Pular para o conteúdo principal

Max e Cooper

Enquanto não consigo marcar um teste ergoespirométrico e descobrir meu VO2 max, resolvi conhecer o teste de Cooper. Imediatamente voltei no tempo e a lembrança das pessoas com suas fitas elásticas na testa, camisetas, shorts e meiões chamando os treinos de Cooper.
Resumidamente, o teste de Cooper avalia a distância que completamos correndo 12 minutos. No site que visitei apresentava uma tabela para avaliação de acordo com as faixa etária. Curioso que sou, utilizei meu pace da Adidas Primavera para uma avaliação preliminar. Com um pace de 5'38" por Km, usei da lei das proporções para chegar a 2.13 metros em 12 minutos. Na tabela de Cooper este desempenho é considerado regular para aqueles, que como eu, têm 39 anos.
Tabela do teste de Cooper

Fiquei curioso para saber quanto consigo correr mandando ver por 12 minutos.
05:30 que nada, 05:40

Como prometido, neste post vou falar com mais detalhes sobre o tema da coluna No pique de Marcos Paulo Reis (Revista Runners World - out/10). O título nada tem a ver com o horário matutino dos treinos, mas com o ângulo que nossos braços promovem enquanto corremos. Durante os últimos treinos resolvi trabalhar mais o movimento dos braços e para minha surpresa percebi que consegui realizar passadas mais largas. Mas tive um problema com relação ao nível de esforço. Técnica é costume e preparo físico. Falando em preparo físico, percebi que este novo padrão de movimento exigiu mais do core. Principalmente do infra. Continuarei insistindo, pois posso ganhar preciosos segundos com isso.
Links deste post

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…