Pular para o conteúdo principal

Romeu e Julieta

Chegamos ao terceiro sábado de treino. O treinador marcara o encontro às sete da manhã na Vila Progresso, uma região arborizada dentro do bairro de Pendotiba. Por causa do Glaucio eu já tinha ouvido falar do local, onde as ruas não são pavimentadas e repletas de subidas. Não ia ser mole. Mas a compaixão divina uma vez mais se fez presente naquela manhã, pois uma chuva fina tornou a temperatura bem agradável, abaixo dos 25 graus.
Aproveitando a experiência do sábado passado, procurei pelos companheiros da semana passada, mas infelizmente eles não vieram. Então foi me misturar e ver no que dava. Éramos dois grupos, onde o primeiro faria 10 Km e o segundo 16 Km de treino. Não preciso dizer qual era meu destino, mas o ritmo abaixo de 6'30" assustava um bocado, pelo constante sobe e desce, que roubava cruelmente o oxigênio dos meus pulmões.
Os triatletas mais vez desapareceram da vista, enquanto a turminha do nível intermediário se destacava vagarosamente dos iniciantes. Da dúzia de corredores que largaram juntos, ficaram cinco (incluindo o treinador) e eu tentando acompanhá-los. O treinador a esta altura conversava sobre os eventos que a assessoria se faria presente e depois falou sobre a qualidade dos treinos em trilha.
No quilômetro sete, o treinador e uma moça se despediram, pois fariam a parte menor do treino e assim tentei seguir dois triatletas e a namorada de um deles. Sem o "freio" do treinador, um dos triatletas disparou e eu continuei meu desafio de seguir o casal. Ele, amante do triatlo, e ela, aspirante a maratonista. Assim como eu, sonha completar a Maratona do Rio em julho.
Era um casal muito simpático e aceitaram de bem que os acompanhasse, visto que eu não conhecia o percurso. Mas não aliviaram o ritmo. A solidez do ritmo da namorada impressionava, apesar dos aclives, da lama e dos paralelepípedos do trecho do condomínio. Nas subidas ela fugia e no plano, nós (o namorado também tinha dificuldades para acompanhar) fazíamos o possível para buscar a garota. Após a grande ladeira, fizemos boa parte do percurso juntos. Depois de uma frustrada tentativa de fuga, o triatleta ficou para trás e eu tentando segui-la alguns metros atrás. Foi assim por um bom tempo, até que ela parou! Achei que havíamos pego o caminho errado, mas ela me disse que bastava seguir em frente para chegar ao ponto de encontro. Ela retornou para resgatar o namorado retardatário.
É o amor.

Comentários

  1. Ah! Que lindo!
    Simpatizei-me com o casal! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. São ótimas pessoas.
      O clima na tenda é muito bom e o trabalho tem me agradado.
      Amanhã é dia de Parque da Cidade novamente.
      Vamos que vamos!
      Obrigado pela visita.

      Excluir
  2. Muito bom correr com companhia, ainda mais que com esse incentivo. Machismos a parte, nenhum marmanjo quer deixar a "patroa" fazê-lo comer poeira.

    Abraços,

    Victor Caetano

    corridaurbana.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso eu posso dizer que o Romeu vai ter que ralar muito! Ela vai tranquilo para a Golden Four Asics para sub-2h.
      Obrigado pela visita, Victor.
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…