Pular para o conteúdo principal

Águas de março

Ainda estava escuro quando acordei. O silêncio denunciava que ainda não era hora das pessoas normais levantarem. Pego o smartphone e vejo que são quatro e trinta e cinco da manhã. Despertei quinze minutos antes do alarme. Nem parecia que eu havia me deitado perto da meia noite. Estava sem sono e completamente lúcido. Tudo isso deve ser fruto de alguma parte dos 92% do nosso cérebro que não conhecemos ou usamos conscientemente.
Com o tempo extra consegui me preparar com calma para o treino. Enquanto comia pensava na coluna da Revista Contra Relógio, reforçando a importância do alongamento ativo antes do treino e do estatístico no final. De que aquecimento não lesiona ninguém e que a carga mal dimensionada dos treinos é a verdadeira vilã, junto com sua comparsa, a técnica incorreta de correr.
Às cinco eu já estava na rua iniciando a corrida leve. Os primeiros minutos de treino têm sido difíceis, pois as dores musculares já não passam tão rapidamente com quatro treinos na semana. Hoje a dor tem um tempero a mais, pois por causa do trabalho não fiz o treino na terça. Tive que fazê-lo na quarta (ontem) e hoje (quinta) estou aqui para o temível treino de qualidade.
Os treinos passaram a ter vinte e cinco minutos de aquecimento desde que passei a ser orientado pelo treinador, mas esta é uma boa notícia. O corpo já não dói mais quando chega a hora do treino específico. O tornozelo direto continua preocupando, mas parece que identifiquei o foco da dor: o Tendão de Aquiles.
A chuva caía leve do céu ainda escuro. Não liguei, por causa do calor que estava em torno dos vinte quatro graus às cinco da manhã. A travessia do túnel da avenida Roberto Silveira é tão longa, que esqueci da chuva. Penso, feliz, no resultado do longão do último sábado, quando subi o Parque da Cidade quase cinco minutos mais rápido do que na primeira tentativa em fevereiro.
Ironicamente a chuva se limitou a Icaraí. Ela não atravessou o túnel comigo. Comecei o treino específico já em Charitas. Primeiro foram os tiros curtos e asfixiantes. Os trinta segundos entre os tiros servia apenas para recuperar a lucidez. Depois nova corrida leve, para purificar o corpo do ácido lático, para em seguida enfrentar os tiros de um quilômetro. O minuto e meio entre os tiros servia para eventuais saudações, afinal correr antes das seis é um hábito de poucos. As caras são normalmente as mesmas, como num clube. Apenas ontem foi diferente, quando passei voando pela Renata. Ela estava tão imersa em seu mp3 que não percebeu minha passagem e eu não tive coragem de abordá-la.
Enquanto eu corria o penúltimo tiro, senti o vento soprar forte e a Cidade Maravilhosa sumir sobre um manto cinza. Durante o derradeiro tiro, a chuva e o vento finalmente venceram o sol que teimava em nascer esplendoroso a minha direita. As primeiras gotas começaram a me acertar e em pouco tempo eu estava encharcado. Pensei em Toquinho e Vinícius de Moraes.
A chuva mais parecia um presente dos céus para amenizar o calor e ajudar a descansar o corpo para o longão que estaria por vir no sábado. Foram 16 quilômetros, com uma linda alvorada, visual do MAC, uma Estrada Fróes com aroma de mato molhado, a orla de São Francisco e Charitas vazia. Foi tranquilo, sem dor, sem complicações. Penso nos 21K da Golden Four Asics com um sorriso.

YOUTUBE
Estou tentando resgatar vários vídeos que no passado me ajuram a manter o foco. Este foi um que assisti muito enquanto tentava trocar os treinos noturnos pelos matutinos.

Comentários

  1. Poético... Inspirador... Gostei demais do seu relato...

    Abs

    Fábio
    www.42afrente@blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Fábio.
      Vez outra parece que a gente "acerta a mão".
      Boas passadas e sucesso no projeto QUEIMANDO O BACON!
      Estou na torcida :-)

      Excluir
  2. Respostas
    1. E vamos que vamos, Tadeu!
      Obrigado pela visita.

      Excluir
  3. Realmente... inspirador.
    Tenho vontade de conhecer o Rio....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Japarun,
      O Rio é até bonito (risos), mas você precisa conhecer Niterói... do outro lado da baía.
      Abraços

      Excluir
  4. REalmente inspirador. Escreves muito bem.
    Assim fico com mais vontade de conhecer o Rio...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Japarun.
      Não se arrependerá. A orla é um cenário maravilhoso para as corridas.

      Excluir
  5. Ahhhhhhhhhhhhhhh! Sério que passei por você e não te vi???? Quando for assim, dá um grito! :)
    Porque quando eu passar por você correndo novamente juro que vou dar um grito "vai, Andréeeeeeeeeeee!" Já passei duas ou três vezes por você anteriormente e fiquei com vergonha. Mas na próxima vez vai, juro que vai! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (Muitas risadas depois)
      Tá bom. Vou pular na sua frente, mas torcendo para não tomar um soco.

      Excluir
  6. Olá André. conheci teu blog pelo Fábio.
    Estou de olho. Grande abraço e excelentes kms!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que ficou no seu agrado.
      Seja bem vindo.
      Abs

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…