Pular para o conteúdo principal

Asics Golden Four: eu sou 01:54:58


Foram quase 350 km em 32 treinos desde o Circuito Sol. A próxima semana servirá apenas para preparar o corpo para a prova que mais me cativa dentre as que participei até hoje. Serei eternamente grato ao Glaucio por me convencer a correr uma meia maratona e mais grato ainda por ter debutado na Golden Four Asics. Gosto de tudo! Da feira, das palestras, da qualidade da camisa e de tudo mais que a cerca. Acho que até o ar que envolve a prova nos faz correr melhor. Não há aspirantes, pois 21 km exigem condicionamento. A largada por ritmo é quase desnecessária, pois os rostos são praticamente os mesmos do início ao fim. Todo mundo preparado. Todo mundo consciente do desafio.
Como já disse, este ano a prova tem sabor especial. É nela que começarei a medir minhas condições para a maratona em julho e o quanto o novo planejamento com o treinador já fez efeito.

Ironicamente meu recorde pessoal não foi na G4, mas foi a G4 que me ensinou a correr 21 km com uma grandíssima ajuda do Sérgio - Blog Corredor Feliz. Sérgio, meu amigo. Lhe serei eternamente grato por guiar meus primeiros passos em uma meia maratona.

Mas na semana que antecede uma prova, eu começo a rever tudo que fiz e o que preciso para estar bem no dia do evento. Coincidência ou não, uma matéria da Revista Runners veio bem a calhar, pois trata dos problemas que podemos sofrer. Até agora passei bem, pois sou muito regrado, mas não custa relembrar que o foco é importante para o êxito. Se você está começando, espero que devore a resenha e com sorte consiga uma edição para ler em detalhes a grande matéria.



DESASTRES DE DIA DE PROVA

HIPERTERMIA

Quem mora no Rio sabe que o calor é uma possibilidade real em dias de prova em qualquer momento do ano. Então saber lidar com o calor é praticamente uma obrigação e abrir mão de recordes pessoais nos dias quentes um ato de sabedoria. Concluir a prova de forma saudável deveria se tornar o objetivo, afinal melhor perder uma batalha do que uma guerra.

O relato sobre a corredora que se deu mal é a prova de que a hipertemia não é um problema exclusivo de iniciantes. Mesmo com cinco anos de experiência, ela passou aperto com o calor. As dicas de hidratação servem para todos nós. São elas:

1. Tenha certeza de beber ao menos dois litros de água no dia anterior a prova.

2. Tomar pelo menos de 250 a 500 ml de isotônico é importante para prevenir a perda de sais minerais.

3. Tomar de 150 a 300 ml a cada 15 a 20 minutos.

4. Pare ao primeiro sinal de náuseas, tonturas ou falta de ar. Procure ajuda e uma sombra. Beba água e refresque-se.

CÃIBRAS

Outro problema que assombra muita gente é a cãibra. É sabido que o excesso de esforço pode levar as cãibras, normalmente provenientes de um esforço acima do que somos capazes de tolerar. A matéria até sugere que o longão seja equivalente de 20% a 25% do volume semanal para trazer resistência aos músculos. A surpresa foi ler que a ausência de sal pode causar cãibras. A reposição de sais durante corridas longas é tão importante quanto a hidratação.

ASMA

O relato sobre a asma é emblemático para mim, pois sou asmático. A parte boa é que faz tempo que não tenho uma crise. Mesmo assim não tiro a bombinha da bolsa por nada neste mundo. Vai que...

Fazer um bom aquecimento antes da prova é essencial, principalmente em dias frios. Na Asics Golden Four de 2012 eu cheguei a sentir falta de ar no aquecimento e nos primeiros quilômetros, mas passou.
CÓLICAS INTESTINAIS

Saber o que comer é muito importante não só antes de uma prova, mas nos dias que a antecedem também. Alimentos ricos em fibras ou gordurosos devem ser evitados para se sofrer com cólicas ou coisa pior durante a prova.

HIPONATREMIA

O último caso da reportagem fala sobre a hiponatremia. É um quadro provocado pelo excesso de água em conjunto com níveis muito baixos de sódio no sangue. Graças a Deus não é algo que possa acontecer com facilidade em provas curtas, mas não custa alertar sobre os cuidados com a alimentação. Tonteiras e náuseas são sintomas comuns, mas em alguns casos o quadro pode levar a risco de morte. É um assunto importante para corredores de meias e maratonas. Vale se informar.

Como eu disse, sempre existe algo novo a se conhecer, quando se tem disposição para ler e ouvir.

Comentários

  1. Grade André, estou ansioso pela prova, onte m foi meu último longo, agora é baixar a bola para chegar tiníndo. Não estava querendo ir buscar o kit, mas acho que vale a pena ir lá na barra para conhecer a Expo.
    Vamos com tudo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Victor.
      Ansiedade grande e curiosidade em visitar a feira. Fui em 2011 e 2112 e não me arrependi. Palestras interessantes, e a loja de material da Asics é uma baba! Valeu a pena. As meias Kayano que comprei são maravilhosas e apesar do uso nos último ano, ainda estão em bom estado. Recomendo.
      Além disso, como falei, o ar da evento parece que nos energiza. Saio daquele salão pilhado para correr no domingo de manhã.
      Vale a pena, Victor.
      Quem sabe não combinamos de ir pegar o kit?
      Abraço

      Excluir
    2. Os preços da feria são convidativos? É só me ligar que combinamos.

      Excluir
    3. Para algumas coisas... outras não. Normalmente as roupas e acessórios tem preços convidativos, mas os tênis (que eu lembre) eram oferecidos a preços de mercado.
      Mas te ligo.
      Abraço.

      Excluir
  2. Parabéns André.
    Já te desejo um "seja bem vindo" ao time dos que completaram 21 e estão na dedicação pelos 42.
    Sei que você vai correr e bem.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Luiz.
      Esta será minha sétima meia maratona. A terceira Golden Four e vou pilhado para uma ótima prova!
      E você? Está no Rio? Vai para a G4?

      Excluir
  3. Que expectativa, hein, André?!
    Também tenho certeza que você vai correr muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É minha amiga.
      Algumas provas tem este poder na gente. A Golden Four é a minha. Depois veja meus relatos das provas de 2011. Me arrepio só de lembrar da minha primeira meia.
      Veja: http://andreeotenis.blogspot.com.br/2011/06/golden-four-asics-surpreendente-do.html

      Excluir
  4. Grande André,

    Mais um post interessantíssimo que leio em seu blog. Tanto pelo seu relato nesses dias que antecedem a Golden 4 Asics RJ como pela ótima resenha dessa edição da Runners.

    Eu recentemente estreei na Meia Maratona (em Campinas, 24/3) e já estou programando uma segunda Meia. Será também na Golden 4 Asics, mas na etapa de SP (em julho).

    Já ouvi muitos comentários positivos a respeito dessa prova (inclusive os seus), por isso me animei e elegi a Golden 4 Asics como minha próxima "prova oficial".

    Grande abraço e muito boa sorte para você. Estou aqui torcendo e depois gostaria de ler seu relato sobre como foi a prova.

    Brunno - http://movidoaendorfina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brunno,
      Um dos relatos que mais emocionei ao escrever foi da G4 de 2011. Acho que ali ficou muito claro minha identificação com esta prova. Espero que goste.
      Veja: http://andreeotenis.blogspot.com.br/2011/06/golden-four-asics-surpreendente-do.html

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…