Pular para o conteúdo principal

A energia foi maior do que eu pensava novamente

Há três meses quando levantei às cinco e meia para me preparar para a Adidas Inverno estava ainda estava escuro. Hoje a janela parecia uma moldura a exibir um céu azul repleto de nuvens claras e escuras. Não estava frio como no dia anterior, fato que me deixou esperançoso de ter corrida sem chuva. O receio apareceu quando chegava ao Rio, pois nuvens escuras pairavam sobre o centro. Sinal de que poderia estar chovendo por lá, mas não tinha mais volta e a capa de chuva estava na bolsa desde ontem. Vamos que vamos.

Será que vai chover?

Apesar do número cada vez maior de participantes, na minha opinião, a organização do evento é boa. Acho apenas que alguns serviços poderiam ser redimensionados. O teste da pisada, por exemplo, a quantidade de equipamentos para avaliação foi pequeno para a fila que se formou. Até tentei fazê-lo, mas depois de quase 20 minutos na fila e perceber que ficaria pelos outros 20 minutos, desisti. O mesmo para a massagem dentro do estande da O2. Um dos massagistas faltou e o público, como eu disse maior, foi distribuído para os dois massagistas presentes. Mas eu a considero uma boa prova. Já vi piores.

O local de retirada do kit (e mais um bocado de gente) foi bastante complidado, pois a Barra é bem distante de Niterói. Eu peguei o kit para outras três pessoas para descomplicar a vida de alguns amigos. Acho que existem locais de acesso mais fácil para todos. Existem Shoppings com que o Barra Shopping.

Preliminares. Deixei o carro próximo ao Aeroporto Santos Dumond. Chegar cedo tem suas vantagens. Enquanto caminhava em direção aos estandes para retirada do chip, o céu começou a abrir e o sol deu as caras. Foi aí que lembrei do “Primavera” no nome do evento. Não era mais inverno e a temperatura começava a subir rapidamente. Não fiquei tão preocupado, pudera, pois eu não sabia o que me esperava. Comemorei o bonito cenário que se configurava.

Alguns copinhos de iogurte depois eu comecei meu aquecimento, enquanto o locutor anunciava o alongamento. Fazer ou não alongamento antes da corrida é um assunto para outro post, mas eu sou a favor de não fazê-lo e realizar apenas um leve aquecimento de 10 minutos para acordar o corpo e lubrificar as articulações para a corrida.

Impecável o processo de entrega de chips.

Terminei o aquecimento faltando dez minutos para as oito horas, intervalo suficientemente curto para o corpo continuar em prontidão, mas infelizmente a largada foi adiada, pois ainda havia muita gente correndo para pegar o chip. Paciência. Tentei me sacudir do jeito que dava para manter o aquecimento e não prestar muita atenção nas reclamações alheias. Ainda deu tempo para ver o Eduardo Asdrub, meu velho chefe e mentor, no meio da multidão. Na linguagem dos sinais soube que ele iria correr a prova de 5K. Desejei-lhe boa sorte e pouco depois a corrida começou.

Instantes da largada. O Asdrub tava ali no meio... olha ali!

A corrida. Precise de pouco mais de 1 minuto para passar pelo pórtico de largada, mas ao contrário das outras vezes, a maioria das pessoas a minha frente eram mais rápidas do que eu. Assim, não tive dificuldades para estabelecer um ritmo. Pelo contrário, o aquecimento me deixou confiante e mesmo correndo a passadas largas, alongando, cravei 4’57” para o Km 1. Muito rápido! Eu sabia que estava além da conta, mas tomei como referência minha FCM. Eu teria que manter-me na casa dos 95% da FCM a corrida toda, sem mais nem menos. Suportei o pace em torno dos 5’ por km seguiu até o Km 4, quando o céu abriu e eu finalmente entendi o que era correr sobre o sol forte. Sentia meu ritmo se deteriorar sensivelmente, mas a FC estava em torno dos 95%. Cheguei a metade da prova com 26’54”, contra 28’08” da última edição. Eu sabia que se mantivesse o ritmo já seria o suficiente para estabelecer meu novo recorde pessoal, mas não foi fácil com o sol fritando meus miolos. Os dois postos de hidratação que restavam se transformaram em verdadeiros oásis. Era um pequeno gole para matar a sede e o resto na cabeça. O copo d’água era como um chuveiro de água gelada mais que providencial, reduzindo a fadiga e a temperatura corporal. Foi um final de prova sem direito a sprint, mas sabendo que o recorde estava garantido. NRP: 56’02”, 1’44” mais rápido que na última edição. Um razoável pedaço de chão que deixei para trás em relação a julho passado.

NRP: 56'02". Será que dá para fazer melhor com tão pouco tempo para treinar?

O evento. Depois do alongamento, foi a hora de matar a sede e fome. Tinha o que comer e beber tanto na chegada, assim como no estande para os integrantes do Clube O2. De medalha no peito e satisfeito com o resultado, voltei para casa.

Adidas Primavera: mais de 11 mil participantes. Tem limite?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…