa desde ontem. Vamos que vamos.

Será que vai chover?

Apesar do número cada vez maior de participantes, na minha opinião, a organização do evento é boa. Acho apenas que alguns serviços poderiam ser redimensionados. O teste da pisada, por exemplo, a quantidade de equipamentos para avaliação foi pequeno para a fila que se formou. Até tentei fazê-lo, mas depois de quase 20 minutos na fila e perceber que ficaria pelos outros 20 minutos, desisti. O mesmo para a massagem dentro do estande da O2. Um dos massagistas faltou e o público, como eu disse maior, foi distribuído para os dois massagistas presentes. Mas eu a considero uma boa prova. Já vi piores.

O local de retirada do kit (e mais um bocado de gente) foi bastante complidado, pois a Barra é bem distante de Niterói. Eu peguei o kit para outras três pessoas para descomplicar a vida de alguns amigos. Acho que existem locais de acesso mais fácil para todos. Existem Shoppings com que o Barra Shopping.

Preliminares. Deixei o carro próximo ao Aeroporto Santos Dumond. Chegar cedo tem suas vantagens. Enquanto caminhava em direção aos estandes para retirada do chip, o céu começou a abrir e o sol deu as caras. Foi aí que lembrei do “Primavera” no nome do evento. Não era mais inverno e a temperatura começava a subir rapidamente. Não fiquei tão preocupado, pudera, pois eu não sabia o que me esperava. Comemorei o bonito cenário que se configurava.

Alguns copinhos de iogurte depois eu comecei meu aquecimento, enquanto o locutor anunciava o alongamento. Fazer ou não alongamento antes da corrida é um assunto para outro post, mas eu sou a favor de não fazê-lo e realizar apenas um leve aquecimento de 10 minutos para acordar o corpo e lubrificar as articulações para a corrida.

Impecável o processo de entrega de chips.

Terminei o aquecimento faltando dez minutos para as oito horas, intervalo suficientemente curto para o corpo continuar em prontidão, mas infelizmente a largada foi adiada, pois ainda havia muita gente correndo para pegar o chip. Paciência. Tentei me sacudir do jeito que dava para manter o aquecimento e não prestar muita atenção nas reclamações alheias. Ainda deu tempo para ver o Eduardo Asdrub, meu velho chefe e mentor, no meio da multidão. Na linguagem dos sinais soube que ele iria correr a prova de 5K. Desejei-lhe boa sorte e pouco depois a corrida começou.

Instantes da largada. O Asdrub tava ali no meio... olha ali!

A corrida. Precise de pouco mais de 1 minuto para passar pelo pórtico de largada, mas ao contrário das outras vezes, a maioria das pessoas a minha frente eram mais rápidas do que eu. Assim, não tive dificuldades para estabelecer um ritmo. Pelo contrário, o aquecimento me deixou confiante e mesmo correndo a passadas largas, alongando, cravei 4’57” para o Km 1. Muito rápido! Eu sabia que estava além da conta, mas tomei como referência minha FCM. Eu teria que manter-me na casa dos 95% da FCM a corrida toda, sem mais nem menos. Suportei o pace em torno dos 5’ por km seguiu até o Km 4, quando o céu abriu e eu finalmente entendi o que era correr sobre o sol forte. Sentia meu ritmo se deteriorar sensivelmente, mas a FC estava em torno dos 95%. Cheguei a metade da prova com 26’54”, contra 28’08” da última edição. Eu sabia que se mantivesse o ritmo já seria o suficiente para estabelecer meu novo recorde pessoal, mas não foi fácil com o sol fritando meus miolos. Os dois postos de hidratação que restavam se transformaram em verdadeiros oásis. Era um pequeno gole para matar a sede e o resto na cabeça. O copo d’água era como um chuveiro de água gelada mais que providencial, reduzindo a fadiga e a temperatura corporal. Foi um final de prova sem direito a sprint, mas sabendo que o recorde estava garantido. NRP: 56’02”, 1’44” mais rápido que na última edição. Um razoável pedaço de chão que deixei para trás em relação a julho passado.

NRP: 56'02". Será que dá para fazer melhor com tão pouco tempo para treinar?

O evento. Depois do alongamento, foi a hora de matar a sede e fome. Tinha o que comer e beber tanto na chegada, assim como no estande para os integrantes do Clube O2. De medalha no peito e satisfeito com o resultado, voltei para casa.

Adidas Primavera: mais de 11 mil participantes. Tem limite?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…