Pular para o conteúdo principal

1a Etapa do Circuito Athenas RJ: mais que uma corrida

Algumas coisas que fazemos são tão boas, que além de modificarem positivamente nossas vida são capazes de alterar a vida de outras pessoas. E nesta transformação, pude perceber o quão bem fiquei em saber que fui uma referência para alguns. Fui a motivação, ou talvez um desafio para alguns outros. Vi que minha perseverança se transformou em uma bandeira, por um estilo de vida mais saudável. Mas hoje eu quero falar o quanto a corrida fez pela minha família. 


SÁBADO
Eram três da tarde, quando o carro passava pelo portão da garagem em direção ao Rio. Dia bonito de céu encoberto e brisa refrescante. No banco de trás estava meu companheiro de aventuras, no auge de seus quase quatro anos de idade. A música fazia a trilha sonora de um caminho sem trânsito para o Rio. E antes que o álbum acabasse, já havíamos alcançado o Monumento dos Praçinhas. Acho que nunca cansarei desta vista. É uma obra arquitetônica memorável. Corremos até as barracas e por obra do destino as filas eram pequenas. Sim, o processo de retirada do kit continuava o mesmo. Uma fila para pegar o número de peito com chip e uma outra para o kit.

Com o presente da mamãe em mãos seguimos para segunda parte da aventura. Voltamos ao carro para pegar a bicicleta. Seguimos pela pista sem compromisso. Ele pedalando e eu no trote. Quando me dei conta a hora já havia passado. Nem parecia que mais cedo eu havia corrido 16 km aquela altura. Talvez tenha sido a tal magia das crianças. Foi um bom ensaio para um domingo cheio de resoluções que estava por vir.


DIA DA PROVA
sono foi tranquilo e restaurador, a ponto de arrumar tranquilamente as coisas para sair, antes de acordar a esposa. O rebento, voluntarioso, perguntava se iríamos andar de bicicleta novamente e ver os aviões. De pronto afirmei e ganhei um sorriso de anjo como resposta. 

Chegamos ao local da prova perto das sete e meia. Nós em nossos tênis e ele na bicicleta. Estava cheio, mas ainda acolhedor. Devíamos ser uns cinco mil amantes da vida saudável, prontos para suar. Alguns por recordes pessoais e outros como marco para um novo ciclo, como estava sendo para minha esposa.

O Circuito Athenas não é uma novidade em nossas vidas, mas é um evento que simboliza a renovação. E por falar em novo, preciso contar sobre a minha mais nova amizade e também blogueira Renata. Ela e família também participaram da corrida e graças a camisa laranja do ano passado, ela me achou naquele mar humano e negro. Como a luz para a mariposa, também fui achado pela Márcia, gente bonissima e fruto também deste mundo sobre o tênis. Faltou o Victor e esposa. Gostaria de ter parabenizado o vencedor do sorteio da inscrição que promovemos no blog. Fica para próxima.

Nos despedimos com o aquecimento em curso. Depois do “boa sorte” e alguns sorrisos, minha esposa Andréa e amigos sumiram na multidão. Então eu e o rebento, em sua bicicleta, seguimos para o final do pelotão e no sentido contrário por um bom tempo. Vimos o primeiro ponto de hidratação e retornamos em direção a largada. Um gole de água e seguimos em frente até o ponto de retorno já próximo do viaduto. Ainda deu tempo de acompanhar alguns retardatários.

O ritmo do meu trote era consistente e em alguns momentos meu guia apertava o ritmo em sua bicicleta. Apesar de não aparentar cansaço, o rebento pedalara 4 km, fato que me impressionara. Voltamos para a escadaria do monumento e esperamos minha esposa entre muitas subidas e decidas. Quanta energia! Não demorou muito para ela surgir em meio ao mar de gente com um sorriso estampado. Valera a pena. É o que importa. Ela renovara os votos com a vida e aquele brilho de quem fez a coisa certa reluzia em seu olhar.


Beijos, abraços e fotos depois seguimos para casa e eu já sonhando com a próxima corrida... dela, claro.

Agradecimentos especiais para Letícia, da Iguana, pois o Circuito Athenas foi mais que uma corrida para os Gonçalves.

HUMILDADE E SUCESSO
Em algum lugar eu li que o primeiro passo para o sucesso é saber ouvir. A Iguana disponibilizou um formulário de avaliação para ouvir os participantes da prova. CLIQUE AQUI para você deixar sua participação.

Comentários

  1. André agora vendo as fotos do seu blog percebi que já nos conhecemos, também estive nesta prova aliás até te vi, mas não me associei vc ao blog...rsss...Nao corri esta prova mas fui dar uma força a vcs amigos..Parabéns por mais uma etapa vencida...
    Bons treinos,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acontece.
      Eu lembro da primeira vez que tive contato com você, quando o Carlos Magno lhe apresentou na Golden Four Asics 2011. De lá pra cá já nos esbarramos algumas vezes.
      Impressionante o que você faz, correndo e através do blog.
      Boas passadas, Jorge.
      André

      Excluir
  2. André, que família linda! Meus parabéns por incentivar os Gonçalves nessa vida saudável.

    Não foi desta vez que conseguimos nos encontrar, mas na G4 estaremos por lá.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Victor.
      Estou na fissura para a corrida. Esta prova me motiva. Gosto muito dela.

      Excluir
  3. Eu me emocionei com esse seu post, André. Porque tenho pouquíssimo tempo de corrida e já sinto que minha vida também se transformou. E, claro, você é mesmo uma referência.
    Fico feliz pelo brilho no olhar da Andréa. Essa corrida foi mesmo um marco, não?
    Parabéns, de novo, pela família. E obrigada, de novo, por ser essa fonte de inspiração.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ano passado, quando eu ainda recuperava o ritmo, meu compadre me apresentou um relato de um maratonista debutante. A história me impressionou de tal forma, que estou aqui hoje em meio aos treinos para a minha maratona.
      Acho que a corrida é um esporte fantástico e impressionante, pois as histórias contadas poderiam ser suas, ou de alguém próximo. Ao mesmo tempo consegue ser simples, mas também grandioso.
      As provas, como o próprio nome sugere, dividem ciclos de aprendizado. Tirar proveito da lição é o nosso maior prêmio.
      Obrigado pelo carinho e com certeza estaremos juntos outras vezes!
      Boas passadas ;-)

      Excluir
  4. André,

    Parabenizo-o a você e sua família (esposa e filho) pelas práticas esportivas.

    Um dos motivos pelos quais eu corro é deixar para meu filho (hoje com 2 anos e meio) um exemplo de que é possível e prazeroso levar um estilo de vida ativo e mais saudável.

    Grande abraço.
    Brunno - http://movidoaendorfina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brunno,
      Como bem dizem por aí: QUEM AMA EDUCA. Não existe nada mais valioso para nossos herdeiros do que o exemplo. Se conseguirmos isso, ao menos criaremos um contra-ponto as porcarias que o mundo diariamente lhe colocará.
      Apenas reforçando o ponto de vista: A ESCOLA FORMA uma pessoas para o mercado de trabalho. Lhe oferece habilidade técnicas, mas é a pessoa que conquista o espaço com sua EDUCAÇÃO.
      Obrigado pela visita e pelo belíssimo comentário.
      Saúde para seu pequeno.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…